domingo, 12 de agosto de 2007

CONTOS DE HORROR DO SÉCULO XIX






Responsável pela seleção, Alberto Manguel teve à sua disposição um time de craques.São 33 contos, escritos pelos autores mais representativos da época. Não falta quase ninguém: desfilam pelo gramado (onde em alguns pontos nota-se um pouco de musgo, para fazer jus à atmosfera do gênero) W.W.Jacobs, H. G. Wells, Joseph Conrad, Ambrose Bierce, Henry James, Jack London, Villiers de L’isle Adam, Jules Verne, Edgar Allan Poe, Guy de Maupassant, Léon Bloy, Hugh Walpole, Horacio Quiroga, Bram Stoker, Arthur Conan Doyle, Robert Loius Stevenson. Na lista há algumas surpresas: Rubén Darío, poeta que foi o maior nome do modernismo hispano-americano; Walt Whitman, o norte-americano do famoso poema “Folhas da relva”; e nosso velho conhecido Eça de Queiroz, que comparece com o conto “A aia”. E, para não dizer que todo técnico comete suas injustiças, o organizador deixou de fora um Falcão e um Ademir da Guia: o irlandês Sheridan
Le Fanu e o britânico de sangue azul Algernon Blackwood. Entre os autores, Manguel destaca a presença de Edgar Allan Poe, que “ofereceu ao mundo seus primeiros terrores profissionais, hoje célebres: ‘A queda da casa de Usher’, ‘O barril de Amontilhado’, ‘O gato preto’, ‘O coração delator’”. Allan Poe, que também inventou a literatura de investigação, comparece na antologia com um conto menos conhecido, “Os fatos no caso do sr. Valdemar”, mas de arrepiar do mesmo jeito. Publicado em 1845 (mesmo ano em que surgiu “O corvo”), levou muitos leitores a escreverem para o autor na crença de que se tratava de um história verídica. Trata-se de uma mistura de horror com ficção científica, tocando num tema dos mais atuais – a clonagem.
Um plus do volume são as traduções, entregues a escritores de renome (Milton Hatoum, Moacyr Scliar, Rubens Figueiredo) e especialistas na matéria (Jorio Dauster, José Rubens Siqueira, Sérgio Molina). Além disso, os tradutores foram escolhidos por sua afinidade com autores e obras, e se encarregam de apresentá-los ao leitor. Marcelo Pen, a quem coube a novela “A volta do parafuso”, de Henry James, discute a tradução do título: garante que se trata de um grande equívoco e que, a rigor, ela não quer dizer nada em português. Sustenta que “Turn of the screw” lembra thumbscrew, os “anjinhos”, antigos anéis de tortura com que se apertavam os dedos das vítimas. Contudo, mantém o título. Abre o livro uma raridade: a tradução de Rubem Fonseca para o clássico “A mão do macaco”, de W. W. Jacobs, que aparece em nove de dez antologias do gênero. Depois de lembrar o sucesso do conto, publicado pela primeira vez em 1902 e desde então teatralizado e adaptado ao cinema inúmeras vezes (estranhamente, com pouco êxito), Fonseca comete uma revelação de cunho pessoal. Conta que várias vezes narrou a história para seus filhos pequenos, sempre “num lugar em penumbra”, e que invariavelmente introduzia uma modificação no enredo, o que resultou numa versão ainda mais terrível, porque “eu emitia sons assustadores e andava de um lado para o outro, fazendo gestos e caretas aterradores”. Depois apresenta uma seleção original, de autores não óbvios (H. P. Lovecraft, Saki e Sherindan Le Fanu) ou bastante conhecidos mas não associados à literatura de horror – casos de O. Henry e Edith Warthon. Praticamente desconhecido no Brasil, Algernon Blackwood fecha o volume com uma obra-prima, Os salgueiros, relato caustrofóbico com pitadas de ficção científica. Heloisa preparou a seguir um livro inteiro com dez contos de Blackwood, A casa do passado, e outro com as “histórias de terror sarcástico” de Ambrose Bierce, Visões da noite, ambos da editora Record.
JORNAL DO BRASIL Caderno idéias - Alvaro Costa e Silva