domingo, 12 de agosto de 2007

Horror ou Terror (II)



O nível de stress no mundo está altíssimo. Estamos horrorizados com o terrorismo, e o perigo maior é que a humanidade entre definitivamente no caminho sem saída do ódio destruidor e autodestruidor.
Nesta hora, convém pensar nas palavras, para que as palavras nos ajudem a entender e interpretar o que está acontecendo.Pensar é distinguir. É preciso distinguir entre terror e horror, duas palavras que parecem sinônimas mas não são, porque, lingüisticamente, não se justifica a existência de dois termos para um conceito idêntico.

Falamos em “filme de terror”, mas seria mais apropriado “filme de horror”. A diferença entre essas duas palavras está no sujeito que, ao assistir ao filme, se horroriza.
Um pouquinho de gramática não faz mal a ninguém.
O verbo horrorizar normalmente é reflexivo: horrorizar-se. Para funcionar, o verbo horrorizar necessita da colaboração do horrorizado. É como no verbo espanhol morirse. Para morrer (pelo menos em espanhol), é preciso que o morto “morra-se”, participe do ato de morrer. No caso de horrorizar-se, eu me horrorizo na medida em que estou suscetível a sentir o horror.
O terror é outra história.

Dificilmente alguém diz “aterrorizei-me vendo aquelas imagens”, pois o terror é produzido por outro sobre mim, e quem aterroriza (e isso é horrível e terrível!) não está aterrorizado nem horrorizado consigo mesmo.
O terror vem de fora. O horror vem de dentro.
O terrorista não se horroriza com o ato de aterrorizar os outros.
Horror é um sentimento de receio, de medo, de pavor perante algo ameaçador, odioso e perverso. Em sua origem latina, horrere significava ficar com os cabelos em pé. O horripilante, no horror, é essa sensação de um frio no estômago, na espinha, o suor frio, o frio da morte.
O terrorista pratica o terror com sangue frio. Para ele, não é horrível matar inocentes. É um meio para atingir um fim. O terrorista não teme, quer dominar a todos utilizando o medo, e para isso conta com a mídia, para que o mundo inteiro fique paralisado.

O grande esforço, agora, é não ficarmos horrorizados com o terror.
O grande esforço do homem civilizado é substituir o horror e o ódio por uma atitude de indignação que saiba propor, sem que se perca também a dignidade, ações que evitem os horrores da guerra.

Gabriel Perissé