sexta-feira, 8 de maio de 2009

Cyberpunk, Feitiçaria e Paranóia - Novas Tecnologias e Subjetividade no RPG


[...Douglas Kellner (2001) recorre ao rádio, televisão, cinema e outros produtos da indústria
cultural como fornecedores de modelos sociais. Ele defende que é nesses elementos que se
encontra hoje a forma dominante de cultura, forma que nos socializa e nos fornece material de
identidade, tanto em termos de reprodução, quanto de mudança da sociedade.

Scott Bukatman (1998), por sua vez, considera a ficção científica vital para se compreender o presente momento cultural, pois ela freqüentemente narra as ambigüidades que marcam os contornos tecnológicos da cultura contemporânea com mais propriedade do que os textos de intelectuais pós-modernos.

Em sua análise, Bukatman recorre não só a livros de ficção científica, mas também a
quadrinhos, cinema, jogos e outras mídias. Este trabalho parte do pressuposto de que o RPG
também constitui um importante objeto de análise.]

Cyberpunk, Feitiçaria e Paranóia - Claudio Faria Marques [ Download ]

Claudio Faria Marques - Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ