sexta-feira, 31 de julho de 2009

Trek Yourself


Site muito divertido, que permite entre outras coisas, que você suba com uma foto sua e se veja literalmente na pele de um terráqueo (oficial de bordo ou capitão), um vulcano ou romulano.
Conta ainda com o recurso que permite gravar suas próprias falas ou utilizar algumas frases conhecidas dos fãs da série.

Trek Yourself

Horror Film and Psychoanalysis


In recent years, psychoanalytic theory has been the subject of attacks from philosophers, cultural critics, and scientists who have questioned the cogency of its reasoning as well as the soundness of its premises.

Nevertheless, when used to shed light on horror cinema, psychoanalysis in its various forms has proven to be a fruitful and provocative interpretative tool.

This volume seeks to find the proper place of psychoanalytic thought in critical discussion of cinema in a series of essays that debate its legitimacy, utility, and validity as applied to the horror genre. It distinguishes itself from previous work in this area through the self-consciousness with which psychoanalytic concepts are employed and the theorization that coexists with interpretations of particular horror films and subgenres.

Acknowledgments
Foreword: “What Lies Beneath?” Robin Wood
Introduction: “Psychoanalysis in/and/of the Horror Film” - Steven Jay Schneider

Part one: the question of horror-pleasure
1 “What’s the Matter with Melanie?”: Reflections on the Merits
of Psychoanalytic Approaches to Modern Horror Cinema - Cosimo Urbano
2 A Fun Night Out: Horror and Other Pleasures of the Cinema - Michael Levine
3 Excerpt from “Why Horror? The Peculiar Pleasures of a Popular Genre,” with a New Afterword by the Author - Andrew Tudor
4 Philosophical Problems Concerning the Concept of Pleasure in Psychoanalytical Theories of (the Horror) Film - Malcolm Turvey

Part two: theorizing the uncanny
5 Explaining the Uncanny in The Double Life of V´eronique - Cynthia Freeland
6 Manifestations of the Literary Double in Modern Horror Cinema - Steven Jay Schneider
7 Heimlich Maneuvres: On a Certain Tendency of Horror and Speculative Cinema - Harvey Roy Greenberg
8 “It was a dark and stormy night...”: Horror Films and the Problem of Irony - Jonathan L. Crane

Part three: representing psychoanalysis
9 What Does Dr. Judd Want? Transformation, Transference, and Divided Selves in Cat People - William Paul
10 “Ultimate Formlessness”: Cinema, Horror, and the Limits of Meaning - Michael Grant
11 Freud’s Worst Nightmare: Dining with Dr. Hannibal Lecter = Barbara Creed

Part four: new directions
12 Doing Things with Theory: From Freud’s Worst Nightmare to (Disciplinary) Dreams of Horror’s Cultural Value - Matt Hills
13 The Darker Side of Genius: The (Horror) Auteur Meets Freud’s Theory - Linda Badley
14 Violence and Psychophysiology in Horror Cinema - Stephen Prince

Afterword: Psychoanalysis and the Horror Film - No¨el Carroll
About the Contributors
Bibliography
Index

Horror Film and Psychoanalysis - Steven Jay Schneider [ Download ]

quinta-feira, 30 de julho de 2009

The Horror Readers’ Advisory


CONTENTS
ACKNOWLEDGMENTS
PREFACE

1 The Evolution of Horror Literature and Film
2 The Readers’ Advisory Interview: Matching Horror Novels with Readers
3 The Classics: Time-Tested Tales of Terror
4 Ghosts and Haunted Houses: Home Scream Home
5 Mummies, Zombies, and Golems: The Walking Dead under Wraps
6 Vampires: Dracula Will Never Die
7 Werewolves and Animals of Terror: The Beast Walks among Us
8 Maniacs and Other Monsters: The Killer Lurking in the Corner
9 Black Magic, Witches, Warlocks, and the Occult: Double, Double, Toil and Trouble
10 Demonic Possession and Satanism: The Devil Inside
11 Scientific and Biomedical Horror: The Doctor Will See You Now
12 Psychological Horror: Mental Mayhem
13 Splatterpunk or Extreme Horror: Horror’s Cutting Edge
14 Horror Resources: How to Hunt for the Haunted
15 Collection Development: Cultivating the Seeds of Fear
16 Marketing Your Horror Collection: Make Them Come Back to Your Lair of Horror

APPENDIX: THE BIG THREE
BIBLIOGRAPHY
INDEX



The Horror Readers’ Advisory - The Librarian’s Guide to Vampires, Killer Tomatoes, and Haunted Houses [ Download ]

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Famous Modern Ghost Stories


Ghosts are the true immortals, and the dead grow more alive all the time.

Wraiths have a greater vitality to-day than ever before. They are far more numerous than at any time in the past, and people are more interested in them. There are persons that claim to be acquainted with specific spirits, to speak with them, to carry on correspondence with them, and even some who insist that they are private secretaries to the dead.

Others of us mortals, more reserved, are content to keep such distance as we may from even the shadow of a shade. But there's no getting away from ghosts nowadays, for even if you shut your eyes to them in actual life, you stumble over them in the books you read, you see them on the stage and on the screen, and you hear them on the lecture platform. Even a Lodge in any vast wilderness would have the company of spirits. Man's love for the supernatural, which is one of the most natural things about him, was never more marked than at present.

You may go a-ghosting in any company to-day, and all aspects of literature, novels, short stories,
poetry, and drama alike, reflect the shadeless spirit. The latest census of the haunting world shows a vast increase in population, which might be explained on various grounds.

Life is so inconveniently complex nowadays, what with income taxes and other visitations of government, that it is hard for us to have the added risk of wraiths, but there's no escaping.

CONTENTS
INTRODUCTION: THE IMPERISHABLE GHOST
THE WILLOWS BY ALGERNON BLACKWOOD
THE SHADOWS ON THE WALL BY MARY E. WILKINS FREEMAN
THE MESSENGER BY ROBERT W. CHAMBERS
LAZARUS BY LEONID ANDREYEV
THE BEAST WITH FIVE FINGERS BY W. F. HARVEY
THE MASS OF SHADOWS BY ANATOLE FRANCE
WHAT WAS IT? BY FITZ-JAMES O'BRIEN
THE MIDDLE TOE OF THE RIGHT FOOT BY AMBROSE BIERCE
THE SHELL OF SENSE BY OLIVIA HOWARD DUNBAR
THE WOMAN AT SEVEN BROTHERS BY WILBUR DANIEL STEELE
AT THE GATE BY MYLA JO CLOSSER
LIGEIA BY EDGAR ALLAN POE
THE HAUNTED ORCHARD BY RICHARD LE GALLIENNE
THE BOWMEN BY ARTHUR MACHEN
A GHOST BY GUY DE MAUPASSANT


Famous Modern Ghost Stories [ Download ]

terça-feira, 28 de julho de 2009

Encyclopedia of Fantasy and Horror Fiction



Welcome to the world of elves, dragons, unicorns, vampires, werewolves, ghosts, and magic.

This book is designed to serve as a companion to Encyclopedia of Science Fiction (2005), and covers the remaining two main branches of fantastic fiction, fantasy and supernatural horror.

Critics have argued for years about precisely where the borderlines should be drawn within fantastic fiction as a whole, but some broad assumptions can be made, although even in these cases there are numerous exceptions to the rule. Generally, then, whereas science fiction assumes that the universe operates according to certain natural laws, even if they are sometimes laws about which we have yet to learn, fantasy and horror are similar in that they assume quite the contrary. There are some elements in the worlds of fantasy that are not entirely rational and often do not obey what we think of as natural law.

Although there is usually fairly close agreement regarding what is science fiction and what is fantasy, the distinction is considerably less clear between fantasy and supernatural fiction, which is one reason why it makes sense to consider them together here. Should a humorous ghost story such as “Topper” by Thorne Smith fall under supernatural horror simply because it has a ghost in it?

Should “Casting the Runes” by M. R. James be considered fantasy because it involves the use of a magical spell? And how should we classify the works of Laurell Hamilton, who deals with vampires and werewolves but who sets her novels in an alternate world where both are accepted members of society?

This confusion about the borders between the two genres is so pervasive that some publishers and critics have taken to using the term dark fantasy to indicate those works that could be plausibly included in either category.
Fantasy and the supernatural both evolved from myths, legends, and folklore later developed into fairy tales, which though ostensibly written for children were often contrived with adults in mind.

Hans Christian Andersen and the Brothers Grimm gave way to George MacDonald, William Morris, H. Rider Haggard, James Branch Cabell, and others.

Children’s fantasy in particular has contributed a number of novels that are significant not just as fantasy but as classics in general, including such familiar titles as Pinocchio by Carlo Collodi, Alice in Wonderland by Lewis Carroll, The Wizard of Oz by L. Frank Baum, and Peter Pan by J. M. Barrie, and in more recent years the Narnia books by C. S. Lewis, The Hobbit by J. R. R. Tolkien, the Earthsea series by Ursula K. Le Guin, and perhaps most notably the Harry Potter series by J. K. Rowling.

For much of the 20th century, publishers treated adult fantasy as a subdivision of science fiction, and books from both genres are still shelved together in bookstores, although horror fiction is usually given its own much smaller section or is lumped in with mysteries or general fiction.



Introduction
A-to-Z Entries
Glossary
Award Winners
Bibliography of Fantasy and Horror Fiction
Selected Bibliography of Secondary Sources
Index

Encyclopedia of Fantasy and Horror Fiction - DON D’AMMASSA [ Download ]

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Supernatural Horror in Literature by H. P. Lovecraft



This is a lively and opinionated historical essay on supernatural literature written during 1924 through 1927.

Indispensable to horror fans (even for those uninterested in H. P. Lovecraft fiction) for its superb plot summaries and subjective assessments, the book is a short history of horror from folk tales, ballads and myths of the Middle Ages, through the Gothic novel, Victorian ghost story, and American "pulp" writers. It is especially good on Edgar Allan Poe, Nathaniel Hawthorne, Arthur Machen, and William Hope Hodgson, and includes Lovecraft's views on what makes a good horror story.

Supernatural Horror in Literature by H. P. Lovecraft [ Download ]

domingo, 26 de julho de 2009

Lançamento do Livro Steampunk

Formado em bibliotecas, escritor paga sua dívida (Folha de São Paulo)


Quando alguém que está perto de fazer 90 anos já escreveu dezenas de romances, contos e roteiros de filmes famosos e realizou seu objetivo de fazer uma viagem simulada a Marte, o que falta fazer?

"Bo Derek é muito minha amiga, e eu gostaria de passar mais tempo com ela", diz Ray Bradbury sobre a atriz de Hollywood que apareceu em mais de duas dúzias de filmes desde o final da década de 1970.

Uma resposta improvável, mas Bradbury, escritor de ficção-científica, é muito específico em sua excêntrica lista de interesses e em como tenta concretizá-los em sua idade avançada e no estado de relativa imobilidade.

Isto é uma sorte para as Bibliotecas Públicas do Condado de Ventura, nos EUA -porque, entre as paixões de Bradbury, nenhuma é tão intensa quanto seu antigo entusiasmo por salas cheias de livros. Seu romance mais famoso, "Fahrenheit 451", que trata da queima de livros, foi escrito em uma máquina de escrever alugada no porão da Biblioteca da Universidade da Califórnia em Los Angeles; seu romance "Algo Sinistro Vem Por Aí" contém uma cena de biblioteca seminal.
Bradbury fala frequentemente em bibliotecas de toda a Califórnia e, no final de junho, esteve em Ventura para uma palestra beneficente para a Biblioteca H.P. Wright, que, como muitas outras do sistema público estadual, corre o risco de fechar as portas por causa do corte de orçamento.

"As bibliotecas me criaram", disse Bradbury. "Não acredito em colégios e universidades. Acredito em bibliotecas porque a maioria dos estudantes não tem dinheiro. Quando me formei no colégio, durante a Depressão [dos anos 1930], não tínhamos dinheiro. Eu não pude ir à faculdade, então fui à biblioteca três dias por semana durante dez anos."

Os dólares do imposto predial, que fornecem a maior parte do financiamento das bibliotecas no condado de Ventura, caíram precipitadamente, deixando o sistema de bibliotecas com um buraco de aproximadamente US$ 650 mil. Quase a metade dessa quantia é atribuída à Biblioteca H.P. Wright, que atende a aproximadamente 65% dessa cidade costeira a cerca de 80 km a noroeste de Los Angeles. Em janeiro, a Biblioteca Wright soube que, a menos que conseguisse US$ 280 mil, seria fechada.

O grupo que levanta fundos para a entidade tem até março de 2010 para atingir essa meta.
A conversa com Bradbury custa US$ 25 por pessoa e inclui uma projeção de "The Wonderful Ice Cream Suit" (O maravilhoso traje de sorvete), filme baseado em seu conto de mesmo nome.
O objetivo financeiro do evento não é uma solução a longo prazo. Isso só aconteceria se os impostos territoriais fossem aumentados ou os eleitores aprovassem um aumento de meio centavo no imposto das vendas locais em novembro, parte do qual iria para as bibliotecas.

Ameaças fiscais às bibliotecas irritam profundamente Bradbury, que passa todo o tempo que pode conversando com crianças em bibliotecas e incentivando-as a ler. A internet? Não o provoque. "A internet é uma grande distração", bradou Bradbury em sua casa em Los Angeles. "É insignificante; não é real", ele continuou. "Está no ar, em algum lugar."

Quando não está angariando dinheiro para bibliotecas, Bradbury ainda escreve durante algumas horas todas as manhãs; lê George Bernard Shaw; recebe visitantes, incluindo repórteres, cineastas, amigos e filhos de amigos; e assiste a filmes em sua TV gigante de tela plana.

Ele ainda pode ser visto regularmente na Biblioteca Pública de Los Angeles, que visitou frequentemente na adolescência.

"As crianças me perguntam: 'Como também posso viver para sempre?'", disse.
"Eu lhes digo: façam o que vocês amam e amem o que fazem. Essa é a história da minha vida."


13/7/2009 - Folha de São Paulo
Formado em bibliotecas, escritor paga sua dívida
Por JENNIFER STEINHAUER
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/newyorktimes/ny1307200918.htm

Ray Bradbury ( Entrevista )



Muitos de vocês que estão lendo isso, sabem quem é Ray Bradbury.
Os novos leitores contudo, precisam conhecer um pouco mais sobre ele.

Ray Bradbury começou a publicar seus trabalhos em 1941 e o faz até hoje. Recebeu tantas honrarias e prêmios que não caberiam aqui se fossem listadas (destaque especial para o título de Grande Mestre pela SFFWA.)
Mas Ray Bradbury não se deixa enganar com tudo isso.

GZ: Vamos começar com uma pergunta difícil. O que você pensava ou esperava ao começar a escrever?
RB: Hah! Eu só queria ser um bom escritor, é só. Eu tinha 12 anos de idade.

GZ: Cedo assim?
RB: Pode acreditar.

GZ: Você teve o que pode ser chamada de uma longa aprendizagem, do final dos anos 30 até o inicio dos 50. Por que você acha que demorou tanto esta aprendizagem? Pareceu longo para você?
RB: Não. Cada dia era uma maravilha. Você faz aquilo por que ama fazê-lo. Eu escrevi um monte de contos nos anos 40. Comecei a me tornar um bom escritor aos 22, em 1942, e não me pareceu tanto tempo assim. Uns 10 anos.

GZ: Hoje quando falamos de The Martian Chronicles (1950) não estamos falando somente para os leitores de FC e Fantasia, mas para os leitores americanos em geral. Isso te surpreende?
RB: Não é bem assim, eu não consegui coisa alguma. O livro não vendeu tanto assim. Não teve resenhas. Vendeu 5 mil cópias. Então acho que não foi tudo isso.

GZ: Bem, voltando aos anos 50, certamente me pareceu que foi.
RB: Você fazia parte de uma minoria, poucos milhares.

GZ: De onde veio a idéia? Foi sua?
RB: Não, foi de Walter Bradbury, meu editor na Doubleday. Estávamos jantando, era 1949. Minha esposa estava grávida e eu estava sem dinheiro. Fui a NY encontrar os editores e todos disseram. Você não tem um romance? Eu disse que não, que eu tinha vários contos. No jantar daquela noite, Walter, que não é meu parente, disse 'e que tal aquelas histórias marcianas? Se você as colocar juntas, poderia chamar o livro de As Crônicas Marcianas? Me escreva um esboço e entregue no escritório amanha e se eu gostar lhe pagarei 750 dólares'. Então fiquei acordado a noite inteira e ele me deu um adiantamento no dia seguinte.

GZ: Como se sentiu?
RB: Muito bem. Tinha ficado rico derrepente.

GZ: Era muito dinheiro na época. O que pode me dizer sobre sua associação com John Huston e o roteiro de Moby Dick? Sempre me pareceu que você era o cara certo para isso. Quando vi seu nome na tela eu disse. 'É claro!'.
RB: Foi bem difícil. Ele era um homem estranho. Podia ser maravilhoso ou um monstro. Ele não sabia nada sobre Moby Dick e não podia mesmo me ajudar. O principal foi que ele me encorajou e eu ao fim, consegui terminar o roteiro. Mas foi uma relacionamento estranho e fiquei muito grato pelo trabalho, é claro, por que foi o meu primeiro roteiro.

GZ: Você costuma escrever sobre como evitar certos futuros, mais do que predizê-los ou defendê-los. Você vê a boa ficção científica como um tipo de vacina cultural contra um futuro ruim ?
RB: Oh, pode ser. Quero dizer, Fahrenheit 451 é um exemplo perfeito de coisas erradas que você precisa evitar e estamos vivendo isso agora mesmo. Como esta televisão de má qualidade. Noticiários televisivos pavorosos. Os telejornais em cada estação de televisão americana hoje são abomináveis. Não dá para ouvir ou ver aquilo. É tudo mentira. Estão inventando coisas que não deveriam ser feitas. Não existe noticiário de verdade. São quinze segundos de violência. Assassinato. Estupro. Não há noticia.

GZ: Tudo para vender produtos. Agora, você pensa, todavia, que a FC aspira descrever futuros desejáveis, ou isso é impossível ou indesejável?
RB: Não você não deveria aspirar coisa alguma. Apenas faça seu trabalho, se for positivo, ótimo, e se for negativo, ótimo. O que quer que seja, o que quer que escreva, faça seu trabalho e se servir para influenciar as pessoas, ótimo, mas não dá para sair por ai querendo fazê-lo apenas por fazer.

GZ: Então você nunca tentou imaginar um futuro desejável?
RB: Não.

GZ: Poderia descrever um? Um que seria possível?
RB: Não. Acho que não. Se acontecer de ocorrer em uma história, excelente. Existem coisas boas e ruins em qualquer cultura, o tempo todo. O automóvel é uma máquina maravilhosa e ao mesmo tempo horrível. Pode transportar-nos, mudar uma civilização e também já matou dois milhões de pessoas aproximadamente.

GZ: Mas há inovações que poderiam ser consideráveis desejáveis?
RB: Bem, o foguete é uma. A viagem espacial é uma das coisas mais incríveis que ocorreram com a humanidade.

GZ: Quais são os autores que você mais admira?
RB: Jules Verne, H.G. Wells, F. Scott Fitzgerald, os primeiros trabalhos de John Steinbeck, contos de Hemingway, Eudora Welty, Katherine Ann Porter, Jessamyn West ...

GZ: O que mais você admira em Hemingway?
RB: Vamos falar de um escritor de verdade —John Collier. Um dos mais importante escritores do século 20 e ainda assim, poucos o conhecem.

GZ: É triste.
RB: Ele tinha uma imaginação fantástica e aptidão para metáforas, foi uma enorme influência para mim.

GZ: Tirando os escritores, que outras pessoas você admira?
RB: Gente como Federico Fellini, o diretor de cinema. Loren Eiseley, chefe do departamento de antropologia da Universidade da Pensilvânia. Seus ensaios tiveram uma grande influencia em mim, nos anos 20 e 30. Eu escrevi uma carta para ele, uma carta de fã, e o encorajei a escrever um livro, lá por volta de 1948. Ele me respondeu dizendo, por Deus, acho que é uma excelente idéia. Ele se sentou e escreveu 30 livros. Então eu fico feliz em dizer que eu fui uma influência em sua vida.

GZ: Sim e eu sempre associo ele a sua obra, na minha cabeça.
RB: Um homem maravilhoso.

GZ: Da última vez que conversamos você mencionou a ajuda que recebeu de Robert Heinlein, Leigh Brackett e Henry Kuttner. Como foi esta experiência com estes notáveis escritores?
RB: Especialmente Leigh Brackett. Encontrei-me com ela toda tarde de domingo, desde que eu tinha 21 anos até os 25. Nós sentávamos na praia e eu lia suas maravilhosas histórias e ela lia as minhas péssimas histórias. Eu ainda não sabia escrever e ela dava um jeito no lixo que eu produzia. Escrevi muitas imitações de seus contos, e finalmente me libertei e comecei a escrever coisas da minha própria psique e quando eu tinha uns 25 já escrevia bem, mas mesmo assim eu a encontrava todo domingo, ficava vendo-a jogar voleibol e lia suas histórias, o que me ajudava muito. Algum tempo depois ela casou com Edmond Hamilton e o casal teve influências sobre mim. Fui padrinho do casamento deles. Edmond era um homem educado e me apresentou alguns dos grandes escritores do seu círculo de amizades. Tive sorte de tê-los como amigos. Henry Kuttner era um crítico contumaz. Não posso dizer que fomos amigos íntimos, mas tivemos os mesmos amigos íntimos. Ele lia meus contos e era duro comigo, quando precisava. Tinha dúzias de cartas dele, do inicio dos anos 20. Ele tentou vender algumas histórias minhas. Tentou com John W.Campbell, mas não conseguiu. Foi um privilégio conhecer Kuttner.

GZ: E Robert Heinlein?
RB: Não, eu não conheci Heinlein muito bem. Encontrei-o quando tinha 19 e ele tinha 31. Ele tinha acabado de vender suas primeiras histórias. Ele entrou para a SFL (Science Fiction League) de Los Angeles. e eu ainda o vi em uma ocasião. Ele me ajudou a vender a minha primeira história. Ele a mandou para Rob Wagner. Foi minha primeira publicação. Eu tinha 21 anos e agradeci muito a Heinlein por sua gentileza.

GZ: Ao aconselhar novos escritores, você sugeriu que não lessem seus contemporâneos, mas que se agarrassem a Shakespeare, Pope, Pepys ...
RB: Isso depois. Você precisa ler seus contemporâneos quando tem 19 anos para saber o que está acontecendo. Mas a medida que vai envelhecendo, deve se libertar - não fique lendo FC e Fantasia ou você vai acabar imitando-os, repetindo clichês. O problema com a FC de hoje é que você vê todas estas repetições de títulos e temas que são repetições de outros temas - impérios galácticos, Dungeons and Dragons. Isso é terrível! Você precisa se libertar disso.

GZ: E quais são os grandes escritores que precisam ser lidos?
RB: F. Scott Fitzgerald. Eu ia sempre a Paris em Julho e levava uma cópia de 'Tender Is the Night' (Suave é a noite), e sentava ao ar livre, em restaurantes de rua e bebia café e lia o romance.

GZ: No que trabalha hoje Ray?
RB: Três romances, dois livros de contos, um de poesia e dois de ensaio. Nada além disso.

GZ: Os dois são sobre seus ensaios já publicados?
RB: Alguns sim, de diversas revistas. Tenho um prestes a sair no National Geographic.

GZ: E uma história sendo reimpressa em Skylife, editada por Gregory Benford e George Zebrowski.
RB: É verdade!

GZ: Ficamos felizes de contar com você nesta coleção.O que você está lendo hoje?
RB: Estou relendo George Bernard Shaw, Shakespeare e Alexander Pope. Não existem muitos autores vivos hoje que valham a pena perder tempo. Volto a ler Steinbeck e Hemingway, e ensaios de Aldous Huxley. Fico tão ocupado escrevendo que não tenho tanto tempo assim para ler.

GZ: Sei a que se refere. Que mudanças você vê na indústria editorial desde que você começou?
RB: Hoje é mais fácil se tornar um escritor de FC. São publicadas centenas de livros de FC e Fantasia por ano. Quando eu estava crescendo e queria ser um escritor, se publicavam sete ou oito livros por ano. Existe mais oportunidade hoje para o jovem escritor.

GZ: E quais foram as mudanças, positivas e negativas na área de FC&F ?
RB: Eu só posso imaginar, já que não leio. Não posso julgar.

GZ: Tem alguma pergunta que você gostaria que eu fizesse e que não fiz? E se existe, qual seria?
RB: Você deveria me perguntar se eu já escrevi uma ópera e a resposta é sim. Escrevi vários musicais, escrevi uma semi-ópera dramática baseada em Fahrenheit 451, que foi apresentada em Chicago e NY, e que será apresentada ao redor do mundo no ano que vem. Estou trabalhando em uma grande ópera chamada Leviathan 99, baseada numa peça minha sobre Moby Dick no espaço - The Great White Comet. Peguei a metáfora e a transferi dos barcos a vela para foguetes, do mar para o espaço e Ahab é um capitão do espaço que ficou atraído por um cometa quando ele era um jovem astronauta, e ele parte pelo universo procurando este grande cometa branco, que deseja tanto destruir. Este é o material básico da minha ópera, que eu espero escrever com Jerry Goldsmith, o compositor.

GZ: Ele compõe para filmes.
RB: Ele é um dos melhores.

GZ: Já foram feitos vários filmes a partir da sua obra. O que você pensa deles em geral?
RB: Eu adoro Something Wicked This Way Comes. Não é perfeito, mas ficou muito bom. Fahrenheit 451 é bom também, exceto por eles terem deixado muita coisa de fora. Espero que se Mel Gibson for filmá-lo, ele coloque tudo de volta. Mas não sou muito otimista, por que já se passaram muitos anos e ele nunca me ligou. Então não sei o que vai acontecer.

GZ: Parece que você está bastante ocupado, como sempre.
RB: Farei 80 anos em Agosto.

GZ: Só oitenta. Você e Charles L. Harness e Jack Williamson. Bem, Jack Williamson faz qualquer um parecer mais jovem.
RB: Jack é um homem maravilhoso. Ele foi muito gentil comigo quando eu tinha 19 anos de idade. Ele leu meu material muito antes de Leigh o fazê-lo, e eu escrevia mal naquela época.

GZ: É difícil pensar que Frederik Pohl leu Jack Williamson quando Fred tinha 11.
RB: Jack começou a ser publicado em revistas quando eu tinha 7 ou 8.

GZ: Isso é incrível!
RB: Eu não tinha dinheiro para comprar revistas, mas eu conseguia ler emprestado de amigos da época.

GZ: Obrigado por responder com rapidez as minhas perguntas.
RB: Bem, estou acordado faz bastante tempo. Já tirei meu cochilo!


Entrevista concedida em 2004 para o SYNERGY SF/New Science Fiction (Five Star), editado por George Zebrowski


foto: The Cult of the eye

Ray Bradbury (The Pendulum, The Dragon, The Mafioso Cement, The marriage mender, The end of the beggining, Icarus Montgolfier Wright, Feverdream, A story of love, And this Dante do, In a Season of calm weather, Last rites, A scent os salsaparrilha, A wild night at Galway, The Finnegan, The town where no one got off, The small town plaza, The October Game, A medicine for melancholy, Unterdearseaboat Doktor, The foghorn, Dorian in Excelsius, Mr.Pale, The sound of thunder, The fruit at the bottom of the bow, Mars is Heaven, The Veldt, Fahrenheit 451, Let's all kill Constance, The wonderful ice cream suit, The Martian Chronicles, The Illustrated Man, Quicker than the eye, Dandelion wine, Something wicked this way comes, Death is a lonely bussiness, The october country, A graveyard for lunatics, From the dust returned ) [ Download ]

Lançamento do Livro DIAS CONTADOS


Escritores descrevem o fim do mundo no livro Dias Contados

Lançamento em São Paulo, dia 1° de agosto, terá mesa-redonda sobre o final dos tempos e leitura dramática de contos do livro.

Nos séculos que se passaram, eventos naturais como eclipses, erupções vulcânicas e maremotos foram encarados como sinais do fim dos tempos. Houve pânico e suicídios na passagem do ano 999 para o 1000. Mas a aurora surgiu, e então, tempos depois, uma suposta profecia, atribuída a Michel de Nostradamus, sobressaltou novamente os crédulos: De 1000 passarás, mas em 2000 não chegarás...

Entretanto o Sol nasceu no primeiro dia do ano que não chegaria.
Agora o mundo volta seus olhos para 2012, o último ano do calendário maia. Segundo alguns estudiosos, quando esse ano chegar, o planeta sofrerá transformações até então desconhecidas e uma nova era surgirá. Os alarmistas já se preparam literalmente para o fim do mundo.
Céticos e crédulos nessas transformações ganham, a partir de primeiro de agosto, mais argumentos para aguçar suas expectativas.
Chega às livrarias Dias Contados – Contos sobre o fim do mundo (Andross Editora, 256 páginas, R$ 29).

A obra reúne 50 contos de novos autores, selecionados criteriosamente, e também de uma escritora de histórias fantásticas, exclusivamente convidada para encabeçar a obra e dar boas-vindas aos estreantes: Helena Gomes, autora da saga A Caverna de Cristais (Idea Editora).
A organização é dos escritores Ricardo Delfin e Danny Marks, que analisaram pouco mais de 300 contos durante oito meses para chegar aos 50 selecionados.
Há escritores de vários estados brasileiros e também um da Argentina.

Mesa-redonda e leitura dramática
Para enriquecer as discussões acerca do tema, durante o lançamento, a Andross Editora promoverá uma mesa-redonda com os organizadores do livro e o jornalista e escritor Sérgio Pereira Couto, especialista em esoterismo e em História antiga e medieval. A mediação será do ativista cultural Silvio Alexandre.

Também está programada para o evento a leitura dramática de alguns contos do livro pela contadora de histórias Cristiane Gimenes, da cia. Em Cena Ser.

DIAS CONTADOS – CONTOS SOBRE O FIM DO MUNDO Vários autores – Organização de Ricardo Delfin e Danny Marks DATA: 01 de agosto de 2009, das 15 às 19 horas LOCAL: Biblioteca Viriato Correa de Literatura Fantástica - R. Sena Madureira, 298, Vl. Mariana, São Paulo, SP PROGRAMAÇÃO: 15h00min : Mesa-redonda Os Sinais do Fim do Mundo 16h00min : Leitura dramática de contos do livro Dias Contados 17h00min : Sessão de autógrafos

sábado, 25 de julho de 2009

O contribuinte








Ele queria ir para Marte no foguete.

Foi bem cedo até o campo de lançamento e gritou através da cerca de arame farpado para o homem uniformizado, que ele queria ir para Marte.

Disse que pagava seus impostos, e que seu nome era Prochard, e tinha o direito de ir a Marte. Afinal não era um bom cidadão nascido em Ohio?

Então por que ele não poderia ir para Marte?

Balançou os punhos na direção deles e disse que queria ir embora da Terra, qualquer um com juízo queria ir embora da Terra.

Haveria uma guerra nuclear acontecendo na Terra nos próximos anos e ele não queria estar ali quando acontecesse.

Ele e milhares de outros como ele, se tinham algum juízo, iriam para Marte. Não iriam?
Para fugir das guerras, da censura, estadismo e o recenseamento, e o controle do governo disso ou daquilo, da arte e da ciência! Podiam ficar com a Terra!
Ele ofereceu a mão direita boa, seu coração, sua cabeça, pela oportunidade de ir para Marte!
O que precisava fazer, onde precisava assinar para entrar no foguete?

Eles riram dele. Ele não queria ir a Marte, disseram, será que não sabia que a primeira e a segunda Expedições haviam falhado, desaparecido, e os homens provavelmente haviam morrido?

Mas eles não podiam provar, não tinham certeza, ele disse, colado na cerca de arame.
Talvez fosse a Terra do Leite e do Mel, de onde o Capitão York e o Capitão Williams nunca se preocuparam de voltar.

Agora, ou eles abririam o portão para que ele entrasse a bordo do foguete da terceira Expedição ou ele teria que chutá-los para longe?

Mandaram que se calasse.

Ele viu os homens indo para o foguete.

Esperem por mim! Gritou. Não me deixem aqui neste mundo terrível, eu tenho que sair daqui, tem uma guerra atômica chegando! Não me deixem na Terra!

Eles o arrastaram para longe.
Bateram a porta da viatura policial fechando-a na sua cara, e o levaram naquele início de manhã, seu rosto contra o vidro da janela, e pouco antes das sirenes, viu o fogo vermelho e ouviu o estrondo e então sentiu o enorme tremor do foguete prateado que partia, deixando-o para trás em uma segunda-feira comum em um banal planeta Terra.


THE TAXPAYER - THE MARTIAN CHRONICLES por Ray Bradbury
(Doubleday - Maio de l950)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Pride and Prejudice and Zombies


Como seria a história das irmãs Bennet, recheada por...zumbis!
Mais uma paródia de um clássico da literatura que consegue um inesperado sucesso e vai ser adaptado para o cinema em breve (Natalie Portman estaria escalada para o papel de Elizabeth.)



Pride and Prejudice and Zombies [ Download ]

Modern Horror Fiction

Contents
Abbreviations
Preface
My Roots Exhumed, by Ramsey Campbell
I. Biography and Overview
II. The Lovecraftian Fiction
III. The Demons by Daylight Period
IV. The Transformation of Supernaturalism
V. Dreams and Reality
VI. Horrors of the City
VII. Paranoia
VIII. The Child as Victim and Villain
IX. Miscellaneous Writings
Conclusion
Notes
Bibliography
Index

Ramsey Campbell and Modern Horror Fiction [ Download ]

quinta-feira, 23 de julho de 2009

All Flesh must be eaten - rulebook and all tomorrow's zombies


All Flesh must be eaten - rulebook [ Download ]



All Flesh must be eaten - all tomorrow's zombies [ Download ]

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Routledge Film Guidebooks - Horror


Horror cinema is a hugely successful, but at the same time culturally illicit, genre that spans the history of cinema. It continues to flourish with recent cycles of supernatural horror and torture porn that span the full range of horror styles and aesthetics. It is enjoyed by audiences everywhere, but also seen as a malign influence by others.

Brigid Cherry provides a comprehensive overview of the horror film and explores how the genre works. Examining the way horror films create images of gore and the uncanny through film technology and effects, Cherry provides an account of the way cinematic and stylistic devices create responses of terror and disgustin the viewer.

Horror further explores the role of horror cinema in society and culture, looking at how it represents various identity groups and engages with social anxieties, and examining the way horror sees, and is seen by, society. A range of national cinemas both historical and recent are discussed, including canonical films such as:
The Curse of Frankenstein
Night of the Living Dead
Ginger Snaps
Suspiria
Halloween
The Evil Dead
Candyman
Saw
Ringu
Nosferatu


CONTENTS
Figures and tables
Acknowledgements
1. The horror genre: form and function
2. Horror aesthetics and affect
3. Horror cinema and its pleasures
4. Horror and the cultural moment
Filmography
Notes
Bibliography
Index



Routledge Film Guidebooks - Horror [ Download ]

terça-feira, 21 de julho de 2009

Alien Identities: Exploring Difference in Film and Fiction


Introduction – Alien Identities:
Exploring Difference in Film and Fiction
Heidi Kaye and I.Q. Hunter

1 Satan Bugs in the Hot Zone: Microbial Pathogens as Alien Invaders
Peter Hutchings

2 America’s Domestic Aliens: African Americans and the Issue of Citizenship in the Jefferson/Hemings Story in Fiction and Film
Sharon Monteith

3 See Europe with ITC: Stock Footage and the Construction of Geographical Identity
Nick Freeman

4 ‘Leaving the West and Entering the East’: Refiguring the Alien from Stoker to
Coppola
Paul O’Flinn

5 Another Time, Another Space: Modernity, Subjectivity and The Time Machine
Jonathan Bignell

6 ‘The Martians Are Coming!’: Civilisation v. Invasion in The War of the Worlds and Mars Attacks!
Liz Hedgecock

7 Vagabond Desire: Aliens, Alienation and Human Regeneration in Arkady and Boris Strugatsky’s Roadside Picnic and Andrey Tarkovsky’s Stalker
John Moore

8 Adaptation, Teleportation and Mutation from Langelaan’s to Cronenberg’s The Fly
Karin Littau

9 The Alien Series and Generic Hybridity
Martin Flanagan

10 Aliens, (M)Others, Cyborgs: The Emerging Ideology of Hybridity
Patricia Linton

Index


Alien Identities: Exploring Difference in Film and Fiction
Deborah Cartmell, I.Q. Hunter, Heidi Kaye and Imelda Whelehan [ Download ]

segunda-feira, 20 de julho de 2009

The Philosophy of Science Fiction Film



Contents
Preface and Acknowledgments
An Introduction to the Philosophy of Science Fiction Film
Steven M. Sanders

Part 1: Enigmas of Identity and Agency
What Is It to Be Human? Blade Runner and Dark City
Deborah Knight and George McKnight
Recalling the Self: Personal Identity in Total Recall
Shai Biderman
Picturing Paranoia: Interpreting Invasion of the Body Snatchers
Steven M. Sanders
The Existential Frankenstein
Jennifer L. McMahon

Part 2: Extraterrestrial Visitation, Time Travel, and Artificial Intelligence
Technology and Ethics in The Day the Earth Stood Still
Aeon J. Skoble
Some Paradoxes of Time Travel in The Terminator and 12 Monkeys
William J. Devlin
2001: A Philosophical Odyssey
Kevin L. Stoehr
Terminator-Fear and the Paradox of Fiction
Jason Holt

Part 3: Brave Newer World: Science Fiction Futurism
The Dialectic of Enlightenment in Metropolis
Jerold J. Abrams
Imagining the Future, Contemplating the Past: The Screen Versions of 1984
R. Barton Palmer
Disenchantment and Rebellion in Alphaville
Alan Woolfolk
The Matrix, the Cave, and the Cogito
Mark T. Conard
List of Contributors
Index



The Philosophy of Science Fiction Film - Steven M.Sanders [ Download ]

domingo, 19 de julho de 2009

George Zebrowski


George Zebrowski (28 Dezembro de 1945) nasceu em Villach, Austria, onde viveu até os seis anos, antes de sua familía mudar-se para os EUA..

Escreveu mais de 70 contos e quase 40 livros, incluindo o aclamado pela crítica, 'Macrolife' e o vencedor do prêmio John W. Campbell Memorial 'Brute Orbits'.

Zebrowski é co-editor de várias coletâneas, como Faster than Light com Jack Dann, Sky Life com Gregory Benford, coletâneas de premiados Nebula, além de uma prestigiada série dedicada a renovação da FC americana, chamada Synergy.

Zebrowski também escreve em parceria com Pamela Sagent (com quem vive) livros da série Star Trek.

George Zebrowski ( Augie, Brute Orbits, Foundation Conscience, Heathen God, Stranger Suns, The Omega Pont Trilogy, The Star Web, The sunspacers trilogy, The water sculptor, Wound the wind) [ Download ]

sábado, 18 de julho de 2009

Olho, Máquina e Coração


A trama do filme se inicia quando o blade runner Deckard é convocado pela polícia para eliminar cinco replicantes (andróides) de última geração, praticamente idênticos aos humanos, que haviam fugido de uma colônia interplanetária.

Os andróides, que eram utilizados como escravos em minas espaciais, se escondiam em uma Los Angeles escura e labiríntica, onde sempre chovia e se falava um dialeto que misturava o inglês ao chinês e outras línguas.

Ao contrário dos seres humanos, os andróides eram privados de memória própria, por isso não eram capazes de sentir e de ser livres como os homens. As lembranças que tinham eram resultado de implantes de memória pertencentes a outras pessoas e tanto sua existência como sua morte eram programadas.

As fotografias têm no filme uma simbologia especial: serviam para legitimar as falsas lembranças dos andróides.
Em uma das mais tocantes passagens do filme, a andróide Rachel, por quem Deckard se apaixona, mostra para ele uma antiga fotografia, onde aparece ainda menina junto com sua mãe. Rachel, que não tinha consciência de sua condição de replicante, enxerga na fotografia uma maneira de comprovar suas lembranças e seus laços afetivos com outros humanos.

Esta imagem, completamente falsa para o espectador, é o único indício que Raquel possui de seu passado, vivência que, na realidade, só existe na fotografia.

Com este filme, que definiu um novo gênero pra o cinema de ficção, Ridley Scott apresenta uma projeção de nossos medos atuais. Vivendo em cidades superpovoadas e violentas, em um meio ambiente destruído, e sob o domínio econômico de grandes corporações, homens e andróides buscam um sentido para a existência, lutando pela preservação da vida e da própria identidade.

Em geral, da mesma forma que Rachel no filme Blade Runner, acreditamos ter certeza da diferenças entre sonho e realidade. Costumamos localizar em polaridades opostas cada um destes territórios: a realidade diz respeito ao dia, à luz, à lógica e a sabedoria.

O sonho, ao contrário é um freqüentador da noite, “floresce nas trevas, como essas raras flores noturnas que dão margem à imaginação e ao devaneio” (Schultz, 1998).


Olho, Máquina e Coração - Um estudo sobre as imagens fotográficas e sua relação com a memória e a afetividade - Amalia Creus [ Download ]

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Hostile Aliens, Hollywood and Today’s News


1950s Science Fiction Films and 9/11 is far more than a well-researched summary of science fiction films. Author Melvin E. Matthews, Jr. examines one of America’s most popular film forms and provides a thoughtful interpretation that should tantalize not only fans of the science fiction genre but also sociologists, film historians, and politicians.

The most memorable sci-fi films of the fifties were primarily entertainment vehicles. The bigger the monster, the bigger the box office. However, Matthews has looked far beyond the films’ gross receipts and found a fascinating sociological correlation between sci-fi and society.

In the 1950s, when I did It Conquered the World, the headlines were dominated by threats to America and to civilization — including the Cold War, the McCarthy hearings, and atomic development. Mankind’s future was at stake and Matthews probes deeply to show how the sci-fi movies of our era reflected America’s hysteria and how that hysteria is related to current world events.

Matthews’s thesis is supported by astute observation and keen interpretation of our era’s films, especially Invasion of the Body Snatchers, It Came from Outer Space, The Day the Earth Stood Still, and The War of the Worlds.

In addition, Matthews’s two years of research has resulted in a bonanza for Sci-fiers. He describes in detail how film costume and special effects wizards designed and created virtually every significant sci-fi alien, monster, and mutant that audiences have so enjoyed — and feared.
Beverly Garland

Table of Contents
Introduction
Author’s Introduction
Prologue

Chapter 1
Hostile Aliens: The Thing and The War of the Worlds
The War of the Worlds

Chapter 2.
Hostile Aliens: The Mind Controllers
Invasion of the Body Snatchers
It Conquered the World

Chapter 3.
Friendly Alien Visitors
It Came from Outer Space
This Island Earth

Chapter 4.
Visions of the Apocalypse: The End of the World 69
When Worlds Collide
The Next Voice You Hear...

Chapter 5.
Atomic Mutants: Animal and Human
The Beast from 20,000 Fathoms
Them!
Godzilla
Incredible Shrinking and Colossal Men

Chapter 6.
The Road to September 11
Hostile Alien Invaders
The Mind Controllers
Friendly Alien Visitors: E.T. the Extraterrestrial
The End of the World
Mutants
The Culture War: Pleasantville
The September 11 Era: Return of the B-Movies

Bibliography
Films
Articles
Books


Hostile Aliens, Hollywood and Today’s News - 1950s Science Fiction Films and 9/11
Melvin E. Matthews, Jr. [ Download ]

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Disaster Movies



Acknowledgments
Introduction by Glenn Kay
Introduction by Michael Rose
A Brief History of Disaster Movies
I’ll Never Fly with This Airline Again!
Shake, Rattle, and Roll
Disaster Movies’ Greatest Stars
Fun with Snow
Hot Molten Lava
The Best Disaster Movies Never Made
Sinking Ships
Don’t Be a Hero: The Disaster Movie’s Hardest Lesson
Big Space Rocks
Now That’s a Fire
The Most Ridiculous Disaster Movie Concepts Ever
Really Bad Storms
Just a Little Radiation
What’s with All the Love Themes?
Mad Bombers, Killer Bees, and Wild Animals
The Highest-Grossing Disaster Movies of All Time
Those Darn Aliens!
Movies That Sound Like They’re Disaster Films, But Aren’t
Disaster Movie Parodies
Our Ultimate Disaster Movie Lists
Index

Disaster Movies
A Loud, Long, Explosive, Star-Studded Guide to Avalanches, Earthquakes, Floods, Meteors, Sinking Ships, Twisters, Viruses, Killer Bees, Nuclear Fallout, and Alien Attacks in the Cinema!!!!
Glenn Kay and Michael Rose [ Download ]

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Apocalyptic Dread - American Film at the turn of the Millennium



In Apocalyptic Dread, Kirsten Moana Thompson examines how fears and anxieties about the future are reflected in recent American cinema.

Through close readings of such films as Cape Fear, Candyman, Dolores Claiborne, Se7en, Signs, and War of the Worlds, Thompson argues that a longstanding American apocalyptic tradition permeates our popular culture, spreading from science-fiction and disaster films into horror, crime, and melodrama.

Drawing upon Kierkegaard's notion of dread--that is, a fundamental anxiety and ambivalence about existential choice and the future--Thompson suggests that the apocalyptic dread revealed in these films, and its guiding tropes of violence, retribution, and renewal, also reveal deep-seated anxieties about historical fragmentation and change, anxieties that are in turn displaced onto each film's particular "monster," whether human, demonic, or eschatological.


Contents
List of Illustrations
Acknowledgments
1. Apocalyptic Dread, Kierkegaard, and the Cultural Landscape of the Millennium
2. Cape Fear and Trembling: Familial Dread
3. Strange Fruit: Candyman and Supernatural Dread
4. Dolores Claiborne: Memorial Dread
5. Se7en in the Morgue: Dystopian Dread
6. Signs of the End of the World: Apocalyptic Dread
7. War of the Worlds: Uncanny Dread
Notes
Works Cited
Index


Apocalyptic Dread - American Film at the turn of the Millennium - Kirsten Moana Thompson
[ Download ]

terça-feira, 14 de julho de 2009

Black space - Imagining Race in Science Fiction Film



“There is nothing wrong with your television set. Do not attempt to adjust the picture. We are controlling transmission . . .”

The first time I remember hearing this eerie command was as a child, sitting home one weekday afternoon while nursing a sore throat and a light case of the sniffles.

Usually, when I was too sick to go to school for more than one day, I always looked forward to thumbing through a variety of comic books my mother would buy me to quell my complaints of being bored while she was gone. As a rule, I would read and reread them in bed. But this time I schlepped my blanket and pillow out to the living room to look at television and settled down to view an afternoon barrage of corny game shows and melodramatic soap operas.

To my joyful surprise, I stumbled upon The Outer Limits, a science fiction series in which each show began with a disembodied voice commanding viewers to stay still and keep watching the tv screen. Admittedly, reruns of the black-and-white series, with its tacky special effects and overdone monster makeup, seldom lived up to the compelling introduction.

Nonetheless, for me the series did serve as a significant bridge from a leisurely enjoyment of superhero comic books to a keen interest in science fiction television and films.

I moved on from reruns of The Outer Limits to the short-lived series Space: 1999 and eventually found my sci-fi glee in reruns of the original Star Trek television series of the late 1960s.

My immediate interest in the show, however, was driven not exclusively by my preference for all things science fiction but also by a fondness for Lieutenant Uhura (Nichelle Nichols), the African American female communication specialist of the Star Trek crew and my first television crush. Her presence on the bridge of the Enterprise made the absence of black people in other science fiction television shows and films all the more conspicuous.

I wanted to see more black people, not only on Star Trek (if I’d had my wish, Uhura would have had her own science fiction show) but across the genre. To the contrary, I found that in the vast majority of science fiction television shows and films, black people were, until quite recently, absent or extremely marginal to the narratives. This observation followed me well into adulthood and, to a great extent, came to define how black representation in American science fiction cinema is commonly perceived despite a growing presence of black representation in
the genre.

For example, when friends or family members would ask what I was working on and I would tell them I was writing a book examining the intersection of black representation and science fiction (SF ) cinema, the most common response was that it was going to be a short book. They would promptly inform me that black folk are not present in the genre or are certain to die prematurely in the second act. Admittedly, in a multitude of SF films, black people are just plain absent, which understandably leaves the impression there is very little to write about when it comes to black representation in the genre.

Yet, in spite of the overt omission of black representation and racial issues in SF cinema, I have found that both are present in numerous SF films. Albeit implicit—as structured absence, repressed or symbolic—blackness and race are often present in SF films as narrative subtext or implicit allegorical subject.

Most important, for this book, is the cultural politics of race that such representations suggest not only in SF cinema but alongside the sociohistorical place that blackness has occupied in American society. As a result, the SF film genre is not merely an imaginative medium primarily focused on the future. SF film is also a powerful lens by which to observe the collective racial desires, constructs, fantasies, and fears circulating throughout American society.


Introduction
Chapter 1. Structured Absence and Token Presence
Chapter 2. Bad Blood: Fear of Racial Contamination
Chapter 3. The Black Body: Figures of Distortion
Chapter 4. Humans Unite! Race, Class, and Postindustrial Aliens
Chapter 5. White Narratives, Black Allegories
Chapter 6. Subverting the Genre: The Mothership Connection
Notes
Bibliography
Index


Black space - Imagining Race in Science Fiction Film - Adilifu Nama [ Download ]

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Screening Space - The American Science Fiction Film


Screening Space, the reprint classic from Rutger's University Press, has been significantly enlarged to update the science fiction film since the early 1980s, examining classic and contemporary sci-fi films as a significant genre.

Winner of the 1995 Pilgrim Award, the book examines the differences between the religious themes of 2001: A Space Odyssey and the clinical random evil depicted in Event Horizon.

Vivian Sobchack's detailed analysis of a wide range of films and inclusion of black-and-white movie stills allows a better understanding of science fiction films as an art form that can often present its characters, a la Blade Runner, as "more human than human."

Screening Space - The American Science Fiction Film - Sobchack Vivian [ Download ]

domingo, 12 de julho de 2009

Novo livro de Cory Doctorow distribuido online


O nome de Cory Doctorow além de sempre constar da lista de autores indicados para os maiores prêmios de FC de lingua inglesa, constantemente está também associado a creative commons license.

Cory mais uma vez nos surpreende.

Seu próximo livro, Makers, será disponibilizado gratuitamente no site de sua editora, a Tor.

Dividido em 81 partes, Makers vai contar com ilustrações de diferentes desenhistas.

FANTASTICON 2009


Este ano, o Fantasticon 2009 – III Simpósio de Literatura Fantástica, será nos dias 25 e 26 de julho, das 11 às 19 horas.

O local é a Biblioteca Temática de Literatura Fantástica Viriato Corrêa, situada à Rua Sena Madureira, 298 – Vila Mariana – São Paulo SP
Tel.: (11) 5573-4017 e (11) 5574-0389

Um Pouco da Programação

Mesa-redonda:
“MITOS E DRAMAS DO VAMPIRO CONTEMPORÂNEO”
“O FANTÁSTICO NA EDUCAÇÃO”
“O MERCADO EDITORIAL DE LITERATURA FANTÁSTICA NO BRASIL”
“PRÁTICA DE ESCRITA DE LITERATURA FANTÁSTICA”
“STEAMPUNK E OS NOVOS RUMOS DA FICÇÃO CIENTÍFICA”

Oficinas
“COMO CRIAR PERSONAGENS”
“ENTRANDO NO MERCADO EDITORIAL – O QUE FAZER PARA PUBLICAR SEU LIVRO”

Palestras
“A LITERATURA FANTÁSTICA NA AMÉRICA LATINA”
“AS HISTÓRIAS DESCONHECIDAS DE EDGAR ALLAN POE”

Exposições
“40 ANOS DO SYMPOSIUM DE FICÇÃO CIENTÍFICA“
“VISÕES SECRETAS“

LANÇAMENTO & ENCONTROS COM OS AUTORES
“Alma e Sangue”, de Nazarethe Fonseca (Editora Aleph)
“O Arqueiro e a Feiticeira”, de Helena Gomes (Idea Editora)
“Os Guardiões do Tempo”, de Nelson Magrini (Giz Editorial)
“Kaori – Perfume de Vampira”, de Giulia Moon (Giz Editorial)
“O Livro Vermelho dos Vampiros”, de Luiz Roberto Guedes (org.) (Devir)
“O Prédio, o Tédio e o Menino Cego”, de Santigo Nazarian (Record)
“O Povo da Névoa”, de H. R. Haggard (Edições GRD)
“Steampunk”, de Gianpaolo Celli (org.) (Tarja Editorial)
“Ubik”, de Philip K. Dick (Editora Aleph)

Mostra: ”OS PREMIADOS DO FESTIVAL CURTA FANTÁSTICO”

Harry Harrison


Harry Harrison (12 de Março de 1925) nasceu em Stamford, Connecticut (EUA).

Desenhista, roteirista e autor de Ficção Científica e de mistério, Harrison é mais conhecido pela sua série 'Stainless Steel Rat', e pelo romance 'Make Room! Make Room!' de 1966, que serviu como inspiração para o filme 'Soylent Green' de 1973.

Harry Harrison ou Henry Maxwell Dempsey, serviu na aeronautica durante a Segunda Guerra Mundial, e esta experiência o inspirou para criar a série 'Bill, o heroi galático', uma sátira ao militarismo.

Pacifista, participou de manifestações contra a guerra do Vietnam.
Harrison também é um incentivador do Esperanto, que aprendeu durante a guerra, segundo ele, 'para afastar o tédio'.

Como a maior parte dos autores de FC de sua geração, Harry surgiu para o público em revistas populares (pulp), mais precisamente na Astounding, com o conto 'Deathworld' e também fazia ilustrações para as capas.

Em mais de cinquenta anos de 'serviços prestados', Harrison , entre outras coisas, escreveu roteiros para séries de TV, como The Saint e Flash Gordon; organizou a primeira conferência mundial de escritores de FC e Fantasia, em Dublin (1973) e junto com o amigo Brian W. Aldiss, criou o prêmio John W.Campbell.

Harry Harrison (The Mothballed Spaceship, Saga Bill o heroi galático, Deathworld, Trilogia Hammer cross, The Repairman, Eden saga, Saga Stainless steel rat, 50 stories in 50 years, A transatlantic tunnel, By the falls, Captive Universe, Galactic Dreams, Make room, make room, Montezuma's revenge, One step from earth, Plague from space, Planet of no return, Planet of damned, Queen Victoria's revenge, Rebel in Time, Skyfall, Star smashers of Galactic Rangers, Stonehenge, Technicolor Time Machine, The Daleth Effect, The fourth law of robotics, There wont be war, To the Stars trilogy, War with robots, Web of the norns, The Turing Option )
[ Download ]

sábado, 11 de julho de 2009

As Imagens da Inteligência Artificial nas narrativas literária e cinematográfica


Esse trabalho propõe-se a comparar as imagens da inteligência artificial, nas obras 'A chave
do tamanho', de Monteiro Lobato, e no filme 'AI: Inteligência artificial', de Steven
Spielberg.

Seu principal objetivo é examinar as estratégias de produção e recepção das imagens, comparando-as em ambos os sistemas semióticos e verificando como a tecnologia intervém nas experiências estéticas do texto, afetando as formas de percepção e de representação literária e cinematográfica. Além das Teorias de rede que, ao abrirem um espaço para a recriação do ambiente intersemiótico do hipertexto, oferecem a possibilidade de se fazer uma leitura das obras numa perspectiva pluridimensional e sinestésica, pretende-se tomar também, como referência metodológica, as teorias da Estética da recepção, que permitem tecer uma relação estético-dialética entre o autor, a obra e o leitor.

A partir desses prismas, serão analisados os contextos de produção e recepção das imagens
das obras e seus respectivos procedimentos narrativos.


SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
CAPÍTULO 1
CONEXÃO ENTRE OS SABERES: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI
CAPÍTULO 2
FICÇÃO CIENTÍFICA - RESGATANDO OS LAÇOS ENTRE CIÊNCIA E ARTE
CAPÍTULO 3
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL - O CORPO SOB EFEITO DA TECNOLOGIA
O corpo sob o efeito de suas interfaces com a tecnologia
CAPÍTULO 4
IMAGENS EM CONFRONTO: MUNDO NATURAL VERSUS MUNDO ARTIFICIAL
As imagens da inteligência artificial nas narrativas literária e cinematográfica
CONCLUSÃO
BIBLIOGRAFIA



As Imagens da Inteligência Artificial nas narrativas literária e cinematográfica [ Download ]
Angelina Maria Ferreira de Castro - Faculdade de Letras da UFMG 2007

Tommy e o cão falante - Lewis Shiner



Se você puder responder três perguntas, disse o cão, 'poderá usar dos tênis mágicos'.
Tommy olhou para um lado e o outro da rua deserta. 'Você... falou alguma coisa?'
'Isso mesmo. Não me ouviu?'
Era uma voz rouca e irritada, com um sotaque inglês e com certeza vinha do cão.
'Você é um cachorro' De fato, um enorme e gordo bulldog, com dobras de pele penduradas nos lados da cara. De onde estava sentado, nos degraus da frente de um motel abandonado, parecia olhar para Tommy direto nos olhos.
'Correto' disse o cão.
Tommy encarou as janelas empoeiradas do escritório do motel.
'É um truque, não é? A câmera de TV está escondida e você quer me fazer de bobo.'
'Não é uma pegadinha Tommy. São só três perguntas.'
'Vamos lá!' disse Tommy e engrossou a voz e disse:' Senta.' O cão continuava a olhar para ele. 'Role. Finge de morto.'
'Para de babaquice, você quer ou não os tênis?'
'Deixe-me vê-los.'
O cachorro moveu-se, revelando um par de tênis All Star Converse vermelhos, velhos e acabados.
'Estão usados.'
'Talvez, mas são mágicos.'
'Quais são as perguntas?'
'Qual dos presidentes morreu durante o mandato? Lincoln, McKinley ou F.D.R.?'
'Qual é! Todos eles. Esta é o mesmo tipo de pergunta estúpida que fazem quando querem te vender porcarias pelo telefone.'
'O que pesa mais, um quilo de chumbo ou um quilo de penas?'
'Ambos pesam um quilo. Isso é besteira. Vai me perguntar agora quem está enterrado no tumulo de Grant?'
O cão apertou os olhos 'Já fez isso antes?'
'Ulysses S. Grant' disse Tommy. 'Me dá os tênis.'
Eram do seu tamanho e sentiu-se bem com eles, mesmo estando gastos e mesmo com aquelas coisinhas de metal tendo caído.'
'Não sinto nenhuma diferença.'
'Você precisa deles para procurar pelo tesouro' disse o cão.
'Que tesouro?'
'Quando está usando os tênis mágicos, você consegue abrir as portas dos quartos do motel.'
'Sei, sei. Não obrigado, meus pais me disseram para não entrar lá. Alem de tudo estão vazios.'
O cão deu de ombros. Tommy nunca vira um cão fazer isso antes.
'Você é quem sabe.'
'Ei, espere um minuto. me fale do tesouro.'
'Vai ter que achar sozinho.'
O cão começou a ir embora.
'Ei, volte aqui' disse Tommy.
O cão continuou a se afastar.
Tommy mexeu com seus dedos dentro dos tênis. Mágica. Olhou para a fileira de quartos do motel, a poeira das paredes parecia dourada na luz da tarde de Maio. Estaria em apuros se o seu pessoal descobrisse que estava ali.
Foi até a primeira porta e a abriu.
Dentro, uma mulher sentada na cadeira, assistindo televisão. Tommy sentiu uma onda quente beijar seu rosto. 'Caramba, desculpe' ele disse, 'não sabia que tinha gente aqui.'
'Tudo bem Tommy,pode entrar' ela disse.
Tommy deu um passo para dentro do quarto.
'Você me conhece?'
'Claro' disse a mulher. 'Você está usando meus tênis.'
Ela era um pouco mais velha do que sua mãe, e muito gorda. Uma caixa de chocolates aberta, junto ao seu braço.
'Quem é você?' perguntou Tommy.
'Ninguém. Só uma mãe.'
O quarto era maior do lado de dentro do que fora e não se parecia com um motel. Tinha um berço no canto escuro, com duas crianças dentro.
Um deles batia no outro com uma cobra de plástico. Uma terceira criança se arrastava no chão, puxando um cobertor. O lugar fedia, como leite estragado e café velho e banheiro da escola.
A voz de um homem saia do aparelho de televisão e dizia 'Susan está grávida do meu filho.'
'O que voe está vendo?' perguntou Tommy educadamente.
'Nada. Só um programa.'
O garoto que apanhava do outro, começou a chorar. A mãe jogou um chocolate na boca.
'Bem...'
Tommy se sentia daquele jeito, como quando está chovendo e ele queria ir nadar na piscina.
'Eu tenho que ir'.
'Shhh! Esta parte é boa.'
Tommy saiu sem fazer barulho e fechou a porta. Pensou no que o cachorro esperava que ele encontrasse. Foi para a porta seguinte e bateu gentilmente.
'Entre' disse a voz de um homem grande.
Tommy abriu a porta e viu a sua frente uma longa mesa de madeira. Atrás do homem na mesa havia uma janela com persianas estreitas, impedindo o sol de entrar. Assim era difícil ver o rosto do homem.
'Tommy! Vamos, entre!'
Ele se levantou e esticou a mão. Tommy a apertou e eu um passo para trás.
'Como você está?'
'Bem. Como sabe quem eu sou?'
Tommy sentou-se numa cadeira, grande demais para ele. Reparou em um cheiro esquisito e cheirou a mão. Loção apos barba, tão forte que fez os olhos de Tommy se encherem de lágrimas.
'Sabe alguma coisa a respeito de um tesouro?' ele perguntou.
'Um tesouro...'
O homem se recostou e Tommy pode ver seu bigode e como ele penteava o cabelo por cima da careca. Não era velho, mas tinha olheiras e seu sorriso serpenteava, parecia querer sair do rosto. 'Bem, acho que não posso dizer onde achar um baú cheio de dobrões de ouro, mas posso lhe dizer o que o fará rico.'
Debruçou-se sobre a mesa e sussurrou: 'Supercondutores.'
Tommy pensou num homem de azul e vermelho, usando uma capa, pegando tíquetes em um trem.
'O que?'
'Supercondutores. São como metal, sabe como transportam eletricidade? Mas fazem melhor e são frios, muito frios... bem,diabos, não sei muito como funcionam, mas tem uma fortuna lá.'
E bateu na mesa.
'Uma fortuna!'
Uma caixinha na mesa zuniu e ele apertou um botão e disse: 'Sim?'
Em resposta uma voz feminina se ouviu:
'Mister Cornell na linha sete.' disse como se quisesse sussurrar e cantar ao mesmo tempo.
'Segure o velho gordo um pouco meu doce' E não se esqueça do nosso encontro esta noite. Arranjei um quarto para nós no motel.'
O homem piscou para Tommy e apertou outro botão da caixa.
Sobre a mesa a foto de uma mulher e duas crianças. Aquela mulher não parecia com aquela da voz na caixinha.
'Não diga nem uma palavra pra minha esposa Tommy. Sabe como é.'
'Não' respondeu Tommy 'Como é?'
Antes que ele pudesse responder, a caixa zuniu de novo.
'Desculpe, mas Mister Connel diz que é urgente.'
O homem agarrou o telefone e socou a luz piscante.
'Maldição JC, o que diabos está te comendo o rabo agora? ,,,você o que? ...você o que?'
Colocou o fone de novo na mesa. Seu rosto estava da cor de cimento.
'Supercondutores' sussurrou e começou a jogar umas pílulas sob a língua.
'Melhor eu ir agora' disse Tommy. O homem não respondeu e Tommy correu para fora.
O sol estava se pondo. O mundo parecia mais cansado e poeirento.
'Ei, cachorro!' Chamou Tommy procurando-o. Nenhum sinal.
vagarosamente foi até a outra porta e a abriu.
Uma mulher deitada na cama. Estava vestida como uma animadora de torcidas, daquelas que se vê nos jogos de futebol que o pai assiste aos domingos. Os shorts feitos de alguma coisa brilhante prateada e uma camisa vermelha amarrada acima da cintura. Tommy viu, quando ela sentou-se, seus seios se mexerem sob o tecido fino. Eram grandes.
'Oi Tommy. Já achou o tesouro?'
Acendeu um cigarro.
'Não.'
Ela tinha uma voz arranhada e triste.
'Quem é você?'
'Eu? Sou uma prostituta Tommy.'
'Uma prostituta? O que é uma prostituta?'
A mulher balançou a cabeça. Seus cabelos mal se mexeram de tanto laquê e usava mais maquiagem do que já vira alguém usar.
'Uma prostituta é uma mulher que ... bem, tenta alegrar os homens que não estão alegres em casa.'
'Você pode me alegrar?'
'Você é só um garotinho. Preste atenção, os adultos não são pessoas felizes a maior parte do tempo. Eles andam por ai procurando por poder, dinheiro ou sexo e quando não conseguem, se sentam e assistem televisão.'
'Não tem tesouro nenhum, tem?'
'Não sei Tommy. Eu não achei.'
'O que é isso?'
A mulher tinha um cinto apertando o braço e uma seringa estava pendurada nele.
'É tipo um remédio Tommy. Acho melhor você ir embora agora.'
'Tá.'
Era quase noite lá fora.
Tommy sentou-se a beirada da calçada e tirou os tênis vermelhos, colocando de volta os seus.
'Cachorro! Ei! Pode pegar de volta seus tênis idiotas!'
Nenhuma resposta. Atirou os tênis em direção ao motel o mais forte que conseguiu.
Eles quebraram a janela do primeiro quarto onde a mulher gorda via TV e através do vidro quebrado, Tommy conseguiu ver que o quarto estava vazio.
Quando chegou em casa, seus pais perguntaram-lhe o que estava errado. Ele disse que estava só cansado. Tomou banho e deitou-se olhando a parede por um longo tempo. Eventualmente caiu no sono. Na escola as férias de verão se aproximavam.
Os professores se esforçavam de qualquer forma, acompanhando o barulho dos pés correndo e a gritaria dos corpos nos intervalos.
Para Tommy aquilo tudo não interessava. Ele olhou para Mrs.Aleio e pensou na mulher gorda no quarto de motel, e naquela mulher na fotografia da mesa do homem de negócios.
Quando olhou para Susie Bishop, a garota mais bonita da classe, ele viu seus shorts apertados e que usava muita maquiagem.
Quando Bobby Cubitto gritou respondendo uma pergunta, Tommy pensou nele berrando no telefone.
Ele passava pelo velho motel todos os dias no caminho de casa.
Nunca viu mais o cachorro. Até olhava pela janela quebrada mas os tênis tinham desaparecido. Seus pais sabiam que algo o aborrecia e seu pai tentou conversar com ele: 'Você acredita em Mágica papai? Animais que falam, coisas assim?'
'Bem Tommy' começou a dizer e limpou a garganta.
Tommy reparou que o pai começara a repartir o cabelo, cobrindo uma área da cabeça.
'Coisas assim são chamadas de alegorias. Quer dizer que não são reais, mas existem por algum motivo real. Entende? É como se um animal em uma história fala alguma coisa, pode significar que você está recebendo uma mensagem do seu consciente ou algo assim.'
'Mas não é real.'
'Não de verdade.'
No último dia de escola eles foram liberados ao meio dia.
Tommy andou pelas ruas sem propósito, sem querer ir para casa. Ia chutando pedrinhas, de cabeça baixa. Algo se moveu no canto da sua visão. Era um buldogue grande.
Tommy correu ate ele. O cão o viu e fugiu através do jardim de alguém.
Tommy não diminuiu, passou sob um varal e perseguiu o cão. Mudou de direção de novo e Tommy ainda atrás dele e derrepente escorregou no canteiro. Tommy saltou e agarrou-o forçando contra o chão.
'Fala comigo!' Gritou e lembrou do homem ao telefone. 'Fala comigo, maldição!'
Uma porta de jardim gemeu atrás dele e uma voz de mulher disse:
'Ei, você! Saia de cima dessas flores! O que você pensa que está fazendo?'
'Desculpe. Meu cachorro fugiu. Eu pagarei pelas flores. Desculpe. De verdade.'
'Tá certo, tá certo...mas seja mais cuidadoso. '
Olhou de cima a baixo e disse 'Como vai levá-lo para casa? Nem tem coleira!'
Tommy deu de ombros.
'Vou te arranjar uma corda' e entrou na casa e quando voltou trazia um pedaço esfarrapado de corda. 'Aqui.'
'Obrigado' agradeceu Tommy prendendo o cachorro. 'E desculpe pelas flores.'
Puxou o cachorro até a rua.
Esperava que a mulher não tivesse ouvido ele falando com o cachorro. Pareceria estúpido.
Sentou-se na beirada da calçada.
E era estúpido. O cão era só um cão, e não merecia ser tratado assim.
'Ei' disse o cão 'essa corda coça bastante.'
'Você pode falar!'
'É claro que posso!'
'Por que me deu aqueles tênis? Por que me mandou para aqueles quartos do motel com toda aquela gente horrível? Qual era o plano?'
'Não tem plano nenhum.Você é um garoto especial. Coisas especiais acontecem com gente especial.'
'E o tesouro?'
O cachorro se lambeu fazendo barulho.
'Tire esta corda antes!'
'Me fale do tesouro.'
'Não dá para falar muito com esta corda no pescoço.'
O cão e o garoto se encararam e então Tommy tirou a corda.
'Não tem tesouro nenhum não é?' Perguntou Tommy.
'Não naquele motel, não.'
'Você me enganou.'
'Olhe garoto, eu não disse que estava lá. Eu disse que você devia procurar por ele lá. Veja bem, as vezes você já tem uma coisa e não sabe que tem e então continua procurando-a. Mesmo já tendo-a.'
'Tendo o que?'
'Este modo de olhar as coisas. De encontrar pessoas em motéis vazios ou palavras na boca de um cachorro.'
'Então eu criei você. Você nem é de verdade.'
'A realidade é qualquer coisa que você decide ser real. Você pode ter uma realidade onde existem cachorros que falam e tênis mágicos, ou pode ser como as pessoas naquele motel. Como seus pais. Depende de você.'
'Este é o tesouro?'
'É.'
O cachorro levantou e saiu fungando pela rua.
Parou em frente a um carro novo e grande e mijou na roda. As gotas respingavam na rua empoeirada como moedas de ouro.
'Vejo você por ai garoto' disse o cão sobre o ombro.
'Nos veremos de novo?'
'Claro. A vida é cheia de surpresas!'
Tommy colocou a corda na lata de lixo e foi para casa.
'O que você sabe?' pensou.
Depois de um pouco, começou a assoviar.



Tommy and the talking dog (1982) de Lewis Shiner

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Terraforming: The Creating of Habitable Worlds


Table of Contents
1. Prolog: The Big Guns of Kugluktuk
Summer, the Year 2100
Notes and References
2. Introduction
What’s in a Word?
Moving Forward
The Anthropocene
Future Worlds, Future Homes
Economics
Notes and References
3. Life in the Solar System, and Beyond
Mars: The Once and Future Abode of Life?
Life Express
The Miller–Urey Experiment
Panspermia: The Bigger Picture
Life and Death Clouds
Vignette A: What Is Life?
The Rights of Microbes
Notes and References
4. The Limits of the World.
Home on the Range: A Brief History of the Solar System
The Blue Marble
Breathing Room
A Magnetic Shield
Humanity’s Footprint
We, the Tikopia
The Aging Sun
Back to the Present
Vignette B: The Viking Landers
Notes and References
5. In the Right Place at the Right Time
Planetary Temperatures
Atmospheric Temperature and Pressure
Phase Diagram of Water
The Habitable Zone
Atmospheric Retention
The Greenhouse Effect
The Tail Wagging the Dog
Feedback Cycles and Stability
The End of the Biosphere
The Formation of Terrestrial Planets
Super-Earths
Vignette C: Kepler’s Somnium
Notes and References
6. The Terraforming of Mars
The Measure of Mars
Whither the Water?
The Opening Salvo
Altered States: The Means of Terraforming Mars
Increased CO2 Abundance
The CO2 Runaway
Super-Greenhouse Gases
Albedo Change and Increased Insolation
The Phases of New Mars
The Times of Their Lives
Worldhouse
Near-Term Developments
Vignette D: Daisy World
Notes and References
7. The Terraforming of Venus
The Moist Greenhouse Effect
Cloud Life
Perelandra Remade
Atmospheric Blow-off, Cooling, and Mining
Roman Blinds, Spin Up, and Spin Apart
Back to Basics
Getting CO2 Stoned
A Cold New Dawn
Surface Turnover
Flying High
A Distant Dawn
Vignette E: Back to the Moon
Notes and References
8. An Abundance of Habitats
The Moon’s a Balloon
Hot-Footed Hermes
A Fragmented Neighborhood
Life on a Dwarf Planet: Ceres World
Living in the Clouds
Supramundane Planets and Shell Worlds
O’Neill Colonies and Orbiting Cities
The Coming of a Second Sun
Earth Shift and a Synthetic Sun
Dyson Spheres and Jupiter
The Galilean Moons: Food for Thought
The Deeper, Darker, Colder Solar System
The Pull of More Distant Horizons
Other Worlds Abound
Future Prospects
Habitable Exoplanets and Biomarkers
Vignette F: The Mysterious Titius–Bode Law
Notes and References
Epilogue
Internet Resources
Glossary of Technical Terms
Appendices
A. Blackbody Radiators
B. Accounting for Greenhouse Gases
C. A Terraforming Simulator Model for Mars
D. Population Growth and Lily World
Index

Terraforming: The Creating of Habitable Worlds - Martin Beech [ Download ]

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Habitable Planets for Man


Habitable Planets for Man examines and estimates the probabilities of finding planets habitable to human beings, where they might be found, and the number there may be in our own galaxy.

The author presents in detail the characteristics of a planet that can provide an acceptable environment for humankind, itemizes the stars nearest the earth most likely to possess habitable planets, and discusses how to search for habitable planets.

Interestingly for our time, he also gives an appraisal of the earth as a planet and describes how its habitability would be changed if some of its basic properties were altered.

Habitable Planets for Man was published at the height of the space race, a few years before the first moon landing, when it was assumed that in the not-too-distant future human beings “will be able to travel the vast distances to other stars.”

More than forty years after its initial publication, and to celebrate RAND’s 60th Anniversary, RAND is proud to bring this classic work back into print in paperback and digital formats.

Habitable Planets for Man - Stephen H.Dole - Rand Corporation [ Download ]

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Rockets


Few human inventions are associated with the future more than rockets. They have enabled humans to escape the gravitational bonds of Earth and fly to the Moon and beyond. Rockets have placed satellites into orbit that let us view our planet from a perspective impossible
from the ground. Instead of seeing no farther than the horizon around us, we can see our entire world in a single glance.

Rockets have saved the lives of shipwreck victims—and cost lives during war. Rockets will someday carry humans to Mars and other planets and allow us to mine asteroids for metals and minerals.

Perhaps they will save our world from the impact of an asteroid.
Rockets of one kind or another may even carry us to the stars.
Rockets have been a symbol of the future for so long that it is surprising just how old and primitive they are. Rockets are actually very simple devices. In their most basic form, they have no moving parts. In fact, other than a tube of fuel that is closed at one end, the simplest rockets might not have any parts at all. Rockets operate by the application of one of the most basic laws of nature: for every action there is an equal but opposite reaction. Rockets were probably
invented by accident in China nearly two thousand years ago.

That is where the story of rockets begins.


Introduction
Chapter 1 - Medicine and the Fire Arrow
Chapter 2 - The Rockets’ Red Glare
Chapter 3 - The Experimenters
Chapter 4 - The Rocketeers
Chapter 5 - The Rocket Grows Up
Chapter 6 - A Rocket for Every Need
Chapter 7 - The Future of Rockets
Glossary
Source Notes
Bibliography
For Further Information
Index


Rockets - Ron Miller [ Download ]