domingo, 12 de outubro de 2008

Jornadas nas Estrelas - Episódios originais - Livro 1



Introdução por D.C. Fontana

Uma ilustração de William Rotzler pode ser vista numa das paredes de minha casa. Ela mostra uma mulher conversando com um homem. No tornozelo da mulher há uma algema com uma corrente, no fim da qual está a USS Enterprise (NCC1701). A legenda indica: "Ela me segue por todos os cantos". Isso, em síntese, é o efeito que, Star Trek tem em minha vida. Se eu pago alguma coisa numa loja com cheque ou cartão de crédito, geralmente o vendedor olha para o nome impresso, me olha e diz:
— Você é a D.C. Fontana?
— Ah... sim.
— De Star Trek?
— Isso mesmo. Vem em seguida (faça sua escolha):
(1) cumprimentos pelos roteiros que escrevi, (2) perguntas sobre o seriado ou seus atores, (3) o futuro do seriado (as esperanças não morrem), ou (4) perguntas de como ele/ela pode vender um roteiro para o seriado.
Freqüentemente a pessoa comenta que ele/ela cresceu assistindo Star Trek. Dependendo da idade da pessoa, isso pode significar que ele/ela é um fã de terceira ou quarta geração e viu a série através de suas inúmeras reprises e não quando originalmente exibida na tevê.
Um dos muitos fenômenos ligados à Série Clássica é que a série nunca deixou de ser reprisada. Em algum lugar do mundo Star Trek está sempre sendo exibida para uma audiência sempre fascinada.
Algumas vezes fico curiosa a respeito da tradução para outros idiomas. "Ele está morto, Jim" provavelmente é uma tradução fácil de fazer, mas referências mais técnicas devem representar maior dificuldade.
Sempre que uma emissora resolve tirar o seriado da programação os telespectadores, agitados, prontamente iniciam uma campanha de cartas em protesto até que as coisas voltem ao normal. O seriado original ainda recebe um grande número de cartas e muitas pessoas escrevem para dizer como Star Trek mudou ou influenciou suas vidas para melhor.
Certamente influenciou a minha.

Lembro do dia em que primeiro ouvi o nome Star Trek. Era a primavera de 1964 e eu era uma das secretárias de Gene Roddenberry na série de tevê The Lieutenant, da Metro-Goldwyn-Mayer. Sabíamos que The Lieutenant não seria renovada pela NBC e que Gene estava trabalhando na criação de uma nova série. Gene sabia que eu era membro da Associação de Escritores na época e que tinha alguns créditos como roteirista. Ele foi uma das pessoas que mais me encorajou a continuar escrevendo e a tentar carreira como escritora em tempo integral. Uma tarde, ele me entregou algumas folhas datilografadas e disse "É isso que estou imaginando para a próxima série. Quero saber o que você acha".

Levei o material para casa e li naquela noite. Não havia muita coisa escrita, mas a nave (então a USS Yorktown) destacava-se como um excitante veículo para as estrelas, capitaneada pelo jovem e enérgico capitão Robert April, auxiliado por um oficial de ciências chamado Spock, que era meio-humano e meio-marciano (sua pele era avermelhada nos primeiros rascunhos). Não gostei muito desse oficial em particular naquela época, mas estava impressionada.

Quando devolvi o texto no dia seguinte, disse para Gene: "Só tenho uma pergunta. Quem vai interpretar Spock?"

Jornada nas Estrelas - TSO - James Blish - Livro 1 ( Download )