segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

E.T. O Extraterrestre em sua Aventura na Terra



[...Michael pós os enchimentos nos ombros e pegou o capacete. Estava se sentindo violento hoje, querendo ação. Em poucas passadas estava outra vez no alto da escada. Mas deparou com Elliott ali, bloqueando-lhe a passagem.

— Michael...
— O que está querendo, cara? Michael adiantou-se.
— Tenho uma coisa muito importante para contar a você.
— E o que é?
— Lembra do duende?
— Duende? Ora, saia da minha frente ...
— Espere um instante, Michael. Estou falando sério. Ele voltou.
— Elliott... — Michael não tinha muito o que fazer com o irmão menor. Elliott era como um fuinha desagradável, cheio de movimentos furtivos...
— Saia da minha frente.
— Posso mostrar o duende a você. Mas não se esqueça de que ele me pertence.
Michael hesitou.
— Está bem ... mas que seja depressa.
— Jure primeiro. E tem de ser o juramento mais solene que você puder fazer.
— Está bem, está bem, juro tudo. Mas mostre logo o que tem. É um gambá ou algo assim? Está no seu quarto? Mamãe vai matá-lo.

Elliott levou Michael pelo corredor.
— Tire as ombreiras — disse ele, ao entrarem no quarto. — Pode assustá-lo.
— Não enche, Elliott. Elliott levou-o até o armário.
— Feche os olhos.
— Por quê?
— Feche os olhos sem fazer perguntas, Michael.

Dentro do armário, o veterano botânico intergalático estava revisando tudo o que sabia a respeito de aparelhos de comunicações, pois em breve teria de construir um. Ouviu os dois humanos entrarem no quarto, mas ignorou a aproximação, mais concentrado em vasculhar o cérebro à procura de indicações para a construção do transmissor. A porta do armário abriu-se de repente.
Elliott passou o braço por ele e acenou com a cabeça, num gesto tranqüilizador.
— Venha conhecer meu irmão.

Eles saíram, no momento em que Gertie, de volta do jardim de infância, entrava correndo no quarto. Vendo o monstro, ela gritou. E o monstro também gritou. Além de Michael, que acabara de abrir os
olhos. As vozes misturadas alcançaram o centro de comando da casa, onde Mary estava sentada, tentando recuperar as forças.

— Oh, Deus...

Ela se levantou da mesa da cozinha. Que ritual selvagem sua família estava agora realizando? Parecia que estavam arrancando a calcinha de Gertie. Dentro de 20 anos, Gertie estaria tentando recordar a cena, num diva de analista.

Mary subiu a escada, preparada para tomar anotações, que entregaria mais tarde a Gertie, quando ela começasse a fazer análise.
Ela avançou exausta pelo corredor, a caminho do quarto de Elliott. Um dia inteiro de trabalho no escritório, seguido por um trauma infantil em casa... apenas mais um dos pequenos desafios da vida.
Mary parou por um momento à porta de Elliott. Esperava que pelo menos o quarto estivesse arrumado.
Abriu a porta. Cada objeto que Elliott possuía fora jogado no chão. Mary olhou para o filho. No meio de tudo aquilo, como ele podia exibir uma expressão tão inocente?

— O que aconteceu aqui?
— Aqui onde?
— Onde? Olhe só para esta confusão! Como é possível?
— Está falando do meu quarto?
— Isto não é um quarto, mas um acidente. Contratou um furacão para vir aqui?

Dentro do armário, o veterano botânico intergalático estava encolhido entre Michael e Gertie. A garotinha parecia prestes a mordê-lo. A boca do menino estava entreaberta, numa expressão apatetada, os ombros enormes e disformes ocupavam um espaço considerável no armário apertado. O hóspede do espaço esperava que o arranjo atual não fosse permanente, já que o aposento era muito apertado.
Ele espiou por uma fresta na porta. A mãe das crianças estava apontando para as coisas que ele espalhara pelo quarto, à procura de componentes para o seu transmissor.

Tentou avaliar o grau de cordialidade da mulher da Terra. Ela não usava correntes de metal, não parecia armada, era tão atraente quanto a princesa marciana do poster. Só não tinha, é claro, a silhueta inferior em forma de pêra, a suprema beleza. E também não podia se gabar da elegância incomparável de dedos compridos nos pés...]


E.T. O Extraterrestre em sua Aventura na Terra - William Kotzwinkle (baseado no roteiro de Melissa Mathison) [ Download ]