domingo, 1 de junho de 2008

A Enciclopédia de Duna



Snippets of poetry from the Imperium; a sample folk tale from the Oral History; brief biographies of over a dozen Duncan Idahos: two differing approaches to Paul MuadT)ib himself and to his son, Leto II; Fremen recipes; Fremen history; secrets of the Bene Gesserit; the songs of Gurney Halleck—these are just some of the treasures found when an earthmover fell into the God Emperor's no-room at Dar-es-Balat, and are now included in The Dune Encyclopedia.
Dozens of scholars have rushed into print with their translations of one or more of the ridulian crystals, and the popular press on many planets has been filled with hypothesis, conjecture, and outright fabrication. In the meantime literally hun¬dreds of scholars, ranging from anthropolinguists and cultural historians to professors of every facet of science, have been laboring quietly and patiently with the incredible amount of material left hidden by Leto II nearly eighteen hundred years ago.

The labors of the Library Confraternity have finally brought some order to the chaotic randomness of the no-room artifacts. While only a very small percentage of the extant material has been either unearthed or translated, and little has received any kind of scholarly evaluation, nonetheless enough,progress has been accomplished to present this initial volume of The Dune Encyclopedia. This book has been the work of literally dozens of scholars who have contributed their efforts so that readers on worlds from one end of the galaxy to another may finally have a clear, coherent picture of the legendary days of Paul Muad'Dib and his son Leto Atreides, known during his 3,500-year lifetime as the "God Emperor."

Readers of The Dune Encyclopedia should understand its limitations: it is not designed as a definitive study of the entire eras encompassed by the Atreides Imperium. Yet the thousands of descendants of Duncan Idaho and Siona Atreides can now, after the recovery from the deleterious effects of the Starvation and the Scattering, learn something of their ancestors and the conditions that produced the God Emperor. They may also become aware of the undercurrents that resulted in his Fall. However, if readers of this volume are searching for the formulae which cover the electronic intricacies of the Spacing Guild trans-light Ixian Navigational systems, they will be disappointed. This type of material already exists elsewhere and need not be duplicated on these pages. Rather it has been the aim of the editors and the Library Confraternity to present in this volume a broad spectrum of material concerning those events and people which shaped our present worlds.

In addition, we must also consider something of the eccentricities of Lord Leto, who was solely responsible for accumulating, assembling, and secreting what is now known as the Rakis Hoard. If Leto was interested in some topic, the material was saved. If he was not, its absence in the Rakis digs is obvious. Furthermore, if he was amused by some scrap of information, he preserved it, even though many contemporary scholars feel the information may well have been false or mislead¬ing in the first place.

We have made no attempt to separate Leto's truths from his foibles or to indicate which is which. Such judgments are best left to scholars or to the general reading public at whom this book is aimed. In addition, Leto assembled much material from the centuries post-dating the Butlerian Jihad, and we present some of it in this book, including newly discovered information about the hitherto legendary Jehanne Butler who gave her name to the jihad she so nobly led.
Thus some of the entries in The Dune Encyclopedia were written by people who actually lived at the time of Muad'Dib; others were prepared by contemporary scholars based upon older materials, and still other entries represent preliminary papers prepared by the many investigators at Dar-es-Balat.

Selection of the final material was most arduous, but the entire governing aim is to present as well-rounded a picture of the early days of the Atreides Imperium as possible.

I would like to acknowledge the specific contributions made to The Dune Encyclopedia by Gweteder Muarz and Kriteen Gwuutan, whose labors were singularly devoted. Professors Gwilit Mignail and Zhauzaf Kluursh contributed many hours to the book. Poet Rebeth Vreeb and her husband Rebeth Farnark were instrumental in helping sort out some of the voluminous material found in the Hoard and both gave unstintingly of their time and advice. In addition my husband Zhenaweev Benotto was both patient and long-suffering. I owe him more than words can say. All of these people caught many errors that would otherwise have crept into the pages of The Dune Encyclopedia, but final responsibility for the text must ultimately be my own.
HADI BENOTTO, Editor 15540

The Dune Encyclopedia [ Download ]

The Matrix and philosophy - Irwin William


Contents

Introduction: Meditations on The Matrix

Scene 1
How Do You Know?
Computers, Caves, and Oracles: Neo and Socrates
WILLIAM IRWIN
Skepticism, Morality, and The Matrix
GERALD J. ERION and BARRY SMITH
The Matrix Possibility
DAVID MITSUO NIXON
Seeing, Believing, Touching, Truth
CAROLYN KORSMEYER

Scene 2
The Desert of the Real
The Metaphysics of The Matrix
JORGE J.E. GARCIA and JONATHAN J. SANFORD
The Machine-Made Ghost: Or, The Philosophy of Mind, Matrix Style
JASON HOLT
Neo-Materialism and the Death of the Subject
DANIEL BARWICK
Fate, Freedom, and Foreknowledge
THEODORE SCHICK, JR.

Scene 3
Down the Rabbit Hole of Ethics and Religion
There Is No Spoon: A Buddhist Mirror
MICHAEL BRANNIGAN
The Religion of The Matrix and the Problems of Pluralism
GREGORY BASSHAM
Happiness and Cypher's Choice: Is Ignorance Bliss?
CHARLES L. GRISWOLD, JR.
We Are (the) One! Kant Explains How to Manipulate the Matrix
JAMES LAWLER

Scene 4
Virtual Themes
Notes from Underground: Nihilism and The Matrix
THOMAS S. HIBBS
Popping a Bitter Pill: Existential Authenticity in The Matrix and Nausea
JENNIFER L. McMAHON
The Paradox of Real Response to Neo-Fiction
SARAH E. WORTH
Real Genre and Virtual Philosophy
DEBORAH KNIGHT and GEORGE McKNIGHT

Scene 5
De-Construct-lng The Matrix
Penetrating Keanu: New Holes, but the Same Old Shit
CYNTHIA FREELAND
The Matrix, Marx, and the Coppertop's Life
MARTIN A. DANAHAY AND DAVID RIEDER
The Matrix Simulation and the Postmodern Age
DAVID WEBERMAN
The Matrix: Or, The Two Sides of Perversion
SLAVOJ ZIZEK

The Matrix and philosophy - Irwin William [ Download ]

Iain M. Banks, a corrida espacial, Culture - entrevista




Iain M. Banks, ficou conhecido como uma das cabeças iluminadas da Ficção Científica (FC), através da sua saga"Culture", onde em um universo utópico, naves espaciais robóticas altruístas cuidam de humanos geneticamente aperfeiçoados, onde não falta nada e todos estão libertos das tarefas de uma vida normal para expressarem-se conforme queiram.
Banks, que também escreve não-ficção, encontrou inspiração para escrever FC, quando ainda era criança, por causa da corrida espacial.

CNN: Para alguém que escreve tanto FC quanto, na falta de uma palavra melhor, ‘mainstream’, qual é o interesse pela FC como um gênero?

Ian M.Banks: Acho que devido à liberdade que encontramos na FC, onde você pode basicamente ir para qualquer parte. Acho que há uma ligação muito próxima com o prazer que eu sentia ao ler FC quando jovem - quando você abre um livro de FC, especialmente os de contos, você simplesmente não sabe para onde será levado. Pode ser o passado, ou o futuro distante, pode estar no espaço, pode inclusive ser contado pelo ponto de vista de um alienígena. Eu amo esta liberdade. E é tão excitante para o escritor quanto para o leitor.

No ‘mainstream’ é mais ou menos como tocar piano. Um piano convencional é um instrumento fabuloso para se expressar, um instrumento clássico.
A FC é como um órgão reverberando dentro de uma catedral, você tem três teclados, não apenas um, você tem lingüetas, chaves para usar, tem um teclado extra nos pés, pode tocar como quiser! Não dá para ser sutil, como um piano é, e acho que existe um sentimento épico que é fácil de se achar na FC.

CNN: Que autores o inspiraram quando era jovem, aqueles que você se espelhou?

Banks: Imagino que os suspeitos de sempre, pois quando eu era jovem, caras como Heinlein e Asimov, mais provavelmente Arthur Clarke e Brian Aldiss um pouco mais. Ainda acho que Aldiss era para mim a maior influencia como escritor. Tinha um cara chamado Mike Harison, M John Harrison, que eu admirava muito, ele ainda está por ai, escrevendo coisas incríveis. Mas não há nenhuma grande surpresa, são as pessoas que se esperam. Sou péssimo com nomes. Dan Simmons, gostava dele, ele está muito bem hoje.

CNN: Uma coisa que nos chama atenção em seus livros é sobre a sua forma de escrever sobre tecnologia, é tão convincente. De onde tira suas idéias?

Banks: Acho que a maior parte são desejos realizados, para ser honesto. Algo que é ótimo em FC, especialmente o tipo que eu escrevo, é que não se trata de um futuro próximo, não é necessariamente plausível, é apenas imaginar ‘Não seria legal se fosse assim?’ . Não estou denegrindo, apenas não dá pra confundir com a realidade, sendo assim, está tudo bem.
Acho que é assim ‘Não seria legal se a responsabilidade moral fosse tirada de nós por máquinas incrivelmente inteligentes e espertas e estivéssemos livres para seguir como seres humanos dentro de uma estrutura moral benigna, e não seria bom se fossemos mais inteligentes?’ Esta é minha teoria particular, de qualquer modo.

CNN: Você gostaria de viver lá?

Banks: Com certeza, sim, oh, é o meu paraíso...sim, eu gostaria, absolutamente. Novamente, tem a ver com realização de um desejo. Nunca fiz um estudo, nunca tive uma resposta do que seria para a humanidade, o que seria a utopia pessoal de cada um. Esta é a minha. Eu penso nela, consigo me imaginar dentro dela - é absolutamente maravilhosa!

CNN: E como é ser um humanóide nesta cultura ?

Banks: Muito bom, com glândulas de drogas e orgasmos enormes e longos. Você pode trocar de sexo quando desejar, tem total controle sobre a dor, nem tem calos. Esta não é uma das minhas, mas de Ken MacLeod, meu camarada e também escritor de FC - ‘Um bom aperfeiçoamento no corpo humano, eu acho, seria não ter calos.’ então eu aproveitei...

CNN: Nesta sociedade sem necessidade de se abastecer, onde ninguém precisa fazer coisa alguma, você está removendo muito da batalha do dia-a-dia. Não estaria removendo também um ponto central de se viver?

Banks: Penso que muito desta batalha será algo sem sentido e apenas chata. A batalha por existir para a maioria das pessoas na maioria do tempo, especialmente em uma sociedade pós-agrícola e industrial, é um pouco desgastante. As pessoas precisam trabalhar e dedicam longas horas para ganhar pouco dinheiro. Se não for assim, você não consegue nada. A vida não tem lá tanta graça, francamente, então eu ficaria bem feliz de escapar desta batalha.

CNN: Quais os efeitos dos pousos na lua tiveram em você enquanto crescia?

Banks: Oh, a coisa toda teve um efeito enorme. Nasci em 54 e quando aconteceu, em 69, eu estava na idade certa para apreciar aquilo tudo. Já tinha idade suficiente para lembrar de JFK, em seu primeiro pronunciamento sobre como chegaríamos à lua, a coisa toda era bastante excitante. Eu adorava o SATURN 5 (o foguete lançador) e toda aquela tecnologia.
Foi triste a forma como a NASA lidou com a coisa toda até transformá-la em algo chato, as pessoas perderam o interesse e precisou que a Apollo 13 quase chegasse ao desastre para trazer novamente a atenção delas.
Todas estas advertências sobre como devíamos ter feito as coisas, antes de mandar pessoas para qualquer parte, mas ainda acho que valeu a pena. Voltar à lua deve ser o primeiro passo, depois Marte e então veremos.

CNN:Acha realmente que o futuro da humanidade está entre as estrelas?

Banks: Bem, é lá ou então em parte alguma. Acho uma insanidade ter a capacidade de sair do planeta e não usá-la. Ainda não temos nenhuma defesa real contra meteoros e cometas ou qualquer ameaça que venha a atingir o planeta. Você tem todos os ovos em uma cesta, somos sete bilhões em um só lugar, e somos potencialmente vulneráveis, algo grande pode vir e nos arrancar da face do planeta. Não parece loucura, parece? Sou de uma geração que não tinha comida industrializada, nem jatos e eletricidade à vontade e todas estas coisas nos eram prometidas - onde estão nossas cidades flutuantes, e naves espaciais e bases lunares e marcianas e por ai vai - mas sou um otimista, ainda acho que chegaremos lá.
Mas estamos tornando a vida mais difícil para nós neste momento, com toda esta coisa do aquecimento global e toda a bobagem associada. Veremos, acho que continuaremos errando. Seria ótimo se pudéssemos gastar um pouco menos com os militares e mais com a exploração espacial: dirigir fundos para algo que valesse a pena ao invés de desenvolver novas maneiras de nos matar.

CNN: Um dos aspectos mais atraentes desta sua sociedade é que não há necessidade de gerar matéria prima, ninguém tem fome, todos tem roupas. Acha que é da natureza humana construir uma sociedade assim?

Banks: Indiscutivelmente não. É por isso que não somos nós. Eu pensei muito nisso antes de publicar os livros e decidi que não seria nosso futuro, mas seriam humanóides, poderiam se passar por nós, por que não estou bem certo o que somos. É algo bem pessimista de dizer, que somos ligados à guerra e a destruição, e a tortura e o racismo, e o sexismo - todas estas coisas horríveis, esta xenofobia - devemos ter um gene xenófobo. Penso que deveríamos modificarmos-nos geneticamente, francamente - se pudéssemos identificar aquela pequena parte que causa tudo isso, nós poderíamos eliminá-la e assim sermos pessoas melhores.

CNN: Se existe um elemento desta sua sociedade (Culture) que você pudesse passar à humanidade, qual seria?

Banks: Oh caramba! Certamente não seria o envelhecimento lento e o potencial de nunca morrer, por que isso seria desastroso, pode estar certo que os ricos iriam querer ter isso apenas para eles, ninguém mais poderia ter acesso.
Talvez as glândulas de drogas. Não pela razão trivial que permitiria você ficar chapado sem ter que pagar por isso o tempo todo, mas se você tivesse realmente boas drogas que pudesse fabricar dentro de seu corpo, somente pensando nela, resolveria todos os problemas com as drogas: você teria um entorpecente melhor do que cannabis, muito mais excitante do que crack ou cocaína e muito mais prazerosa do que heroína.
Mas enquanto isso, sendo como somos, devemos passar nossas vidas intoxicados, caídos por ai, vendo a civilização deteriorar-se. Não é o que eu queria, francamente. Eu preferia não ter calos.

Entrevista concedida a Linnie Rawlinson da CNN durante o festival do livro de Lincoln.

Saga 'Culture' - oito livros [ Download ]

Barbarella em quadrinhos - Jean-Claude Forest



Jean-Claude Forest nasceu em 1930, em Perreux, Franca. Um pintor, ele expunha na Galeria Schimdt em Paris, em 1965. Barbarella era entendida originalmente como brincadeira, feita para apreciacao particular de Forest e seus amigos, mas acabou um sucesso imediato junto ao público francês e depois em muitos outros países europeus e nos Estados Unidos. Forest atualmente está ocupado em fabricar novas punições - e recompensas - para sua bela heroína.

"Duas formas de arte, os quadrinhos e o nu feminino - uma com apenas meio século de idade, a outra só uma hora mais jovem que a humanidade - se juntam num Bang! em Barbarella luxuriosamente imaginada e liquidamente desenhada pelo francês Jean-Claude Forest... Em sua mistura de ficção científica e espirituosa mitologia, alucinação luminosa e perverso melodrama, Forest alcancou uma mutação da imaginação; criou em Barbarella a apoteose do erotismo." - Playboy.

Barbarella, com seus cabelos longos e nome sonoro, seu rosto de bebê e desdem por se vestir desnecessariamente, se descobre no planeta Lythion, onde fez um pouso forçado depois de viajar sozinha pelo espaco em seu foguete. Ela é uma criatura do futuro, que é confrontada com os monstros e robôs do estranho planeta, no qual é posta à prova vez após outra. Ela pune o mal em todas as formas em que o encontra e recompensa, do seu jeito particular, todos os belos homens que encontra durante suas aventuras. E, seja enfrentando sádicos, ou disparando sua arma de raios em monstros gelatinosos, ela nao parece evitar perder, parte de ou todo, seu apertado traje espacial.

Barbarella em quadrinhos [ Download ]

Considerações sobre escrever Ficção Fantástica por H.P. Lovecraft

Arkan23

A razão de escrever histórias é dar para mim mesmo, a satisfação em poder visualizar mais claramente e detalhadamente, aquela vaga,ilusória e fragmentada impressão do fantástico, do belo, e experimentar o excitamento que transmitem-me certas coisas (cênicas, arquitetônicas, o clima, etc), idéias que ocorrem e imagens com que nos deparamos, na arte e na literatura.

Eu escolhi o gênero fantástico pois é o que melhor se encaixa com minhas inclinações - um dos meus desejos mais persistentes e intensos é criar momentaneamente, a ilusão de uma estranha suspensão ou violação dos limites do tempo, espaço e das leis da natureza, que sempre nos aprisionam e frustram nossa curiosidade sobre o infinito dos espaços cósmicos, além do raio de alcance de nossa visão ou análise. Estas histórias freqüentemente enfatizamo elemento do horror por que o medo é nossa emoção mais forte e profunda, e a que melhor se permite criar ilusões sobre outra natureza desafiadora.

O horror e o desconhecido ou o estranho estão sempre conectados, de forma que é difícil criar uma imagem convincentearrancada de uma lei natural ou de um espaço alienígena ou fora deste mundo, sem usar da emoção do medo. A razão pela qual o tempo interpreta um papel importante em muitos dos meus contos é por que este elemento tece em minha mente como a mais profunda e dramática e inflexivelmente força do universo.

Conflitos com o tempo me parecem o mais potente e frutífero tema de toda a expressão humana.

Como a minha escolha, por uma forma de escrever ser tão obviamente especial e restrita, não é menos um tipo de expressão tão velha quanto a própria literatura. Sempre houve uma pequena porcentagem de pessoas que sentem uma ardente curiosidade sobre o desconhecido, um desejo de escapar da casa-prisão, do que é conhecido como real, para estas terras encantadas de aventuras incríveis e infinitas possibilidades, que os sonhos nos oferecem, coisas como densas florestas, torres urbanas fantásticas e que fulgurantes ocasos momentaneamente nos sugerem.

Estas pessoas incluem grandes autores, como também insignificantes amadores como eu mesmo -Dunsany, Poe, Arthur Machen, M. R. James, Algernon Blackwood, e Walter de la Mare são mestres neste campo.

Cada história que escrevo é diferente da outra.
Uma vez ou outra eu escrevo sobre um sonho, mas usualmente eu costumo começar com uma sensação, uma idéia ou uma imagem que tento expressar e que só se resolve na minha cabeça quando consigo pensar em uma boa maneira de dar corpo a ela, dentro de uma cadeia de acontecimentos dramáticos, capazes de serem descritos em termos concretos.

Costumo me utilizar de uma lista mental, de condições básicas ou situações que melhor se adaptam a esta sensação, idéia ou imagem, e então começo a especular logicamente e sobre explicações naturalmente motivadas por aquela sensação ou idéia ou imagem, em termos da condição básica ou da situação escolhida.

O processo de escrita, é claro, varia conforme a escolha do tema e do conceito inicial, mas se analisarmos todas as minhas historias será possível perceber que seguem uma lista de regras em sua maioria.Preparo uma sinopse ou cenário de eventos, na ordem das ocorrências - não necessariamente na ordem da narração.
Descrevo cobrindo todos os pontos vitais e determino todos os incidentes planejados. Detalhes, comentários e as conseqüências são desejadas neste esboço. Preparo uma segunda sinopse, desta vez na ordem da ocorrência, com mais detalhes e mais notas, mudando a perspectiva, criando o clímax.Mudo então a sinopse original para se adequar, se uma mudança for criar uma ocorrência dramática intensa e efetiva na história.

Insiro ou retiro incidentes à vontade - nunca estando preso à concepção original, mesmo se o resultado final seja uma história totalmente diferente daquela primeiramente planejada.
Agora escreva - rápida e fluentemente e não de forma crítica - seguindo a segunda sinopse. Mudo a trama sempre que o processo de desenvolvimento parecer sugerir tal mudança, não se prendendo a nenhum desenho prévio. Se o desenvolvimento revelar novas oportunidades para efeito dramático, volte depois para reconciliar as partes antigas com o novo plano.
Insira e retire seções inteiras se necessário ou desejável, tente inícios e términos diferentes, até encontrar aquele que melhor se apresente.
Mas certifique-se que todas as referências sejam reconciliadas com o desenho final.
Remova palavras desnecessárias, sentenças e parágrafos ou mesmo elementos, observando a precaução de sempre conciliar as referências.
Revise o texto inteiro, prestando atenção ao vocabulário, a sintaxe, o ritmoda prosa, a proporção das partes, harmonize refinadamente, de forma convincente as transições (cena a cena), certifique-se do início, do fim, dos climaxes, etc., garantindo suspense dramático, o interesse, a plausividade e atmosfera, e vários outros elementos. Prepare uma cópia limpa (próxima do apresentável) mas não hesite em acrescentar seus toques e revisões onde achar preciso. O primeiro desses estágios é sempre puramente mental - um cenário de condições e acontecimentos na minha cabeça, e que nunca se fixam até eu estar pronto para preparar uma sinopse detalhada de eventos na ordem da narração. Também, por vezes, começo a escrever antes que saiba como vou desenvolver aquela idéia - este inicio cria um problema para ser explorado.

Existem, penso, quatro tipos de histórias fantásticas, uma expressa um sentimento ou sensação, outra expressa uma concepção pictorial, a terceira expreessa uma situação geral, uma condição, lenda ou concebida intelectualmente e a quarta um quadro bem definido ou uma situação dramática ou um clímax.

Estes contos podem ser categorizados em dois tipos, aquele em que se mostra pelo terror, devido a algum tipo de condição ou fenômeno e aqueles em que existe uma ação por parte dos personagens, em conexão com uma condição bizarra ou um fenômeno.
(continua...)

Ler a versão em espanhol do site Malacandra