segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

A Ficção Científica está morrendo? - Margaret Atwood

Se a FC está ficando fora de moda? Não há motivo para me perguntar isso - sou velha demais - mas eu tive uma conversa com Randy do meu banco, que parece ter uns 25 anos. (O que deve significar que tem uns 35, a medida que você envelhece, os outros parecem mais jovens, assim como quando você é jovem o velho parece mais velho ainda. Tempo é relativo. Sei disso de tanto ler FC.)

Eu sei que ele é um fã de sci-fi por que me disse ter gostado muito de ‘Oryx and Crake’.

Enquanto eu conversava sobre assuntos de banco com ele, pedi sua opinião.
A primeira parte da nossa conversa foi sobre o significado do termo FC.

Para Randy, e eu acho que ele é representativo, sci-fi inclui outros planetas, que podem ter ou não, dragões. Isto inclui toda a coisa paranormal, não aquela mesa da sua tia que sai vibrando ou coisas se partindo, mas pessoas capazes de mudar de forma e com olhos vermelhos, sem pupilas, e coisas que tomam conta do seu corpo. Isto sem falar nas naves espaciais e cientistas loucos e experimentos que dão terrivelmente errado.
O terror comum não conta - assassinos com serras-elétricas e coisas assim.
Randy e eu concordamos que você pode encontrar um desses andando pela rua. É aquilo que você não pode encontrar nas ruas é que conta, para Randy. E ele acha que estas coisas não saem de moda. Eu concordo com ele.

Nem tudo na FC é sobre ciência - a ciência ocorre em um outro nível da trama, como uma ferramenta, mas o que manda é a ficção.

A forma narrativa é o que interessa; é o caminho através da escuridão e a parte mais brilhante do mundo da imaginação humana; um mapa daquilo que mais desejamos e também do que mais tememos. É por isso que é tão importante. Fala do que faríamos se nós pudéssemos.
E graças a ciência, cada vez mais nós podemos.

O trabalho mais recente de Margaret Atwood é ‘Oryx and Crake’, uma ‘ficção especulativa’.

Site oficial de Margareth Atwood