terça-feira, 29 de setembro de 2009

Science Fiction Cinema - Between Fantasy and Reality


Acknowledgements and Thanks
Preface
List of Illustrations

1. Introduction: The Formation of the Genre
Definitions and Approaches
Traditions, Forerunners and Science Fiction Films
Interview: Writer Brian Aldiss
Interview: Writer William Gibson

2. Science Fiction Films in the 1950s
Fathers, Sons and Alien Visitations
Romantic Encounters
Daddy’s Girl
Outside Influences
Interview: Actor Billy Gray

3. Spaced Out: Between the ‘Golden Years’
The Odyssey Begins
New Worlds and Old Worlds
Interview: Director Ken Russell

4. The Masculine Subject of Science Fiction in the 1980s
Blockbuster Era
The Family Films
The 1980s Cyborg Film
Science Fiction and the Global Film Market
Interview: Director Paul Verhoeven

5. Gender Blending and the Feminine Subject in Science Fiction Film
Horror and the Female Subject of Science Fiction as ‘Composite’Being
Replicating the Femme Fatale
Beyond the Femme Fatale
Mind over Matter
Female Hero Meets Femme Fatale
Interview: Director Paul Verhoeven (Part 2)

6. Alien Others: Race and the Science Fiction Film
Representations of ‘Blackness’ in Science Fiction of the 1960s and 1970s
The African American Alien in 1980s Science Fiction Film
Issues of Authenticity in the 1990s Virtual Reality Film
The Asian American and the ‘Oriental’
The ‘Oriental’ in the Euro-American Science Fiction Film
Interview: Actor Joe Morton

7. Generic Performance and Science Fiction Cinema
Externalising Performance
Internalising Performance
Interview: Actor Dean Norris

8. Conclusion: The Technology of Science Fiction Cinema
Computer Graphics Imagery and Contemporary Science Fiction
Interview: Special Effects Technician Stan Winston
Interview: Director Roland Emmerich

Bibliography
Films Cited
Index

Science Fiction Cinema - Between Fantasy and Reality [ Download ]

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

O Brasil como Cenário Fantástico e lançamento do livro DIMENSÕES.BR


Mesa-redonda sobre literatura fantástica marca lançamento do livro Dimensões.BR

A Andross Editora promove, no dia 03 de outubro, às 15h, a mesa-redonda O Brasil como Cenário Fantástico, com os escritores Roberto de Sousa Causo e Helena Gomes, e mediação de Silvio Alexandre.

O evento, que será realizado na Biblioteca Temática de Literatura Fantástica Viriato Corrêa, é gratuito e marca o lançamento da antologia Dimensões.BR - Contos de Literatura Fantástica no Brasil, que reúne 56 contos de autores novos e veteranos.

A programação segue, às 16h, com a leitura dramática de cinco contos da coletânea, com a intérprete Cristiana Gimenes. Às 17h, está prevista a sessão de autógrafos com os autores.

“Na concepção do livro, nossa idéia era apresentar histórias com diferentes elementos fantásticos, mas que acontecessem exclusivamente em território brasileiro”, explica o editor da Andross, Edson Rossatto.

A organização de Dimensões.BR foi feita pela escritora Helena Gomes, que analisou pouco mais de 260 contos durante sete meses para chegar aos 56 selecionados. Há escritores de vários estados brasileiros. A antologia traz ainda a participação especial do autor de thrillers nacionais, Luis Eduardo Matta, e da premiada escritora Rosana Rios, com vinte anos de carreira e mais de cem livros publicados.

A Biblioteca Temática de Literatura Fantástica Viriato Corrêa fica na Rua Sena Madureira, 298, Vila Mariana, em São Paulo.






Programação do evento de lançamento

Data: 03 de outubro de 2009, das 15 às 20 horas

Local: Biblioteca Viriato Correa de Literatura Fantástica - R. Sena Madureira, 298, Vl. Mariana, São Paulo, SP - Tel: 11 5573-4017 Mapa


15h00min : MESA- REDONDA "O BRASIL COMO CENÁRIO FANTÁSTICO"
Mediação:

Silvio Alexandre
É idealizador e organizador do Fantasticon — Simpósio de Literatura Fantástica. É também um dos curadores do prêmio HQMIX, além de atuar como editor de livros.
Contato: silvio.a@bn.com.br

Integrantes:
Roberto de Souza Causo
É escritor e pesquisador de ficção científica. Desde muito jovem vem colaborando com fanzines e revistas nacionais e estrangeiras de ficção científica e fantasia, tendo seus trabalhos publicados na Argentina, Brasil, Canadá, China, Finlândia, França, Grécia, Portugal, República Checa e Rússia. É correspondente brasileiro da publicação norte-americana Locus e mantém uma coluna no site Terra Magazine. Entre seus livros estão A Dança das Sombras (Editora Caminho), Terra Verde (Editora Cone Sul), A Sombra dos Homens e A Corrida do Rinoceronte (Devir). Autor do estudo Ficção Científica, Fantasia e Horror no Brasil: 1875 a 1950 (UFMG).
Contato: rscauso@yahoo.com.br

Helena Gomes
É jornalista, professora universitária e autora dos livros Assassinato na Biblioteca, Lobo Alpha, Código Criatura, Kimaera – Dois mundos e do infantil Nanquim – Memórias de um cachorro, da Pet Terapia, além da saga A Caverna de Cristais. É co-organizadora da antologia Anno Domini – Manuscritos Medievais, da Andross Editora. Expõe suas obras no site http://mundonergal.blogspot.com.
Contato: helena@andross.com.br


16h00min : LEITURA DRAMÁTICA DE CONTOS DO LIVRO DIMENSÕES.BR

Intérprete:

Cristiana Gimenes
Formada em Artes Cênicas pela Unicamp, é contadora de histórias e faz parte da Cia Em Cena Ser. Recentemente compôs o espetáculo Histórias de Terror de Edgar Allan Poe (O Sepultamento Prematuro e O Poço e o Pêndulo). Recebeu menção honrosa no concurso Feminina Dramaturgia 2007, promovido pelo Núcleo 184 com o apoio do Programa Municipal de Fomento ao Teatro, com o texto infantil inédito O Enigma da Família Astolfo. É co-autora e adaptadora de diversos espetáculos, contações e intervenções desenvolvidas pelos grupos de teatro com os quais trabalhou. Contato: cristiana@andross.com.br

Sinopse: Cinco contos publicados no livro Dimensões.BR serão interpretados no palco por Cristiana Gimenes.



17h00min : LANÇAMENTO DO LIVRO DIMENSÕES.BR
Sinopse: Em coquetel promovido pela Andross Editora, os autores do livro DIMENSÕES.BR se disponibilizarão para dedicatórias aos convidados.

domingo, 27 de setembro de 2009

Alive in Joburg



Em 2005, o diretor de cinema Neill Blomkamp lançava um curta chamado Alive in Joburg.

O sucesso de crítica e junto ao público, favoreceu ao diretor conseguir um contrato (Sony Pictures) e verba necessária para dirigir o badalado longa District 9, uma clara metáfora ao racismo, utilizando de elementos da Ficção Científica.

Não foi a única incursão de Neill no gênero. No ano seguinte ele filmaria um curta, Tempbot, uma análise sensível em imagens, sobre a relação amorosa entre um estágiário robô e uma colega de escritório

Neill, que nasceu na África do Sul, é documentarista e possui na sua carreira, trabalhos de boa repercussão em festivais, sempre explorando as diferenças, os contrastes entre raças (alienígenas e humanos, negros e brancos), ou de poder (ricos e pobres, patrões e empregados) ou mesmo na mescla de foto-realismo e imagens computadorizadas.

A história de Alive in Joburg se passa nos anos 90 em Johannesburg, lar para refugiados extraterrestres cujas naves imensas (mais de um quilômetro de diâmetro) pairam sobre a cidade.

Ao chegarem em nosso planeta, os visitantes foram bem recebidos e foi permitido que eles (usando bio-trajes) vivessem entre as pessoas. No entanto, pouco a pouco, os extraterrestres foram levados para outras partes da cidade, começaram a cometer crimes para sobreviver e frequentemente acabavam entrando em choque com a polícia.

Em tom de documentário (especialidade do diretor), o filme mostra através de flashes jornalísticos e cenas de rua no estilo câmera-na-mão, a tensão crescente entre humanos e visitantes, principalmente quando se descobre que uma das naves está roubando energia da cidade.

Fica evidente, através das entrevistas, que os visitantes trabalham em sua maioria, quase como escravos e que foram forçados a viver sob péssimas condições. Como o Apartheid ainda existia, os visitantes vivem entre a população negra oprimida.

Uma bela fábula-filme que nos convida a refletir, além de um apelo à compaixão.





Murray Leinster


William Fitzgerald Jenkins (16 de Julho de 1896 - 8 de Junho de 1975) nasceu em Norfolk, Virgínia (EUA).

William serviu durante as duas guerras mundiais no Comitê de Informação do Exército, mas foi ao final da primeira que ele se tornou escritor free-lancer, adotando o pseudônimo.

Os primeiros trabalhos de Leinster apareceram em revistas populares, como Weird Tales e posteriormente tornou-se um nome constante na Astounding Stories, já nos anos 30.
Escreveu também com outros pseudônimos, como Will Fitzgerald e Will F. Jenkins.

Leinster foi um escritor prolífico, de prosa fácil e admirado por sua versatilidade, escrevendo em diversoss gêneros, como western, mistério e terror, mas foi com a Ficção Científica, que ganhou fama.

Leinster escreveu e publicou mais de 1.500 contos e artigos ao longo de sua carreira. Escreveu roteiro para mais de dez filmes e diversas peças para rádio e séries de televisão, incluindo Land of the Giants (Terra de Gigantes) e Time Tunnel (O Túnel do Tempo).

Suas ideias influenciaram escritores como Isaac Asimov.

É creditado a Leinster a popularização do tema 'universos paralelos'.
Quatro anos antes de 'The Legion of Time', de Jack Williamson, Leinster escrevera 'Sidewise in Time', publicado pela primeira vez em 1934, na Astounding Stories. Esta foi provavelmente, a primeira vez que o estranho conceito de mundos alternativos foi explorado pela Ficção Científica.

No conto 'A logic called Joe' de 1946, Leinster descreve o primeiro computador pessoal.

No ano 2000 os herdeiros de Leinster processaram os Estúdios Paramount por considerarem que o filme Star Trek:First Contact se utilizava do título 'First Contact', um dos contos mais conhecidos de Murray Leinster. A corte americana negou o direito sobre a expressão, considerando que, apesar de Leinster ter sido o primeiro a usar este termo, ele se tornara um termo genérico dentro da FC, para descrever o primeiro encontro do homem com espécies alienígenas.


Murray Leinster (Ataque desde la cuarta dimension, Four from planet Five, El doctor de las estrellas, El planeta disierto, Guerra a los Djinns, Inspector Colonial, Proxima Centauri, Nobody saw the Ship, Space Plataform, Operacion terror, Punto del control Lambda, A logic named Joe, Get off my world, Keyhole, Pipeline to Pluto, Symbiosis, The duplicators, The ethical equations, The fourth dimensional demonstration, The lonely planet, The mad planet, The pirates of Zan, The wailing asteroid, Tallen three, Exploration team, First Contact, From beyond the stars, Invaders of Space, Med Ship, Morale, Nightmare planet, Planet of sand, Planets of adventure, Propagandist, Second Landing, Sidewise in Time, Space tug, The Aliens, The best of Murray Leinster, The boomerang Circuit, The Corianis disaster, The gadge had a ghost, The Mole pirate, The mutant weapon, The nameless something, The fifth dimensional catapult, Time Tunnel ) [ Download ]

sábado, 26 de setembro de 2009

Stalker (A máquina dos desejos) - Parte 3 de 6


TERCEIRA PARTE


O Stalker abre os olhos.
Permanece deitado por um pouco, ouvindo com atenção.
Logo se levanta e sai da sombra e para junto ao Professor e ao Escritor que estão dormindo. Os examina com cuidado, primeiro um e depois o outro. Sua expressão é concentrada e parece medir-los, finalmente mordendo o lábio inferior, ordena em voz baixa:
- De pé!

A estreita ravina entre as colinas está cheia de um liquido viscoso e turvo.
Seguem por um terreno pantanoso e podre. Sobre a superficie da água vê-se uma névoa repulsiva. O Stalker vai à frente com o Escritor e o Professor ao final. Respiram com dificuldade, vê-se que estão exaustos.

Derrepente o Stalker para como se tivesse tropeçado em um obstáculo invisível. Parece preso ao chão e move a cabeça cheirando o ar.
O Escritor se detém ao lado e apoia-se num bastão, percebe algo errado.
- O que se passa? Pergunta.
- Silêncio! Disse com a voz baixa o Stalker

Faz um movimento como se fosse andar, mas está imóvel no mesmo lugar. Mete a mão no bolsinho e puxa uma arruela, vai lançá-la mas não se decide. A arruela cai ao chão. Seu rosto lívido está banhado de suor.

- Se não for isso... sussurra.
Retrocede abrindo os braços. Depois sem olhar, pega o bastão do Escritor e o afunda ao pântano junto ao seu pé.
- Por aqui será mais seguro... venham, sigam-me!
Avançam com cuidado, afundando até os joelhos quase.
- Pra que? Pergunta o Escritor aborrecido e cansado.
O Stalker não responde, tateando o caminho com a vara, ele vai se afastando da parte seca.

Em meio à névoa, com água na cintura, caminham com dificuldade, caindo e se levantando, submergindo e voltando à tona cuspindo e tossindo. Não podem parar, pois o pântano os engoliria.

Subitamente o Professor afunda até a altura do pescoço, se esforça para sair, mas não consegue.
- Socorro! Grita com suas últimas forças.
O Stalker se vira. Seu semblante reflete sincero horror.
- Aonde pensa que vai? Grita com a voz rouca e avança para o Professor – A mochila! A mochila!
O Professor faz um movimento com a cabeça ainda na superfície.
- O bastão! Dê-me o bastão! Grita afônico.
-Tire a mochila!
- Largue da mochila, seu idiota! Grita o Escritor igualmente impotente preso ao pântano.
- O bas... - a cabeça do Professor afunda e reaparece e ele ruge – Me dá o bastão seu imbecil!
Tenta agarrar-se ao bastão estendido e falha, por fim o encontra e o segura com as duas mãos.
É então puxado para a parte seca.

- Você ia direto pro fundo, feito uma pedra, grita com ele o Stalker – E me levaria com você.
O Escritor havia sido deixado sozinho, arrastando-se pelo pântano, sem largar a mochila.
- Não devia ter nos metido ali, argumenta o Professor.
- A você não importa onde decido meter-nos.
- Pois a mochila também pouco te importa!
- O que leva dentro dela? Um tesouro? Levantou a voz o escritor, mas o Professor fingiu não o ouvir.
- Parece mentira! Estávamos indo por um caminho plano e seco, e derrepente você cisma em nos enfiar nesta... latrina!
- O olfato me disse que deveríamos fazê-lo... entende? O olfato!
- Que olfato!
- Quatro olhos imbecil! O Stalker bate em seus joelhos e pedaços de barro seco caem.
- Meus olhos não são da sua conta! E basta! Uma besteira atrás da outra...
- Não é besteira! Eu devia te bater com este cajado! Me dá a garrafa… por causa de calças secas esteve a ponto de ir para outro mundo.
- Que calças? Perguntou o Escritor.
- Não é o que ele leva na mochila? Ou seria comida?
- O que levo na mochila não importa! Eu não podia me libertar, não podia! Teria me afogado antes de largar a mochila, maldito seja!
- Bom, já basta! O Stalker se levantou e tomando a frente, escrutinou o caminho – Onde viemos parar? Não conheço este lugar! Por que o canalha do Raposa não assinalou nada sobre este pântano... e tem algo ali... claro, pode ser que tenha aparecido depois dele...
- A propósito – deixou ouvir sua voz o Professor – O Raposa foi o único que chegou ao tal lugar?
- Não conheço outros.
- E quem tentou e não chegou lá? Perguntou de pronto o Escritor.
- Sei de alguns. Eu também não cheguei.
- E para que tentaram? Perguntou o Professor.
- Cada qual tinha seu sonho... Dinheiro principalmente, claro. Acha que não sei por que você está aqui? Quer que eu diga? Não te admitiram na expedição científica e você está aqui para provar que foi um equivoco! Quer resolver assuntos pessoais e fazer alguma descoberta que os deixe de queixo caídos. Que digam: Olha, o nosso Professor é realmente um homem importante! Vamos lhe dar um prêmio Nobel.
- Está bem... e você?
O Stalker calou-se contrariado.
- Tenho meus motivos... familiares.
- Como o Raposa? Perguntou baixinho o Professor.

O Stalker se virou bruscamente e o encarou, mas o Professor tinha os olhos cerrados, os braços cruzados sobre o peito.
- Não me compare com ele! Disse o Stalker em tom ameaçador – Você não o conhece, nunca o viu e nem me conhece. Não há como comparar.
- Não sabe de nada, disse o Professor sem abrir os olhos.
- Deixe-o, está bem – disse irritado o Escritor –...fique com seu ‘não sabe nada de nada’. Não sabe nem o que é o binômio de Newton. Motivos familiares... perdeu tudo nas corridas, não tem o que comer em casa, não quer trabalhar por que é um pobretão de nascimento... amigo das biritas e das cartas... e das mulheres, claro, um mendigo e uma bruxa pedindo dinheiro... e com um monte de filhos, uns bandidos que não saem da carceragem... 'não sabe nada de nada'...

Durante todo o discurso o Stalker ficara ruborizado, tentando dizer algo e interrompê-lo, mas sem poder. E quando o Escritor se calou então disse:
- Você... como pode falar assim de mim? O que sabe? Você é um escritor vagabundo e vendido à melhor oferta... deveria escrever nas paredes de banheiros, seu aproveitador... e da minha filha, o que você sabe? Nasceu inválida, sabe disso? É apenas uma criaturinha, mas a fazem sofrer porque é cega e anda com muletas! Tudo que eu trouxe da Zona gastei com médicos, que nunca prometeram cura alguma. Professores tão bons! Como você! Para que falar com você, imbecil!

Levantou-se bruscamente e saiu dali desaparecendo na névoa.

- Não devia ter dito isso – disse o Professor.
- Por quê? Me diga por quê? Tudo que ele disse foi mentira. Acabou de inventar!
- Não mesmo. Eu o conheço faz tempo. Sua biografia é de meter medo. Começou como Stalker ainda cedo, esteve várias vezes na prisão e só se deu mal na vida. E a sua filha é mesmo uma mutante, uma vitima da Zona, como dizem os jornais. Faz tempo que trabalhou no instituto, então...
- De todo jeito ele mente. Não se trata da filha. Falou da filha pela primeira vez. Mas os marginalizados não gostam de ser chamados assim. Precisam de ajuda, que lhes dêem de bandeja nobres sentimentos... o patrão diante do coitado, o trata com benevolência, mas volta para casa com um saco de dinheiro...
Faz uma pausa.

O Professor sorri sarcasticamente.
- Que volte com migalhas, mas já é uma fortuna. Que volte vivo, sorte dele. Que o alcance uma bala da patrulha, azar o dele. E tudo o destino...
- Que sabedoria desanimadora é essa?
- Folclore local. Você esquece sempre que estamos na Zona. Na Zona não se pode fazer movimentos bruscos, nem soltar expressões ásperas.
- Perdão, mas não gosto quando enchem de filosofia aquilo que é o mais elementar possível.
- Bom... mas você gosta de alguma coisa... de uma maneira geral?
- Gostava de escrever, mas agora não gosto de nada.
- Você nunca pensou no que vai acontecer com todas as pessoas que acreditam neste lugar para o qual estamos indo? Perguntou o Professor.
- Muitos acreditam que ele existe, mas como chegarão até lá?
- Chegarão meu amigo, chegarão. Um entre cada mil consegue chegar. Por que o raposa chegou... e o raposa não é o pior. Tem outros. Não precisam de ouro, nem tem assuntos familiares para tratar. Donos do mundo, meu caro! Rechaçaram o mundo inteiro à sua vontade, todos frustrados imperadores da Terra, grandes inquisidores, Fuhrers de todo o tipo, benfeitores e simpatizantes... Já pensou nisso?
- Francamente não, respondeu o Escritor.
- Pois pense. Estou inclinado a pensar nas histórias assustadoras que ocorrerão. Nas boas não, mas nas assustadoras sim...
O Escritor torceu a boca e olhou firme o Professor.
- Apesar de tudo você não compreende estas pessoas – disse ao fim – mais uma vez os filósofos de plantão. Claro, é possível que consigam refazer o mundo inteiro, mas na realidade não se importam com o mundo, tudo o que quer são as mulheres, aguardente e quanto mais dinheiro melhor... porque lhes falta imaginação Professor! Ou em último caso, desejarão que um automóvel atropele seu chefe. Compreende de onde saem todos estes Fuhrers? Mesmo que não goste de mulheres, ou não se importe com os críticos, ou tenha um bafo horroroso, você professor, vai se convencer disso quando chegar ao local, por que eu te conheço muito bem. Tem escrito na sua cara que pensa em fazer um bem monstruoso para toda a humanidade. Outro em meu lugar ficaria assustado com isso. Mas eu... vê? Estou tranquilo.
- Parece tranquilo – disse o professor – Sim. Você nos analisa com sua própria régua. Não sei se você seria um bom político ou sociólogo... Mas e você?
- Não se meta em meus assuntos. Para mim o mundo de vocês não vale um peido. Do mundo de vocês só me interessa um homem, este aqui – o Escritor aponta com o dedo para o próprio peito – Este homem não é o máximo? Está muito bem neste mundo, apesar de tudo tem assentado tijolos de ouro...
- Ouça – disse o Professor – Não se engane. Você mesmo disse que estava indo para lá em busca de inspiração, em busca de beleza e tranquilidade...
- Mas quando 'aquilo' souber quem eu sou, terei tranquilidade, inspiração e beleza...
- E se entender que você é uma porcaria? E se entender que você não só não fez bom uso de seus tijolinhos de ouro, mas que os roubou de outros? Que bela tranquilidade!
- Isso, meu querido Einstein, não é problema seu. Dedique-se por favor à salvar a sua humanidade, mas sem contar comigo.
- Sim, sim, eu compreendo. O que me preocupa é outra coisa. A mim me parece que você simplesmente quer que todos te deixem em paz, se possível para sempre.
- Palavras sábias.
- Todos e, portanto, você também – disse o Professor – por este motivo eu te peço que pense bem no porquê você está indo até aquele lugar. Pense bem! Por que existem milhares de milhões de seres que não tem culpa alguma por você ser um merda!

O Stalker volta.
- Chega de descansar! Andando!


FIM DA TERCEIRA PARTE

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

O Grimoire dos Vampiros



Eles querem seu sangue... E eles o terão...

Séculos de existência trouxeram mudanças, caminhos alternativos, pintaram o cenário para novas experiências... Mas no final tudo se resume a um único fato: sede! Inexorável e maldita, cortante e sufocante. Contra ela nem toda a força e invencibilidade faz diferença. A racionalidade se perde, o controle se esvai como areia fina entre dedos mortos... Apenas o instinto impera soberano e ditador. E os dentes brilham ao luar em satisfação antecipada.

Será uma questão de tempo até que eles alcancem você. E um único gesto selará seu destino: o momento em que abrir a primeira página deste grimoire sangrento. Inevitável como o dia e a noite, seres de olhos penetrantes o cercarão, ávidos para tocá-lo, ansiosos para sentir a pele, inebriados pelo cheiro... Famintos por seu sangue! Amores, paixões, desejos, bestialidade, violência e muito sangue escorrem das folhas desse tomo sobrenatural. São cinquenta histórias que o perseguirão desde a primeira leitura, cinquenta diferentes tipos de maldições postas sobre suas costas. Cinquenta tentativas de alcançar a jugular do leitor distraído ao menor sinal!

Arme-se com sua cruz, banhe-se na água benta e cerque-se pelo alho antes de abrir esse livro. Mas lembre-se: aqui você não enfrentará o conhecido. Não há certezas, ou garantias, de nada...



O Grimoire dos Vampiros. Antologia de contos vampirescos que a Editora Folha da Baixada está organizando para oferecer ao leitor. E a Editora tem a honra de convidar você, escritor parceiro, a participar de mais essa jornada, rumo ao fascinante mundo das criaturas sobrenaturais mais sensuais e intrigantes da história da humanidade.

Atreva-se a encarar esse desafio, afie seus dedos e escreva seu conto.

A eternidade o aguarda em nossas páginas.

EDITORA FOLHA DA BAIXADA


Organização da Antologia: Georgette Silen
Contatos: grimoiredosvampiros@gmail.com

Modern Mechanix


O futuro do passado, é o que você vai encontrar neste blog.

Separados por temas, estão matérias antigas publicadas em revistas americanas, como a Mechanix Illustrated, que durante décadas trouxe em suas páginas, as "últimas maravilhas da ciência e da tecnologia".

'Como será a vida no ano 2008?' ( edição de Novembro de 1968.)

40 anos no futuro


São 8 da manhã. terça-feira, 18 novembro, 2008 e você está indo para uma reunião de negócios distante quase 500 quilômetros.

Você entra em elegante automóvel para dois passageiros sobre almofada de ar, pressiona uma seqüência de botões e o computador de tráfego nacional regista o seu destino, descobre a situação do trânsito atual e os sinais do seu carro, enquanto desliza-o para fora da garagem.

Com as mãos livres, você se senta e começar a ler o jornal da manhã que brilha em uma televisão de tela plana sobre o painel do carro. Batendo num botão você muda a página.

O carro acelera a 240 km/h nos subúrbios da cidade então alcança 400 km/h em áreas menos povoadas, deslizando sobre a estrada de plástico liso.

Você passa rápido por uma série de cidades, muitas delas cobertos por cúpulas novas que as mantêm climatizadas o ano todo.

O tráfego é pesado mas não há necessidade de se preocupar. O computador de tráfego que alimenta e recebe sinais de todos os veículos em trânsito entre as cidades, mantém os veículos pelo menos 45 metros distantes. Não houve um acidente desde que o sistema foi inaugurado.

De repente o telefone-tv vibra. Um colega de trabalho quer um esboço de um novo tipo de rotor que sua empresa está lançando para embarcações esportivas. Você desenha o diagrama com um lápis infravermelho fino no que se parece com uma tela de TV. O diagrama é transmitido para uma tela semelhante no escritório do seu colega a 300 Km dali.
Ele aperta um botão e uma cópia do esboço rola para fora do dispositivo. Ele deseja-lhe boa sorte na reunião e assina.


Noventa minutos depois de deixar a sua casa, você deslize por baixo da cúpula da cidade de destino. Desacelera seu carro e vai para um prédio de escritórios, onde você vai encontrar os seus colegas. Depois de sair, o próprio veículo estaciona sozinho em uma garagem municipal conveniente para aguardar o seu retorno. Os automóveis particulares são proibidos dentro da maioria das cidades. Calçadas rolantes e trens elétricos levam o público de um local para outro.

Com a população dos EUA tendo subido para 350 milhões em 2008, o transporte é um dos fatores mais importantes para manter a economia funcionando sem problemas. Gigantescos pontos de distribuição de transporte, chamados modemixers, estão localizadas de 15 a 50 quilômetros fora dos principais centros urbanos. Trens de metrô empurrados por meio de ar comprimido, fazem a viagem entre modemixer e o centro da cidade de 10 a 15 minutos.

Uma característica importante da maioria dos modemixers é a rampa de lançamento a partir do qual foguetes para 200 passageiros decolam para outros continentes. Para viajantes não tão abastados, há os SST, aviões hipersônicos que transportam 200 a 300 passageiros a velocidades de até 6.500 km/h. Viagens curtas entre cidades a menos de 2.000 km são feitas por jumbo-jets mais lentos.


As habitações na sua maior parte são montadas a partir de módulos pré-fabricados, que podem ser adaptados a uma configuração que melhor se adapte a necessidade do dono da casa. Depois que a fundação está feita, são anexos os módulos que compõem um ou dois ou três quartos da casa, um trabalho que não leva mais do de um dia. Essas casas modulares facilmente pode ser expandidas para acomodar uma família em crescimento. Um presente de casamento para os noivos, típico do século 21, é um quarto totalmente equipado, cozinha ou sala de estar.

Outras conveniências acompanham a cozinha. A dona de casa simplesmente determina antecipadamente seus menus para a semana, depois coloca as refeições pré-prontas no congelador e deixa o utilitário automático par aaliemntos fazer o resto. No tempo predefinido, cada refeição vai ao forno de microondas e é cozido ou descongelado. A refeição em seguida é servida em pratos de plástico descartáveis. Os pratos assim como facas, garfos e colheres do mesmo material, são tão baratos que podem ser descartados após o uso.
As casas dos anos 80 praticamente se auto-mantêm. Precipitadores eletrostáticos limpam o ar e climatizadores mantem a temperatura e umidade em ótimos níveis. Os robôs estão disponíveis para fazer serviços domésticos e outras tarefas simples. Novos materiais para revestimento de interiores são auto-limpantes, nunca descascam ou se partem.

O item mais importante da casa em 2008 é o computador. Estes cérebros eletrônicos regulam tudo, desde a preparação da refeição, acordar as pessoas da casa, montar listas de compras e manter controle do saldo bancário. Sensores em equipamentos de cozinha, unidades de climatização, comunicadores, alimentação e outras utilidades domésticas, avisam o computador quando o item irá provavelmente falhar. Um homem responsável pelo reparo irá aparecer antes mesmo de qualquer aparelho deixar de funcionar.

Os computadores também processam reservas de viagens, mensagens de telefone, mantem o controle de aniversários, calculam impostos e até mesmo a fatura mensal de eletricidade, água, telefone e outros. Nem toda família tem seu computador particular. Muitas famílias fazem uso de um computador regional na cidade para suas necessidades. A máquina registra os seus serviços e apresenta uma conta, tal como acontece com outros utilitários.


O dinheiro ainda existe mas desapareceu de vista.
Empregadores depositam os salários diretamente nas contas de seus funcionários. Cartões de crédito são utilizados para pagar todas as contas. Cada vez que você comprar algo, o número do cartão é registrado no computador da loja. Um computador mestre então deduz a o valor da compra de seu saldo bancário.

Computadores não só mantêm o controle do dinheiro, eles fazem também que gastá-lo seja mais fácil. Compras pelo telefone-tv são comuns. Para comprar, basta pressionar o código de um shopping center gigante. Você aperta outra combinação para o departamento e a mercadoria na qual você está interessado. Quando você vê o que você quer, você aperta um número que significa "comprar", e o computador doméstico assume, emite o pedido, passa o endereço de residência e subtrai o preço de compra do seu saldo bancário. Grande parte das compras da família é feita desta forma. Em vez de ser empurrado numa multidão, os clientes eletronicamente tem acesso a mercadoria de qualquer número de lojas.



As pessoas têm mais tempo para atividades de lazer no ano de 2008. A jornada de trabalho média é de cerca de quatro horas. Mas a hora extra não é totalmente livre. O ritmo do avanço tecnológico é tal que uma certa quantidade de tempo livre, é usado em manter-se atualizado, em média, cerca de duas horas de estudo em casa por dia.

A maior parte deste estudo está na forma de cursos por TV, que podem ser alugados ou emprestados de bibliotecas de fitas. Na verdade a maioria dos estudos, a partir de primeiro grau até a faculdade, consiste em cursos ou palestras por TV, via circuito fechado. Estudantes visitam campus uma vez ou duas vezes por semana para consultas pessoais ou para o trabalho de laboratório que tem que ser feito no local. O progresso de cada aluno é acompanhado por computador, que atribuem datas para as provas dadas ao longo do tempo.

Além de aulas escolares, outros materiais didáticos estão disponíveis para se ver pela televisão. Basta pressionar uma combinação de botões e as páginas surgem na sua tela inicial. A informação do mundo está disponível para você quase que instantaneamente.

As telas de TV cobrem uma parede inteira na maioria das casas e em cor e três dimensões. Além da programação da TV a a multiplicidade das opções comerciais, você pode ver shows da Broadway, filmes de sucesso e musicais pelo preço da atração.Os livros mais vendidos estão em fita de TV e podem ser emprestados ou alugados em bibliotecas de fita.


Umas férias típicas em 2008, é passar uma semana em um resort submarino, onde a janela do quarto de hotel tem vista para um recife tropical subaquático, um navio naufragado ou uma cidade antiga escavada no fundo do mar. Disponível para os clientes estão os submarinos para duas ou três pessoas, em que você pode cruzar por trilhas bem demarcadas debaixo d'água.

Outra opção para as férias é uma estadia em um satélite hotel. O passeio de foguete de ida e volta ao satélite, mais a vista da Terra e da Lua, compõe um passeio de férias memorável.

Enquanto a vida da cidade em 2008 mudou muito, a da fazenda mudou ainda mais.
Os agricultores se tornaram executivos de negócios executando operações como nas fábricas automatizadas. TV-scanners monitororam tratores e outros equipamentos informatizados, programados para o arar, semear e colher. Fios embutidos no chão enviam sinais de controle para as máquinas. Os computadores também acompanhar o rendimento, fertilização, composição do solo e outros fatores que influenciam as culturas. No início de cada ano, um impresso diz ao agricultor oque plantar, onde, quanto deve fertilizar e qual o rendimento que ele pode esperar.

A agricultura não se limita à terra. marinoculturistas transformaram áreas do mar em leitos de algas marinhas ricas em proteínas. Essa matéria-prima é transformada em alimento que parece e tem gosto de bife e outras carnes. Ele também é barato, e as famílias podem ter bife para as refeições, duas vezes por dia, sem sentir um aperto no orçamento. Áreas em baías ou perto da costa foram transformadas em fazendas de camarão, lagosta, mariscos e outras culturas, como era feito com o gado antigamente.



A investigação médica garantiu que a maioria dos bebês nascidos no século 21 vai viver vidas longas e saudáveis. Doenças cardíacas foram praticamente eliminadas pelo uso de drogas e dieta. Se o coração ou outros órgãos importantes dão problemas, eles podem ser substituídos por órgãos artificiais.

Os exames médicos são uma questão de sentar em uma cadeira de diagnóstico por um minuto ou dois e depois receber um relatório da saúde integral. Microfones ultra-sensíveis e sensores eletrônicos no encosto de cabeça, a cadeira de braços captura batimentos cardíacos, pulso, freqüência respiratória, resposta galvânica da pele, pressão arterial, reflexos nervosos e outros sinais médicos. Um computador ligado à cadeira digere estas respostas, comparando-as com o padrão normal e imprime um relatório médico completo.

Não precisa se preocupar com a falta de memória ou de inteligência também. A pílula de inteligência é outra comodidade do século 21. Para alunos lentos ou pessoas atingidas com o esquecimento, são dados comprimidos que aumentam a produção de enzimas que controlam a produção de substâncias químicas conhecidas por controlar a aprendizagem e a memória.
Assim todo mundo é capaz de usar seu potencial mental plenamente.

Apesar do fato de que o ano de 2008 está apenas 40 anos à frente, "tanto à frente como 1928 esteve", será um mundo tão estranho para nós, como o nosso tempo (1968) seria para os peregrinos.
Por James R. Berry


Modern Mechanix blog

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Da Terra à Lua - Jules Verne


Durante muito tempo, Barbicane e os companheiros olharam, mudos e pensativos, aquele mundo que apenas tinham visto de longe, como Moisés a terra de Canaã, e de que se afastavam definitivamente.

A posição do projétil em relação à Lua modificara-se. A sua base estava nesse momento voltada para a Terra.

Ao verificar tal alteração, Barbicane não deixou de surpreender-se. Se o projétil devia gravitar à volta do satélite, seguindo uma órbita elíptica, por que razão não lhe apresentava a parte mais pesada, como faz, a Lua em face da Terra? Havia algo de obscuro nisto.

Pela simples observação da marcha do projétil, podia verificar-se que ele seguia, ao afastar-se da Lua, uma curva idêntica à que havia quando da aproximação. Traçava, portanto, uma elipse muito alongada, que se prolongava provavelmente até o ponto de igual atração, onde se neutralizam as influências da Terra e do seu satélite.

Tal foi a conclusão que Barbicane tirou dos fatos observados, conclusão que, aliás, foi partilhada pelos seus dois amigos.

- E logo choveram as perguntas.

- E chegados a esse ponto morto, que nos acontecerá? - perguntou Michel Ardan.

- Isso é uma incógnita - respondeu Barbicane.

- Mas podem antecipar-se algumas hipóteses, suponho...

- Duas - precisou Barbicane -: ou a velocidade do projétil é insuficiente, e nesse caso ficará eternamente imóvel nessa linha de dupla atração...

- Prefiro a outra, seja qual for - comentou Michel. Velocidade é suficiente - concluiu Barbicane -, e então retomará a rota elícita, e gravitará eternamente à volta do astro da noite.

- Alternativa pouco consoladora - opinou Michel.

- Passar ao estado de humildes servidores de uma Lua que estamos habituados a considerar como nossa serva. Eis o futuro que nos espera.

Barbicane e Nicoles nada disseram.

- Ali! calam-se? - continuou o impaciente Michel.

- Mas se não há nada a dizer... - justificou-se Nicoles.

- E não haverá nada a tentar?

- Nada - respondeu Barbicane. - Ou pretendes lutar contra o impossível?

- E por que não? Um francês e dois americanos hão de recuar diante de semelhante palavra?

- Mas que queres fazer ?

- Dominar este movimento que nos arrasta!

- Dominá-lo?

- Sim - insistiu Michel, entusiasmando-se.

- Travá-lo, modificá-lo, usá-lo, enfim, de maneira a realizarmos os nossos projetos.

- E como?

- 0 problema é vosso! Os artilheiros que não são senhores dos seus projéteis não são artilheiros. Se é o projétil que manda no artilheiro, o melhor é que o artilheiro se meta dentro do canhão lugar do projétil. Belos sábios, sim, senhor. Ei-los que não sabem o que há de fazer depois de me terem induzido...

- Induzido - exclamaram Barbicane e Nicoles. - Induzido!

- Que queres dizer?

- Nada de recriminações! - avisou Michel. Eu não me queixo! Mas, por favor, façamos tudo o que for humanamente possível para cairmos em qualquer lugar, já que não o podemos fazer na
Lua!

- Mas nós também não queremos outra coisa, meu caro Michel - replicou Barbicane. - Só que não temos meios.

- Não podemos modificar o movimento do projétil?

- Não.

- Nem diminuir-lhe a velocidade?

- Não.

- Nem mesmo aliviando-o, como se alivia um navio com excesso de carga?

- Que queres alijar? - perguntou por sua vez Nicoles. - Não temos lastro a bordo. E, de resto,
parece-me que, se aliviássemos o projétil, a velocidade aumentaria.

- Diminuiria - insistiu Michel.

- Aumentaria - teimou Nicoles.

- Nem diminuiria nem aumentaria - asseverou Barbicane, pondo fim à disputa dos dois amigos -, porque flutuamos no vácuo, onde o peso específico não conta. Sendo assim - exclamou resolutamente Michel Ardan -, só há uma coisa a fazer.

- O quê? - quis saber Nicoles.

- Almoçar! - respondeu o imperturbável e audacioso francês, que propunha sempre esta solução quando se apresentavam as mais difíceis conjunturas.



Da Terra à Lua - Jules Verne [ Download ]

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Buck Rogers Giant Movie Edition (1979)



Buck Rogers Giant Movie Edition (1979) [ Download ]

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Science Fiction and Fantasy Artists of the Twentieth Century


Table of Contents
Preface
How to Use This Book
Abbreviations

PART I. A CENTURY OF SCIENCE FICTION ART
Historical Overview, to About 1975
(by Robert Weinberg)
Historical Overview, from the 1970s to 2000
(by Jane Frank)

PART II. THE BIOGRAPHIES

PART III. APPENDICES: ART AWARDS
1. The Hugo Awards
2. The World Fantasy Awards
3. The Chesleys
4. The British Science Fiction Association Awards
5. The British Fantasy Awards
Index


Science Fiction and Fantasy Artists of the Twentieth Century
A Biographical Dictionary - Jane Frank [ Download ]

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

domingo, 20 de setembro de 2009

Uma avalanche de invenções - Entrevista com Walter Jon Williams




Walter Jon Williams vive no Novo México,e é autor de mais de 20 livros.

Ele acumula indicações para prêmios Nebula, Hugo e Philip K. Dick, embora não tenha sido ainda honrado com um. Seu estilo é influenciado pelo trabalho de Roger Zelazny, pela sua hábil mistura de ficção científica tradicional e fantasia contemporânea.

***

Pergunta: Muitos fãs e críticos concordam que ciberpunk revitalizou a FC durante a década de 1980, mas você acha que isso ainda tem qualquer relevância hoje?

WJW: Acho que o ciberpunk evoluiu. As pessoas tinham a idéia em um certo ponto, que o ciberpunk era sobre computadores e distopia, mas acho que o ciberpunk foi uma série de estratégias para se pensar o futuro. Mostrou um futuro pós-capitalista saturado pela midia, em que as mudanças tecnológicas vieram através de todos os níveis da sociedade numa velocidade vertiginosa. Uma vez que este é o futuro que realmente temos hoje, não posso ver que ciberpunk possa ser menos relevante do que é agora.


P: Seu romance de 1989, Solip:System está sendo republicado como parte da nova coleção Frankensteins And Foreign Devils. Quão importante é Solip:System como elo entre seus romances Hardwired e Voice of the Whirlwind?

WJW: Infelizmente isto nos leva lamentavelmente para uma questão mundana, de como Voice Of The Whirlwind teve que ser uma sequência de Hardwired. Em primeiro lugar ela foi originalmente escrita como um romance isolado, mas minha editora me perguntou se eu poderia fazer uma sequência. E eu perguntei por quê? Sequências vendem melhor, ela disse.

Isto parecia ser uma razão moralmente justificável para fazer algumas mudanças cosméticas e transformar o romance em uma sequência, mas nunca explicou como um futuro evoluiu para o outro. Depois eu comecei a pensar como é que a mudança ocorreria e Solip:System surgiu.

Então, para retornar, após esta longa digressão à sua pergunta, Solip:System é um recurso valioso se você realmente se importa com o mundo da Hardwired. E se você não se importa, bem, deve ler de qualquer maneira, porque eu acho que é bastante provocante.


P: Seu trabalho ciberpunk é caracterizado por um turbilhão de idéias que às vezes corre o risco de sobrecarregar o enredo. Você se preocupa com este grau extremo de criatividade?

WJW: Leitores de ficção científica provavelmente têm o gene para a novidade, e parecem gostar de uma avalanche de invenções, tanto quanto um escritor gosta de fazê-lo. De qualquer forma, ninguém nunca me disse que meu problema é que tenho ideias demais.


P: A space-opera se apropriou de elementos marítimos para extrapolar aventuras no espaço, apesar da maioria dos astronautas pertencer a Força Aérea, e não a Marinha. Como um escritor de 'ficção náutica' com um dom para a línguagem, porque você acha que esta curiosidade aconteceu com a FC, e porque os termos navais ainda são usados hoje em dia?

WJW: O modelo 'Air Force' funciona bem para caças de batalha de um único assento, ou pequenas tripulações de transporte ou bombardeiros, mas quando você tem uma nave espacial, de verdade, com uma tripulação de 300 ou 1.000 pessoas, sua mente naturalmente começa a olhar para o modelo da vida real, para esse tipo de coisa, e isso é a Marinha. Além disso a Marinha tem o conjunto inteiro pronto, tradição, valores, belos uniformes, e o vocabulário perfeito para as peças do navio que, quando implementado por um autor, faz parecer que ele sabe o que está falando.

Gostaria de salientar que eu tentei excluir o que pude disto em Praxis. Porque eu não podia pensar em nenhuma razão para que uma raça de conquistadores alienígenas devessem incorporar as tradições da Marinha Real. Mas o idioma naval é tão intenso que muito dele se entranhou no livro, apesar dos meus esforços.


P: As características de Praxis são emocionantes, batalhas espaciais na velocidade sub-luz usando mísseis guiados. Como você planeja essas batalhas? Será que a matemática e a física envolvidas (em cálculos de aceleração e desaceleração) sempre causam problemas na história?

WJW: Tenho mapas. Tenho gráficos mostrando quanto tempo leva para acelerar de x para y. Tenho páginas rabiscadas de cálculos. Eu conheço peritos que posso chamar de amigos, que fazem ciência muito melhor do que eu jamais poderia. E sim, apesar de tudo isso, a maldita física fica no caminho da história.

Na metade de Praxis comecei a ver porque praticamente todo mundo que escreve esse tipo de coisa, invoca uma coisa chamada Drive Inertialess. Passei muitas horas sonhando com o Drive Inertialess. Depois de um tempo a unidade Inertialess começou a parecer muito erótica. Eu ansiava com todo o meu ser por uma unidade Inertialess. Mas então eu voltei para a danada da física, e fiz o que me disseram para fazer.


P: Sua história, Elegy For Angels And Dogs foi uma seqüência de The Graveyard Heart de Roger Zelazny, e seus romances Knight e Aristoi têm sido descritos como 'Zelaznyesque'. O que o atraiu para o trabalho de Zelazny, e quais são suas outras influências literárias?

WJW: Eu cresci lendo a New Wave dos anos 60, Zelazny e Delany e Le Guin e Moorcock e Russ e Disch. Acho que Roger se destacou por sua voz única, coloquial e norte-americano, ele era um poeta que sabia quando não usar palavras. Sem dúvida, eu absorvi boa parte disso lendo-o. Eu não tinha a intenção de que meu trabalho fosse ser especificamente Zelaznyesque, mas duvido que eu algum dia vou me cansar de elogiá-lo.


P: Seu livro Metropolitan apresenta-nos a uma explicação aparentemente racional para a magia, explorando a ideia da fantasia em termos de ficção científica, com grande convicção e plausibilidade. Você acha que os rótulos podem ser ofensivos, especialmente se são aplicados aos seus livros?

WJW: Rótulos são úteis apenas na medida em que o ajuda a encontrar uma audiência. Nos demais casos, não são ofensivos, mas sim opressivos, uma advertência constante que deve ficar dentro das linhas. Metropolitana e City On Fire foi um esforço para me livrar desta coisa de gêneros, de uma maneira diferente. Tanto quanto eu posso ver, a maioria das pessoas os lê como FC e não percebe isso.


P: Quão importante são os temas de horror (real ou imaginário) para a FC e a Fantasia?

WJW: O horror não funciona comigo. Eu não tenho medo de lobisomens ou vampiros ou hotéis assombrados, eu estou com medo do que seres humanos reais podem fazer com outros seres humanos reais. A FC absorve todas as influências literárias, e absorve o horror também, e produziu algumas histórias absolutamente arrepiantes ao longo dos anos, Darker than you think de Jack Williamson, Sandking de George RR Martin. Quando eu me exponho a fazer horror, como em Erogenoscape ou Solip:System, foram histórias que me arrastaram para lá e todas se encaixam na categoria "seres humanos contra outros seres humanos".
Talvez o horror não seja um dos tópicos principais da Ficção Científica, já que uma história de FC na maioria não é de toda terrível, mas ele está lá o tempo todo.


P: Há uma notável pitada de humor irônico em seu trabalho, especialmente no que diz respeito a algumas das suas personagens femininas. Você acha que estas partes hilariantes, são muitas vezes as partes mais fáceis de escrever?

WJW: Muito fácil, eu receio. Eu procuro reprimir minha tendência natural, procuro evitar que todos os diálogos não acabem em piadas.


P: Você cresceu no Reino Unido. Você é um fã da FC britânica? Você tem algum autor favorito não-americano?

WJW: Na verdade eu cresci nos Estados Unidos. Eu estava bem grandinho quando freqüentei a escola na Grã-Bretanha. Cresci lendo FC inglesa, na maioria Moorcock, Roberts, Aldiss, Ballard, Brunner, e pessoas como Sladek e Disch, que se não foram tecnicamente ingleses, certamente pareciam ser britânicos na época. Eu continuo a ler todos estes escritores. Escritores novos como Ken MacLeod e Miéville China são descobertas fantásticas.


P: Como um autor de ficção científica, qual a importância de manter uma presença online, com o seu próprio site e com histórias disponíveis para download e para comprar? É principalmente para a publicidade, ou (para escritores de FC, principalmente) existe um elemento de credibilidade envolvido?

WJW: A credibilidade está nos livros, ou não, e é aí que reside a minha atenção. A Internet oferece uma combinação interessante de publicidade e comunidade - participar de uma comunidade pode tornar-se uma propaganda de si mesmo.

Infelizmente o tempo disponível para a auto-propaganda é inexistente. Eu não sei como é possível escrever e passar horas publicando ensaios longos e participando de bate-papo, e se alguém tem o segredo, eu gostaria que me contasse.


P: O que você pode nos contar sobre seu romance de Star Wars, Way Destiny's? Você achou que trabalham neste meio já estabelecido impediu a sua criatividade, especialmente no que diz respeito à continuidade?

WJW: Eu sabia que este projeto seria um esforço colaborativo, e que eu não ia ter a última palavra. Esta situação não era totalmente estranha para mim, pois eu também já fiz filmes e programas de televisão, e estes são os meios de comunicação em que o escritor tem muito pouco a dizer como as coisas devem ser. Não tenho nenhum problema com essa situação, se as regras são claras.

Apesar de todos os motivos mercenários, no entanto, eu não teria feito o projeto, se não achasse que eu tinha algo a contribuir.


P: Você tem algum conselho para os novos escritores?

WJW: A Grande Rede. Preste atenção ao que os editores lhe dizem. E leia tudo. Um autor de ficção científica que lê apenas FC terá pouco com que contribuir, mas alguém com uma ampla experiência, vai saber tornar o jogo mais interessante.


Entrevistado por Christopher Geary (jan/2003)

Walter Jon Williams


Walter Jon Williams (15 de Outubro de 1953) nasceu em Duluth, Minnesota (EUA).

Jon teve seu nome de escritor no início de carreira, ligado ao subgênero da Ficção Científica conhecido como ciberpunk. Muitos de seus livros exploram este universo, principalmente aquele que o tornou conhecido, Hardwired (uma homenagem a Damnation Alley de Roger Zelazny), além do premiado Voice of the Whirlwind.

Contudo, Walter Jon Williams escreve também outros gêneros, com história alternativa ( Wall, Stone, Craft), Fantasia científica (Metropolitan e City on Fire), thriller de ação (The Rift), aventura história ( Privateers e a série Gentleman) e space-opera (a série Dread Empire).

Site de Walter Jon Williams e blog

Walter Jon Williams (Argonautica, Aristoi, City on Fire, Consequences, Daddy's world, Dead Empire's Fall série, Dinosaurs, Flatline, Hardwire, House of Shards, Implied Spaces, Knight moves, Lethe, Logs, Metropolitan, No spot of ground, Prayers on the wind, Send them flowers, Surfacing, The Bob Dylan Solution, The Crown Jewels, The green Leopard Plague, The last ride of german Freddie, The Tang Dinasty Underwater Pyramid, Videostar, Voice of Whirlwind, Wall, stone, craft, Witness, Wolf time, Woundhealer ) [ Download ]

sábado, 19 de setembro de 2009

Stalker (A máquina dos desejos) - Parte 2 de 6


SEGUNDA PARTE


A neblina se foi.

À esquerda do aterro o horizonte, uma planície acidentada, sem qualquer sinal de vida, mergulhada em sombras verdes. Mas sobre o horizonte, espalhando-se no céu claro, despontava um brilho esmeralda, puro como as cores do arco-íris: a aurora própria da Zona.

E depois a cadeia de montanhas negras sob o sol verde, quebrada em pedaços desiguais.

- Vim até aqui por isso também… disse o Escritor com a voz rouca.
Seu rosto estava verde como o do Professor em silêncio.
- Não olhem para lá, disse o Stalker. Olhem aqui.
O Escritor e o Professor se viram.

À direita do terreno uma planície também acidentada, com postes visíveis à distância e a armação retorcida de uma linha de energia de alta voltagem.
Podia se ver uma estrada entre as montanhas.

Aqui o terreno descreve um arco largo, e é possível ver um comboio que trouxe até ali, há algum tempo atrás, uma unidade de tanques do exército. Mas algo havia acontecido, logo adiante.
A locomotiva e os primeiros vagões haviam descarrilado. Vários vagões estavam atravessados no terreno, os tanques tombados e virados de lado, expondo as lagartas ao ar.
Pelo visto haviam conseguido baixar vários tanques ao terreno e alguns conseguiram chegar quase até a estrada, mas não avançaram muito além, parados entre o terreno e a estrada, em grupos pequenos, com os canhões apontando para direções diversas.
Alguns deles, não se sabe por que, sem as lagartas, outros fundidos ao chão até a altura das torres, outros fechados hermeticamente e outros deixados com as escotilhas abertas.

- Onde estão… as pessoas? Perguntou em voz baixa o Escritor – Havia gente ali.
- Penso a mesma coisa sempre que venho aqui, respondeu o Stalker falando baixo. -Por que eu os vi quando embarcaram na nossa estação de trem, eu era um menino. Na época todos achavam que se tratava de um inimigo que queria nos conquistar. Por isso enviaram estes tanques… estratagemas - cuspiu – Ninguém nunca voltou. Nem uma alma viva. Bom, chega. Nossa direção será aquele poste que se vê ali… - estendeu o braço demonstrando – mas não olhem para o poste. Olhem para seus pés. Já disse e repito. Vocês são uns merdas! Novatos! Sem mim não valem nada, estarão perdidos como coelhos. Por este motivo seguirei atrás, iremos em fila indiana. Mudaremos o cabeça da fila por turnos. Primeiro será o Professor. Indicarei a direção e não se afastem, porque será pior para vocês. Peguem suas mochilas!

O professo se abaixa e joga a mochila ao ombro.
- Professor, a primeira direção será aquela pedra branca. Vê? Vamos andando… ordena o Stalker.
O professor começa a atravessar o terreno primeiro. Depois de uns cinco passos, o Stalker ordena:
- Escritor, é tua vez, siga-o.
E pouco depois ele mesmo o faz.

A manhã esverdeada da Zona havia se diluído com a luz habitual do sol.
Depois de percorer o aterro, agora subiam devagar, em fila única, pela suave encosta de uma colina. A partir dali é possível ver o aterro como a palma da mão. Algo estranho está acontecendo sobre os tanques tombados, parecem jorros de ar quente subindo, sobre este lugar, de tempos em tempos, as luzes iridescentes neles formam um arco-íris brilhante.
Mas eles não olham para lá. O Professor vai na frente e antes de cada etapa, examina suspeitando de onde pisa. O Escritor segue atrás, sem se importar tanto onde pisa.
O Stalker está calado. Seu olhar vai dos pés rápidos e de passos automáticos, acostumados com o lugar, até a nuca do Escritor e da nuca do Professor para a direita do Professor e a esquerda do Professor, e de novo aos seus pés.
O Professor alcança o topo e o Stalker ordena:
- Pare!

O Professor para obediente, mas o Escritor dá outros passos e se volta descontente.
O Stalker está imóvel, de olhos semicerrados e move os dedos da mão estendida como se apalpasse algo no ar.
- O que é? Pergunta com irritação o Escritor.
O Stalker baixa a mão lentamente e se aproxima do Professor. Seu rosto está pleno de tensão e perplexidade.
- Não se movam! Diz com a voz rouca.
O Escritor olha ao redor assustado.
- Não se mova imbecil – ordena o Stalker.
Estão imóveis como estátuas, cercados pelo mato verde, e os arbustos ondulam vagarosamente ao vento e um sol os ilumina gentilmente. Logo o Stalker diz de súbito:
- Acabamos de sair de um mau caminho… vamos andando. Não! Aguardem, vamos fumar um cigarro.
Senta-se de cócoras e retira do bolsinho um maço de cigarros. Tira um com os lábios e oferece-a para o Professor, que se põe ao seu lado. O Escritor pergunta com irritação:
- Bem, posso ao menos ficar com vocês?
- Sim. Responde o Stalker. - Pode se aproximar. Sua voz endurece – O que foi que eu te disse?
O Escritor se detém na metade do caminho.
- O que foi que eu te disse desgraçado? Eu disse ‘Pare’ e você seguiu andando, e eu disse ‘Não se mova’ e você se moveu. Assim ele não vai chegar ao final, diz o Stalker ao Professor.
- O que posso fazer? Sou lento para reagir, queixou-se lamentando o Escritor – Me dê um cigarro, por favor…
- Se tem problemas devia ter ficado em casa, disse o Stalker tirando do bolso um punhado de porcas de diversos tamanhos. Começa a “tatear” o caminho.
Atira a porca adiante dele. Para. Vai até onde a porca caiu. Joga outra. E assim vai, de uma porca até outra. Chama o Professor.
- Venha. Parece que saímos do caminho.
Avançam com passos de passarinho. O professor, depois o Escritor e o Stalker.

O sol está no alto e no céu não há uma nuvem sequer.
À esquerda um aclive, à direita um açude cheio de água negra parada.
Um silêncio profundo, não se ouvem pássaros nem insetos, apenas o som da vegetação sob os pés. Poucos passos depois o Escritor começa a cantar uma musiqueta. Dá alguns passos, se agacha, pega uma varinha e com ela começa a golpear a perna da calça.
O Stalker observa sério suas ações. E quando o Escritor põe-se a quebrar com a vareta as florezinhas à direita e à esquerda, o Stalker tira do bolsinho uma tarraxa e com boa pontaria acerta a nuca do escritor. Um repentino grito interrompe sua musiqueta alegre.
Ele leva as mãos à cabeça e se senta de cócoras, encolhendo-se. O Stalker para a seu lado.
- É assim que vai ser, diz. – Não temos tempo para reclamações… Não fez nas calças, fez?
O escritor se endireita lentamente.
- O que foi que eu fiz de errado? Pergunta assustado, apalpando a nuca.
- Quis te mostrar o que vai lhe acontecer se continuar agindo assim na Zona – explica o Stalker – Você é um suicida.
- Está bem, está bem, responde o Escritor umedecendo os lábios com a língua. – Eu entendi.

Atravessam um terreno baldio. Brilham vidraças quebradas, um chaleira velha, uma boneca com as pernas arrancadas, trapos, montes de latas de conservas oxidadas.
O Escritor vai na frente, tem o rosto tenso e uma expressão malévola.
Chegam a uma vala enorme. Dentro, o corpo desinflado de um balão para defesa antiaérea. Seguem pisando com cuidado a superfície que cede abaixo dos pés, e logo o Escritor solta um grito, parecido mais com o grasnado de um corvo, e se detém.
E começa a ensopar. O liquido brota de seu corpo atravessando a roupa, goteja pela cara, dos dedos esticados jorram esguichos, e os cabelos se agarrando ao rosto e bochechas e depois começam a escorrer pelo peito e ombros.
- Calma pessoal – diz o Stalker – Nos pegaram! Pro chão – grita para o Escritor – Jogue-se ao chão! E você também Professor! Pro chão!
O Stalker e o Professor agora estão deitados, mas o Escritor não. Câimbras estremecem seu corpo. Mas logo tudo cessa inesperadamente. O liquido vai secando a olhos vistos. O Escritor está tão seco quanto antes, a não ser por tufos de seu próprio cabelo que estão por sobre ele.
Ele desfalece e tomba de costas.
O Stalker e o Professor se levantam e cautelosamente vão até o Escritor.
- Não é nada, não é nada – diz o Stalker. – Logo ele vai se levantar. Mas para falar a verdade, o maldito teve sorte… Aqui mesmo, pessoas boas tiveram os olhos arrancados, e ele não perdeu mais do que cabelo… Está bem, levante-se, levante-se… saia do chão!
O Escritor se põe de pé com dificuldade. Apalpa a cabeça e olha os cabelos em suas mãos.
- Vamos – diz o Stalker. – Não vai poder contá-los mesmo. Professor, siga na frente!

Entram por debaixo de uma rede de camuflagem apodrecida pelo tempo.
Percebe-se que ali haviam, em outros tempos, nichos para metralhadoras. Vêem caixas de munição, metralhadoras fundidas com o terreno, capacetes e antigas máscaras cobertas de areia.
- Vamos fazer uma parada – anuncia o Stalker.
Todos permanecem de pé, imóveis. O silêncio os envolve e apenas o vento sibila num jornal sujo e rasgado, que se enrolou na perna do Professor.
- Esperem – diz o Escritor – Não sei o que há com minhas pernas… não funcionam.
- O que foi? Pergunta o Professor sem se virar.
O escritor solta uma risada nervosa e diz:
- Não sei… já passou, graças a Deus – e olhando para os lados grunhe – Que lugar infeliz!
Acomodam-se à sombra da rede. O Stalker derrama bebida nos copos de cada um. Eles bebem.
- Está com fome Professor? Pergunta o Escritor mordendo com asco um ovo cozido.
- Para falar a verdade, não estou bem – responde o outro.
- Uma cerveja cairia bem – suspira o Escritor. - Bem gelada! Minha garganta está seca.
O Stalker serve mais uma dose para cada um. O Professor pergunta apreensivo:
- Ficaremos muito tempo aqui?
- Não sei - o Stalker responde sombrio.
- O que diz o mapa?
- O que poderia dizer um mapa? E para que serve um? Não há escala. É verdade que o Raposa retornou em dois dias, mas era o Raposa.
- Quem é o Raposa? Pergunta o Escritor.
O Stalker sorri dissimulado, acende vagarosamente um cigarro.
- O Raposa, meu amigo, não era como nós. Ele começou nos primeiros dias, me trouxe até aqui quando eu cresci. Era um grande homem. Um que…
- E por que era? Perguntou o Escritor – Ele…?
- Sim, isso mesmo que está pensando. Ele saia com um ou dois e voltava sozinho. Vocês tinham que ter ido com ele... -riu de modo desagradável olhando para o Professor e o Escritor – Mas chegariam até aqui com ele também. Bom – interrompe-se – Façam o que quiserem, que eu vou tirar uma soneca. Só não façam barulho... e nem pensem em sair andando por aí...

O Stalker se preparou para dormir, colocando a cabeça sobre a mochila.
O Professor e o Escritor se recostaram contra o declive argiloso. Fumam e conversam.
- E o que aconteceu com este sujeito, o Raposa? Perguntou o Escritor.
- Foi o único que chegou ao centro da Zona e retornou – respondeu o Professor - Voltou e dois dias depois estava rico... fabulosamente rico. O Professor calou-se.
- E o que mais?
- Uma semana depois ele se enforcou.
- Por quê?
O Professor fez que não sabia com os ombros.
- Um caso pouco comum. Pensei que poderíamos ir ao tal lugar com o nosso Stalker. Ele foi ver o Raposa e o encontrou pendurado pelo pescoço. Numa mesa havia um mapa e um bilhete de despedida, desejando-lhe sorte.
- E o nosso guia não teria lhe...?
- Sim, pode ser, assentiu o Professor.
Fumaram calados por um momento.
- E o que lhe parece Professor? Será verdade que este lugar existe? O lugar onde os desejos se realizam?
- O Raposa ficou rico. Toda sua vida ele sonhou em ser rico.
- E se enforcou.
- Mas você tem certeza que ele queria mesmo a riqueza, o Raposa? Por isso pergunto, para que alguém iria querer ir até a Zona? O que acontece é que a gente nunca sabe realmente o que deseja. É complicado. A cabeça quer uma coisa, a medula outra e a alma outra ainda. É um problema sem solução. Em todo caso, estou aqui por um motivo intimo, compreende? Um desejo intimo.
- Certo – concorda o Escritor – você explicou muito bem. Antes eu disse que vinha até aqui em busca de inspiração. Mentira. Não dou a mínima para a inspiração…
O Professor o olha curioso.
O Escritor continua depois de uma pausa.
- Mesmo que seja verdade, e que busque inspiração… como vou saber chamar aquilo que desejo? E como vou saber se quero aquilo que quero? São coisas incompreensíveis, basta dizer e seu sentido se perde, se dilui. Como uma água viva ao sol. Já viu uma?
O Professor baixa os olhos e passa a observar suas unhas sujas e ruídas.
- Tá bom, tá bom. A propósito, devo dizer-lhe que para você é contraproducente ir até lá…
O escritor concorda hipocritamente.
- Sim claro, sim,… e vou logo dizendo, não sou um cientista… você é diferente! É um cientista de verdade? Então está claro! Trata-se de um experimento… a verdade em última instância. Mas, acredito eu, não existem provas. Tudo pode ter sido inventado por alguém, é o que acha? Tudo isso é uma invenção idiota! Estão enganando a todos nós, mas quem? Não se sabe quem. E para que? Tampouco se sabe…
- Apesar de tudo seria interessante saber quem e por que.
- Não é nada disso! 'Quem e para que’! Para que servem seus conhecimentos? Que consciência poderá ser mais pura? Qual consciência irá doer? A minha? Eu não tenho uma, não tenho nada além de nervos. Quando critico algum canalha, eu sofro. Elogio outro canalha, mais uma ferida. Para eles tanto faz o que eu escrevo. Engolem qualquer coisa. Coloque sua alma e seu coração e eles engolirão também. Tanto faz a porcaria que eu escrevo. Todos, sem exceção, são gente instruída, e tem fome sensorial, e todos ronroneiam ao meu redor, jornalistas, redatores, críticos e damas da sociedade sem fim… mas logo elas se gabam diante dos maridos, que eu me dignei a dormir com elas! E todos exigem, me dá me dá! E eu dou, e sinto asco, faz tempo que deixei de ser um escritor. Que escritor dos infernos sou eu que odeio escrever, se para mim escrever é um martírio, uma ocupação desagradável e vergonhosa, algo como uma dolorosa função fisiológica.
Calou-se subitamente e permaneceu por um pouco com os olhos fechados. Um tique nervoso contraiu a musculatura do seu rosto.
- Antigamente eu achava que eu era necessário para eles – prossegue em voz baixa – Achava que alguém podia se tornar melhor e mais honrado por haver lido meus livros. Mais puro… não sou necessário para coisa alguma! A única coisa que tenho é minha casa. Com piscina. Quando morrer, dois dias depois terão me esquecido e começarão a devorar outro qualquer. Queria fazê-los à minha imagem e semelhança. Mas eles me transformaram à maneira deles. Antes o futuro era só uma repetição do presente, e todas as mudanças se vislumbravam no horizonte. Agora não há mais futuro. Uniu-se ao presente. Mas será que estamos preparados para isso? Eu tentei prepará-los, mas eles não querem se preparar. Tanto faz para eles, não fazem mais do que engolir a tudo.
- Quanta veemência – disse devagar o Professor – muita veemência... você está disposto a salvar a todos, Senhor Escritor!
- Me deixe em paz! Responde o outro sem abrir os olhos.
- Não, não mesmo, isso é muito perigoso, não percebe? Um benfeitor veemente!
O Escritor se senta de frente ao Professor e o encara furioso.
- Quem é perigoso? Quem? Eu quero tranqüilidade, entende? A Paz!
- Entendo! Mas você não vai para o deserto e busca uma vida tranqüila. Você vai para a Zona
O escritor se põe novamente de costas ao barranco e tapa os olhos com as palmas das mãos.
- Ouça, não quero discutir com você! Da discussão nasce a luz... maldita seja!


FIM DA SEGUNDA PARTE

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Star Wars como você nunca viu













Free Screenings

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Do Androids Dream of Eletric Philip K. Dick (ou o andróide perdido de PKD)


Philip Kindred Dick foi trazido de volta ao nosso convívio no corpo de um andróide interativo.

Parece, por si só, o enredo de um conto do próprio PKD.




Uma equipe de roboticistas, cientistas da computação, designers e fãs de Ficção Científica, construiram em um esforço conjunto, um andróide para demonstrações baseado na figura do genial autor de FC.

O projeto foi uma colaboração entre a Hanson Robotics, a Universidade de Memphis e o Robotics Research Institute (ARRI) da Universidade do Texas em Arlington.

O andróide 'Phil', como é chamado por seus criadores, se utiliza de câmeras para visualizar os visitantes e mexe o rosto na direção de quem fala com ele. Ele se utiliza de softwares de reconhecimento e simulação da fala, podendo assim ouvir, interpretar e responder, graças também a inteligência artificial, mantendo assim um diálogo natural com os visitantes.



Um projeto sem precedentes, mesclando alta tecnologia e arte para recriar a persona do autor, através de fatos de sua vida e obra. Ele ainda é capaz de identificar pessoas numa multidão, aumentando ainda mais a sensação de se estar diante de uma criatura inteligente.

Phil ganhou diversos prêmios, chamando a atenção da mídia sobre ele. Desde que deixou os laboratórios, se apresentou em diversos programas de televisão e feiras de tecnologia.

Conhecendo a obra de PKD, torna-se uma escolha óbvia homenagear o autor de FC que mais se preocupou e explorou as diferenças e relações entre homens, androídes, questionando aquilo que verdadeiramente nos torna humanos. Alguns de seus personagens eram andróides que pensavam ser gente e em outros era impossível se dizer quem era quem. Dick sempre foi fascinado pela possibilidade (por vezes assustadora) de máquinas pensantes humanoídes.

O projeto é um tributo a este escritor visionário.


Infelizmente no começo de 2006, durante uma viagem para San Francisco, California, onde o andróide faria uma apresentação especial para os empregados do Google, o andróide foi roubado e se encontra até o momento desaparecido.


(email para contato: pkd@pkdandroid.org)