terça-feira, 5 de maio de 2009

Ciberpunk, uma palavrinha por Bruce Bethke


Na primavera de 1980 eu escrevi uma pequena história sobre um bando de hackers adolescentes.

Desde o rascunho esta história tinha um título, que era...

E pode apostar o que você tem de mais precioso, que se eu tivesse a menor ideia, de que tantos anos depois, ainda estaria respondendo perguntas sobre ela, eu a teria registrado!

No entanto eu não registrei e como você já deve saber, esta palavra que começa com 'C', mais tarde ganhou toda uma fascinante vida própria.

Não estou tardiamente tentando conseguir algum crédito ou roubar a glória de alguém (francamente, eu preferiria que alguém me desse atenção pelo que escrevo hoje, como por exemplo meu romance 'Headcrash', premiado com o P.K.Dick), mas para aquelas pessoas que são obcecadas com esta coisa, de forma resumida, esta é a história por trás da história:

A invenção desta palavra que começa com 'C' foi um ato consciente e deliberado de criação de minha parte. Eu escrevi esta história no começo da primavera de 1980 e desde o primeiro rascunho, tinha o título 'CIBERPUNK'.

Chamei-a assim tentando inventar um termo novo que unisse a atitude punk com a alta tecnologia. Minhas razões foram puramente egoístas e voltadas para o mercado; queria um nome curto que os editores pudessem gostar.
Honestamente, posso dizer que consegui.

Mas como eu cheguei nesta palavra? Do jeito que qualquer palavra nova aparece, imagino: pura síntese. Peguei várias raízes... ciber, tecno e coisa e tal, misturei com outros termos jovens e tentei várias combinações até que uma soasse bem.

Um ponto importante! Nunca disse ter inventado a ficção ciberpunk! Esta honra primeiramente se deu a William Gibson, em seu livro 'Neuromancer' de 1984, que realmente definiu o 'Movimento'.
(Na época, Mike Swanwick disse que os escritores deste movimento deviam se chamar 'neuromânticos', já que o que faziam era claramente uma imitação de 'Neuromancer').

É claro que Gibson não pode receber sozinho os créditos disso. Pat Cadigan com 'Pretty boy crossover', Rudy Rucker com 'Software', W.T. Quick e seu 'Dreams of Flesh and Sand', Greg Bear com 'Blood Music', Walter Jon Williams e 'Hardwired', Michael Swanwick 'Vacuum Flowers'... uma lista dos primeiros escritores dos anos 80 com contribuições importantes para esta definição e que desafiam minha habilidade de relembrar seus nomes.

Não que se trate de uma concepção imaculada: John Brunner havia escrito 'Sockwave Rider', Anthony Burgees com seu 'A Clockwork Orange' e talvez Alfred Bester e 'The stars my destination', foram todos importantes para o que seria depois chamado de ficção ciberpunk.

Quanto a mim? Posso dizer que minha principal contribuição foi ter inventado o estereótipo do hacker punk com um cabelo moicano. Isso e por ter dado o nome à besta, é claro.



Ciberpunk - Bruce Bethke [ Download ]
Headcrash - Bruce Bethke [ Download ]
Neuromancer - William Gibson [ Download ]
Pretty boy crossover - Pat Cadigan [ Download ]
Software - Rudy Rucker [ Download ]
Dreams of Gods and Men- W.T.Quick [ Download ]
Blood Music - Greg Bear [ Download ]
Hardwired - Walter Jon Williams [ Download ]
Vacuum Flowers - Michael Swanwick [ Download ]
The Sockwave Rider - John Brunner [ Download ]
A Clockwork Orange - Anthony Burgees [ Download ]
The stars my destination - Alfred Bester [ Download ]