quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Oryx & Crake por Jason Courtney


"Do outro lado da clareira, do sul vem um coelho, pulando, ouvindo, fazendo uma pausa para mordiscar o capim com seus dentes gigantescos. Ele brilha no crepúsculo, um brilho esverdeado surrupiado de uma água-viva das profundezas em algum experimento antigo. Na meia-luz, o coelho parece macio e quase translúcido, como um pedaço de manjar turco, como se você pudesse sugar seu pêlo como açúcar. Mesmo na infância do Homem das Neves, haviam coelhos luminosos verdes, embora não tão grandes e ainda não tinham escapado de suas gaiolas, misturando-se com a população selvagem, ao ponto de se tornar um incômodo."

 


"- Eu posso ir olhar os pigoons? Jimmy dizia.

O pigoons eram muito maiores e mais gordos do que os suínos normais, para deixar espaço para todos os órgãos extras. Eles foram mantidos em edifícios especiais, seguros: o seqüestro de um pigoon e de seu material genético por uma empresa concorrente teria sido um desastre. Quando Jimmy entrou para visitar o pigoons ele teve que colocar um bio-traje que era grande demais para ele, e usar uma máscara e lavar as mãos com sabão desinfetante primeiro. Ele gostava especialmente dos pigoons pequenos, doze deles alinhados em uma fileira mamando . Pigoonlets. Eles eram bonitos. Mas os adultos eram levemente assustadores, com o nariz escorrendo e pequenos olhos rosados. Eles olharam para ele como se o tivessem visto, de verdade, e pudessem ter planos para ele mais tarde."





Homem das Neves acordou antes do amanhecer.
Ficou imóvel, ouvindo a maré chegando, o burburinho baixo, o ritmo do batimento cardíaco. Desejava tanto acreditar que ainda estava dormindo.

No horizonte leste há uma neblina acinzentada, iluminada agora por uma letal incandescência rosada. Estranho como a cor ainda parece suave. Ele olhava excitado, não há outra palavra para isso. Êxtase. O coração aprisionado, levado como se por alguma grande ave de rapina. Depois de tudo o que aconteceu, como o mundo ainda podia ser tão belo?






Ilustrações de Jason Courtney com o tema Oryx & Crake de Margareth Atwood