sexta-feira, 2 de março de 2012

Invasão - A Patrulha das Estrelas





Quem visse aquela estranha configuração cintilante pela primeira vez, por certo teria a impressão de se encontrar diante de uma obra abstracionista das mais bizarras, difícil de interpretar.

Realmente, aquela projeção tridimensional era uma obra-prima, não de um artista visionário, mas sim da tecnologia terrana, e o homem, que a contemplava neste instante, sabia o que representava: era a reprodução fiel da gigantesca esfera espacial que constituía o domínio de Terra.
Uma esfera, cujo diâmetro media 900 parsec, ou seja, novecentas vezes 3,086 x 1013 quilômetros. Quadripartida e subdividida em dez zonas esféricas por finíssimas linhas luminosas, a projeção apresentava uma impressionante profusão de detalhes.

Minúsculos pontinhos tremeluzentes caracterizavam as estrelas que se situavam no interior dessa esfera, e que representavam praticamente todos os tipos assinalados no diagrama Hertzsprung- Russell, desde as estrelas anãs do tipo espectral O às supergigantes do tipo MO.
A magnitude absoluta visual dessas estrelas abrangia toda a gama de -6 a + 14, enquanto seu brilho,

medido em unidades de luminosidade, não passava de 0,001 para as mais fracas, atingindo o valor 10 mil para as mais brilhantes.

Mas não eram apenas as reproduções das estrelas que compunham aquela estonteante projeção: nela se encontravam também todos os planetas, planetóides e luas, bem como os demais satélites, fossem naturais ou artificiais.



Invasão - A Patrulha das Estrelas [ Download ]