quinta-feira, 30 de junho de 2011

Estaleiro Espacial



Para quem gosta de naves espaciais e do universo Star Trek, o Estaleiro Espacial traz várias delas em detalhes. Infelizmente o blog anda um pouco parado. Vamos esperar que o projeto não fique por aí.










quarta-feira, 29 de junho de 2011

Stargate Operations


Stargate Operations é um dos sites mais completos para os aficcionados pela série Stargate.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Ex Astris Scientia



Um dos sites mais completos que conhecemos, quando o assunto é Star Trek.









segunda-feira, 27 de junho de 2011

O mais fantástico show aéreo de mentirinha



Bill George é supervisor de efeitos visuais e trabalhou para as maiores empresas do ramo, como a Industrial Light and Magic. Entre seus trabalhos estão filmes das franquias Star Trek e Star Wars.

Bil criou o site SCI-FI AIR SHOW para brincar com a ideia de como seria se as pessoas pudessem ver de perto e até entrar em suas espaçonaves favoritas.




O SCI-FI AIR SHOW tem também como propósito, preservar e promover a riqueza e a variedade histórica dos veículos dos filmes e séries de televisão de ficção científica.






O trabalho foi todo realizado graças a programas de edição de imagem digital e modelos em escala.








Se fosse real, seria bem melhor do que qualquer parque temático da Disney !














domingo, 26 de junho de 2011

Feliz São João !




COM A FILHA DE ANAKIN

HAN SOLO IA SE CASAR

MAS JABBA FUGIU COM A NOIVA

NA HORA DE IR PRO ALTAR...

sábado, 25 de junho de 2011

Os Genocidas - Thomas Disch (Parte 16)




QUATORZE
O CAMINHO PARA CIMA


O silêncio que por meses tinha sido absoluto, era quebrado agora pelo gotejar da seiva.
Era como o som da água no início da primavera, fluindo pelas sarjetas da cidade os bancos de neve derretidos.

Enquanto descansavam não falavam, a declaração mais inócua de Neil poderia jogá-los em um estado de excitação histérica. Naturalmente eles sabiam sobre Anderson e Alice, mas quando Buddy começava a se preocupar em voz alta sobre sua esposa e filho, Neil se queixava que estava sendo "egoísta", que tudo que ele pensava era sexo. Quando Orville falou das dificuldades e especularam (com mais ânimo) sobre suas chances de chegar à superfície, Neil pensou que eles estavam culpando-o.
O silêncio parecia ser a melhor política, mas Neil não podia suportar mais do que alguns momentos
de silêncio também. Em seguida, ele começava a reclamar:
"Se não tivéssemos derrubado a lamparina, não estaríamos tendo problemas agora."
Ou, lembrando um dos temas preferidos do pai: "Por que eu tenho que pensar por todos? Por que?"
Ou começava aassoviar. Suas músicas favoritas eram polcas,  Beer Barrel, Red RiverValley, Donkey Serenade (que ele acompanhava percussivamente com o estalar das bochechas) e o tema do Êxodo.
Uma vez que começava qualquer uma dessas, poderia ir assim até dormir.
Não seria tão ruim se ele fosse afinado.

Era mais difícil para Buddy. Flor e Orville tinham um ao outro. Na escuridão se davam as mãos, e durante o solo de Neil, como um macaco diligente, poderiam arriscar mesmo um beijo em silêncio.

Ali não havia nem norte, nem sul, leste ou oeste, nem para cima ou para baixo. Não haviam unidades de distância, apenas estimativas aproximadas de temperatura e profundidade, e sua única medida de tempo decorrido era o tempo que levava para seu corpo cair exausto demais para continuar.

Eles nunca sabiam se estavam na periferia ou próximo ao coração do labirinto. Eles podiam subir através dos canais já abertos, algumas centenas de metros, ou mesmo dez, para encontrar-se em um beco sem saída. Era necessário não apenas encontrar um caminho para cima, mas encontrar o caminho para cima. É era difícil fazer Neil entender por que isso acontecia. Quando Flor tinha explicado a ele, ele pareceu concordar mas depois, quando Orville trouxe o assunto de novo, começou a questionar tudo de novo.

Estavam encharcados com seu próprio suor e com a seiva, que em áreas menos íngremes atingia quatro a cinco centímetros. Depois de horas de escalada estavam a uma altura em que o calor não era tão opressor (nas profundezas sentiam-se como numa sauna).
Orville estimara que pela temperatura estavam a prováveis quatrocentos e cinquenta metros da superfície. Normalmente, ao longo de um percurso conhecido, eles podiam subir aquela altura em pouco mais de três horas. Agora poderia levar muito bem dias.

Orville tinha esperança de que o fluxo de seiva diminuísse à medida que alcançavam níveis mais elevados, mas ao contrário, foi piorando. De onde é que tudo isso vem? A logística de abastecimento de água da planta era algo que nunca tinha parado para pensar. Bem, ele não poderia parar agora.
Não conseguia simplesmente agarrar um cipó e subir pela encosta, você tinha que fazer da mão uma espécie de gancho e enfiá-la em uma concavidade. Então não era possível ajudar a próxima pessoa depois de você. Tinha que segurar-se com as duas mãos feridas. Você se agarrava lá e sentia-se solto, esperava não deslizar na seiva para longe demais. Uma vez que você se soltava, não era tão mal, você deslizava ao longo da inclinação macia e não era muito íngreme, como um tobogã, até que surgia algo mais duro na colisão, e então você tinha que começar a subir o seu caminho de volta através do lodo. Mas você sabia que seu corpo poderia suportar um longo caminho ainda, e esperava que fosse suficiente.

Poderiam ter escalado doze horas ou duas vezes isso. Tinham comido e descansado algumas vezes, mas não dormido. Eles não tinham dormido, de fato, desde antes da noite que Anderson morrera e Maryann parido. Agora devia ser noite novamente. Suas mentes embotadas com a necessidade de sono.
"Necessidade absoluta" Orville repetia.
Neil se opôs. Ele temia que se dormisse, eles iriam tirar a arma dele. Não eram confiáveis.
Mas ele poderia apenas ficar ali e deixar seu corpo relaxar...muito cansado, isso é que ele...
Foi o primeiro a dormir e eles não tomaram sua arma. Eles não se importavam com ela. Eles não queriam  sua arma: só queriam dormir.

O repertório de sonhos de Neil não era maior que seu estoque de músicas. Primeiro ele sonhou o seu sonho de beisebol. Então subindo as escadas da velha casa na cidade. Então sonhou com Flor. E sonhou o seu sonho de beisebol novamente, só que desta vez foi diferente: seu pai era o homem da primeira base. O sangue jorrava da ferida na luva do homem da primeira base, a ferida da mão que abria e fechava, abria e fechava.
Mas por outro lado os sonhos eram apenas o mesmo de sempre.

No dia seguinte, depois de uma hora ou mais, a dor das suas mãos passou, e foi a rigidez o mais difícil de suportar. Suas roupas se agarravam aos membros, como pele que não poderia ser retirada.

"Nós vamos nos mover mais rápido" Orville, disse "se não ficaremos presos debaixo das roupas."
Um pouco mais tarde, já que parecia que a idéia não iria vir de Neil por si só, Buddy acrescentou:
"Se nós atarmos nossas roupas juntas e usarmos como corda, poderíamos escalar mais rápido."
"Sim" Neil disse "mas você está esquecendo que há uma senhorita com a gente."
"Oh, não se preocupem comigo" Flor protestou.
"Apenas as nossas camisas, Neil. Não seria tão diferente de nadar."
"Não!" O tom estridente rastejando em sua voz novamente. "Não seria certo!" Não adiantava discutir com ele uma vez que já tinha se convencido disso.
Ele era seu líder.
Na próxima vez que pararam para descansar e comer, a seiva caia sobre eles em pedaços grandes, como gotas anunciando uma tempestade de verão. O fluxo principal da seiva que corria através da raiz estava agora em seus tornozelos. Assim como eles não estavam bastante encharcados ainda, suas roupas agarravam-se a eles, como ternos de fita adesiva.
Eles só podiam circular livremente somente quando estavam encharcados.
"Eu não agüento mais" disse Flor começando a chorar. "Eu não posso suportar isso!"
"Força agora, Miss Anderson. Queixo para cima! Tally-ho! Lembre-se do Titanic!"
"Agüentar o quê?" Neil perguntou.
"Estas roupas" disse ela. E de fato era só uma parte do que ela não podia suportar mais.
"Ah, acho que ela está certa" disse Neil, tão desconfortável quanto os outros. "Não há nada errado se apenas tirarmos as camisas. Entreguem para mim, e eu vou dar nó nas mangas."
"Boa idéia!" Orville disse. Todos eles as entregaram para Neil.
"Flor!" Disse. "Eu não me referi a você. Não é certo."
Ela não disse nada. Neil deu uma espécie de risadinha. "Bem, se é assim que você quer" disse ele.
Coisas brotavam da pequena abertura acima como água jorrando com força de uma fonte principal.
Não poderia ser chamado de seiva. Era mais como água. Estavam felizes por poderem se limpar. Mas era frio, muito frio.

As raízes que ascendiam entre eles eram cada vez menores ao invés de maiores.
Para passar por elas agora eles tinham que rastejar nas mãos e joelhos, e mesmo assim raspariam a cabeça no teto se não tivessem cuidado. Com água até os cotovelos.
"Eu acho" afirmou Orville com cautela, "que estamos chegando sob o lago Superior. Esta quantidade de água não pode ser proveniente somente do degelo da primavera."
Esperou Neil protestar. Depois, ainda com mais cautela:
"Acho que teremos que voltar por onde viemos. Vamos torcer para ter uma melhor sorte na próxima."
A razão de Neil não ter protestado foi que ele não tinha ouvido. A voz de Orville tinha sido abafado pelo rugido da água, hectares e hectares de Plantas sedentas retirando a água do fundo do lago.
Orville explicou várias vezes a sua teoria quando recuaram para um lugar mais calmo.
Em seguida, Flor tentou.

"Neil, olhe, é muito simples, a única maneira de nos distanciarmos do lago é para baixo. Porque se tentarmos nos mover ao longo deste nivel, podemos muito bem estar seguindo leste -  para dentro do lago, assim como sudoeste, para longe dele. Se tivéssemos a lamparina, poderíamos usar a bússola, mas não temos a lamparina. Nós poderíamos ir norte ou sul, seguindo a beira do lago. Não há como dizer quanto da área abaixo do lago Papai explorou no inverno passado. Nós apenas temos que ir para baixo. Você entendeu?"
Orville aproveitou a ocasião para trocar algumas palavras em particular com Buddy:
"Que diabos, vamos deixá-lo aqui, se ele não quer ir com a gente. Vai ser culpa dele se ele se afogar."
"Não" disse Buddy "não seria certo. Eu quero fazer isso direito."
"Ok, eu vou", disse Neil  para Flor "mas acho que tudo isso é um monte de besteira. Eu só estou indo por sua causa. Lembre-se disso."


Os Genocidas - Thomas Disch (Parte 16) [ Download ]

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Modelismo e FC

Para quem gosta de plastimodelismo, miniaturas, modelagem CG, réplicas, este site é imperdível!.



Alguns trabalhos...


















terça-feira, 21 de junho de 2011

Alien Species Wiki




























Ruvers, Palulukans, Petrasyl, Priapulin, Psimorph, Quills, Ravager, Rodex, Saurian, Shokan, Skytalon, Soomanii, Squat, Tebazile, Tibannuck, Tosks, Trills, Klingons, Krevol, Xepolites, Yapis, Yevetha, Yugami, Zarbi, Zeuol, Zygerrian, Lepidopterrans, Magmoor, Meepers, Merdlidop, Monnok, Mor-Taxan, Namekian, Ollopom, Onahk, Orishan, Tumnor, Tymoks, Ursinoids, Uukaablians, Vasaris, Vorgons, VUXs, Wampas, Wigsilians, Orgs, Willosaurs, Wompats e outras raças alienígenas, você encontra no Alien Species Wiki.