segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Minority Report - Philip K. Dick

O conto Minority Report (O relatório da minoria) de Philip K.Dick foi publicado a primeira vez em 1956 e aborda, como outros trabalhos seus, a questão do livre-arbítrio. Neste conto, PKD nos apresenta o Precrime, um nova tecnologia capaz de detectar crimes antes que eles aconteçam.




Precrime

Definido como um sistema profilático de segurança, o Precrime pune, com a detenção, pessoas que no futuro próximo cometerão um crime. O método substituiu o sistema tradicional de investigação-acusação-veredito, quando se tem uma vítima e se busca punir o culpado (ou culpados) pelo crime.
Como é dito no livro:

"A punição nunca foi um impedimento e dificilmente proporciona conforto para a vítima já morta".

O Precrime é baseado na noção de que assim que um caminho desagradável futuro é identificado, um caminho alternativo e melhor pode ser criado com a prisão antecipada do futuro agressor.

No cerne do sistema estão três mutantes conhecidos como 'PRECOGS', seres humanos que foram diagnosticados ao nascer como retardados (hidrocefalia) e que possuem a habilidade de 'ver o futuro' - um futuro próximo, somente algumas semanas adiante. Apesar da aparência humana, os PRECOGS são basicamente cérebros - seus corpos estão deformados e não possuem consciência ou qualquer ligação com o mundo real. Eternamente presos às máquinas que os mantém vivos, suas atividades cerebrais são monitoradas, decupadas e analisadas por computadores que transformam suas visões aleatórias em simbolos interpretáveis e que são convertidas, em parte, em predições (as informações não pertinentes à segurança dos cidadãos são passadas para outras agências governamentais). Os resultados finais são analisados conjuntamente pelo Precrime e pelas Forças Armadas, evitando, assim, qualquer tipo de manipulação. 

O sistema funciona da seguinte maneira: A interpretação das visões de cada PRECOG gera um relatório. Conforme são comparados e analisados, um relatório pode diferir do outro e o computador escolhe aqueles dois que mais se assemelham e então produz o relatório da maioria, considerado a predição mais acurada. Porém, sua existência implica na existência de um relato da minoria também, que acaba sendo desprezado.

A história inicia quando o comissário do Precrime John Anderton é apontado como o assassino de um homem desconhecido...





O Filme

Dirigido por Steven Spielberg e estrelado por Tom Cruise (como o capitão John Anderton) a adaptação para o cinema é apenas vagamente baseado no conto de PKD. Estilicamente, o filme, que se passa em 2054, é uma combinação de ficção científica e thriller de ação, com uma forte dose de 'film noir', principalmente na concepção das imagens dessaturadas.

Lançado em 2002 e orçado em 142 milhões de dólares, teve sua produção iniciada muito tempo antes, em 1997, logo após Total Recall, outra adaptação de um conto de PKD. O roteiro escrito por John Cohen foi apresentado ao ator e produtor Tom Cruise (que na época estava compromissado com a série Missão Impossível) que o entregou ao amigo, o diretor Spielberg, que se mostrou bastante interessado. A produção iniciaria somente quatro anos depois, quando Spielberg, já de pré-contrato assinado, passou a encontrar-se com diversos cientistas e pesquisadores, a fim de conceber um futuro plausível para o filme. A filmagem acabou sendo postergada por conta do atraso dos projetos de Cruise e Spielberg (trabalhando em I.A). Posteriormente o roteirista Scott Frank precisou reescrever o roteiro de Cohen, acatando sugestões do diretor para acentuar os vilões e os mocinhos da trama. 

Nas palavras de Steven Spielberg: "A história de Philip K. Dick era só o trampolim. A maior parte do filme não segue a história - para o desgosto dos fãs Philip K. Dick, tenho certeza."

Ocasião e coincidência.

O conto de 1956, mesmo sem se passar em um tempo definido, reflete as preocupações de PKD (um eterno paranóico), com os rumos da política daquela época. Os roteiristas do filme captaram antecipadamente o frenesi anti-terror gerado pelo 11/9. A intuição de Dick foi trazida para as telas do cinema, justo no momento que tal especulação passou a se materializar na vida real de diversas formas, como o banco de dados para crimes futuros e a predição de roubos da polícia de NY.




Minority Report - A nova lei - Phulip K. Dick [ Download ]

Minority Report - Roteiro de Scott Frank [ Download ]

Minority Report - Roteiro de Jon Cohen [ Download ]