domingo, 26 de outubro de 2008

Ficção Científica: uma narrativa da subjetividade homem-máquina


(Na virada do século XX para o XXI assistimos a um fato curioso: os monstros e os mundos possíveis da ficção científica parecem escapar das páginas de livros e telas de cinema e se materializar em nossos laboratórios.
O rato com orelha humana nas costas, o computador enxadrista Deep Blue, o canadense Steve Mann – o cyberman,1 o ciberespaço e a realidade virtual são alguns exemplos. Esses seres e mundos híbridos, frutos das tecnologias de informação e da comunicação mediada por computador, indicam a perda de nitidez nas fronteiras modernas entre orgânico/maquínico, natural/artificial, físico/não-físico, corpo/mente, factual/ficcional produzindo dois eixos de
problematizações que interessam a este artigo. O primeiro eixo refere-se às mudanças dos conceitos e relações entre humanos e técnica que nos faz repensar as fronteiras ontológicas e epistemológicas modernas. O segundo remete ao fato de os seres e mundos híbridos parecerem personagens e paisagens da ficção científica, o que desperta a curiosidade por entender
como o termo híbrido ficção científica tornou-se tão adequado para descrever o contexto cultural e científico da Atualidade...)


Ficção Científica: uma narrativa da subjetividade homem-máquina
Fátima Regis de Oliveira - [ Download ]

Ilustração de Beksinski