segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Mangue Negro


O sucesso (mesmo que restrito a festivais) de um filme brasileiro de horror é algo notável e que devia servir como exemplo para muitos artistas e diretores que insistem em comédias populares, de olho nas bilheterias, apelando para romances 'água-com-açucar' estrelados por globais, ao invés de ousar fazendo cinema de verdade.

Mangue Negro (Mud zombies) de 2008, foi dirigido e escrito por Rodrigo Aragão, e é um daqueles filmes que te prendem na cadeira do início ao fim, sem dever nada em qualidade às produções americanas que estamos acustumados.

O filme foi aplaudido de pé pelos festivais que passou, eventos prestigiados como o Montevideo Fantástico, Rojo Sangre de Buenos Aires e o já comentado neste site, SCI-FI London entre outros, arrebatando prêmios e audiências e surpreendendo os apreciadores do gênero ou não.

A história, que se passa obviamente em um mangue situado no Espírito Santo, mostra o dia-a-dia de uma comunidade de pescadores, ameaçada pela poluição que faz desaparecer a vida marinha do local. Dentro desse enredo ecológico, a ficção extrapola e do mangue surgem criaturas que começam a fazer vítimas nos lugarejos.

Um dos melhores títulos do cinema fantástico nacional, graças ao talento e o esforço deste novo diretor.