sábado, 5 de abril de 2008

A alvorada de HAL - Entrevista com Arthur Charles Clarke - Parte 2/4



Stork: Kubrick via 2001 por um lado ‘espiritual’. Por que você acha que ele pensava assim?

Clarke: O uso que Kubrick dava para a palavra ‘espiritual’ em relação ao filme é complicado de definir. Eu acho que ‘emocional’ talvez fosse melhor.

Stork: É notável que seja ‘emocional’, quando os personagens não demonstram suas emoções.

Clarke: Surpreendentemente muito da emoção vem quando HAL desconecta os astronautas que dormem e você vê os sistemas de suporte a vida falhando, aquilo é muito tocante.

Stork: Muitos momentos decisivos ocorrem no silêncio.

Clarke: Tentamos ser precisos sempre. Parte da ação acontece fora da Discovery, no espaço, que é claro, totalmente silencioso.

Stork: O que pensa sobre o progresso da Inteligência artificial?

Clarke: Concordo que a Inteligência artificial, como definimos, está uns dez anos à nossa frente. Este dia virá.

Stork: Se você escrevesse esta mesma história hoje, você faria HAL igual?

Clarke: Em ‘2010’ eu fiz mudanças em HAL, e eventualmente fiz dele um sujeito bacana. Se eu tivesse planos de fazer um novo filme, eu certamente o faria desta forma.

Stork: Por que você o fez?

Clarke: Acho que mesmo o pior sujeito pode ser recuperado eventualmente, e esta é uma mudança interessante, fazer de HAL um bom sujeito.

Stork: Então você não pensa nele como uma extensão natural da maldade humana?

Clarke: Inteligência é uma ferramenta que pode ser usada para o bem ou para o mal. A história humana prova que sem a inteligência não se pode fazer nada. É como o fogo. Sem ele não teríamos a civilização e olhe quanta destruição o fogo causou.

Stork: Tem uma cena maravilhosa de HAL cantando ‘Daisy’. Pode nos dizer como isso se originou?

Clarke: Quando HAL é desconectado e canta ‘Daisy, Daisy’ é uma piada, por que o primeiro computador construído para falar nos laboratórios da Bell em 1940, 1950,
cantou ‘Daisy, Daisy’ com uma voz bem mecânica; combinamos isto com meu amigo John Pierce, o diretor do laboratório.

Stork: HAL nasceu em Urbana, Illinois. Por que?

Clarke: Eu escolhi Urbana por um motivo pessoal. Meu professor de matemática aplicada na Kings era George MacVeaty, que depois foi para Urbana e para a Universidade de Illinois. Eu descobri depois que George trabalhou em Bletchley Park, onde eles quebraram o código do Enigma, o código alemão. E aconteceu que o primeiro computador, o Colossus, foi construído com o propósito de quebrar este código. Também em Bletchley Park, trabalhava Alan Turing e ele desenvolveu o teste Kana Machine, eles escreveram um livro chamado ‘Kana Machine Think’ e eles inventaram o famoso teste que se você está conversando, digamos, através de um teleprinter ou um computador e não puder dizer se o seu interlocutor do outro lado, é um ser humano ou uma máquina, estará provado que do outro lado haverá uma inteligência. Hoje este teste é aplicado em outras áreas e as pessoas podem ser enganadas por pouco tempo, mas eventualmente você perguntará alguma coisa e receberá uma resposta estúpida.

Stock: HAL nasceu em 12 de Janeiro de 1992. Por que a data, e por que tão antes de 2001?

Clarke: Acho que HAL teve duas datas de nascimento, uma no filme e outra no livro e ambas ocorreram bem antes de 2001. Não sei por que escolhemos estas datas. Nem estou certo de que sabiam que ambas eram domingos.

Stork: Você chegou a pensar em fazer de HAL um robô. Por que a rejeitou?

Clarke: Pensamos em fazer HAL um robô convencional. Poderia se mover e fazer coisas. Então nós chegamos a conclusão de que seria um clichet. Já haviam muitos monstros mecânicos, você sabe. Robbie, o robô e outros. E é claro, o mais belo robô de todos, em Metropolis, de Fritz Lang. Então fugimos do clichet e pensamos que se distribuíssemos sensores nós poderíamos ver tudo por toda parte e talvez manipuladores que poderiam controlar coisas, não precisariamos mover o cérebro central. Poderia ficar em um só lugar, imóvel. De novo esta era uma idéia antiga, de Olof Stapledon, ‘Last and First men’ onde há uma raça de gigantescos cérebros imóveis, com suportes de vida e todo tipo de sensores, mas nunca se mexiam. Não precisavam.

Stork: Você pode dizer então que primeiramente foi por rações artísticas? Não fazê-lo como um robô.

Clarke: Acho que parte por razões artísticas e também por que era bem mais fácil assim. Imagine em um confronto ente os astronautas e um HAL móvel, balançando os braços e tudo mais, seria uma cena bem dramática - acho que algo parecido com isso é feito de tempos em tempos, mas fico agradecido por não termos feito. Incidentalmente eu me tornei como HAL, por que não posso me mover, mas tenho sensores espalhados pelo mundo.

Stork: HAL matou. Foi assassinato?

Clarke: Quando ele mata, não acho que seja assassinato. Bem, depende inteiramente da sua definição. Podemos dizer que foi auto-defesa, que é um argumento utilizado pela lei. Acho que foi mais auto-defesa do que assassinato.

Stork: Não seria imoral, se desconectar um computador inteligente como HAL?

Clarke: Esta é uma pergunta interessante, se seria imoral desconectar ou desligar-se temporariamente um computador inteligente. De outra forma, alguns computadores poderiam ser capazes de dormir de tempos em tempos, como nós. É um ponto para se discutir. Uma das razões pelas quais fizemos HAL daquele jeito, foi poder mostrá-lo sendo dramaticamente desconectado. Puxando aquelas coisas. Mas é claro, não seria tão dramático se fossem microchips.

Stork: HAL pergunta, não no filme, mas no livro, se vai sonhar quando for desligado. Um computador sonha quando está desligado?

Clarke: Não vejo por que razão não possam. Nós sonhamos para organizar e rejeitar todo tipo de input e informações que retemos durante o dia. Jogue no lixo isso, guarde aquilo, e assim vai. Isso é só o que os sonhos fazem. Estou certo que um computador inteligente terá que fazer o mesmo. Provavelmente o fará por multi-tarefa e não precisará ser desligado.

Stork: Ao longo do filme vemos vários comerciais interessantes. Fale-nos sobre eles e por que você achou que seria a Bell Telephone a ganhar o espaço em 2001.

Clarke: Como a maioria dos filmes de grande orçamento, tenta-se jogar com a indústria, por dois motivos, algumas vezes as companhias irão pagar por isso, de qualquer jeito é uma boa publicidade, nas duas direções, mesmo que nenhum dinheiro venha a aparecer. A Bell Labs é claro, se interessou. É uma ironia que tenha sido desfeita pouco depois do lançamento do filme.


Stork: Nos fale sobre o xadrez como uma marca da inteligência e o que HAL tem a ver com isso.

Clarke: Kubrick escolheu o xadrez por várias razões, estou certo disso. Um dos motivos é que ele modestamente ganhava para jogar xadrez na Washington Square, contra adversários, poucos dólares, mas dava para viver. Felizmente eu nunca aprendi nem as regras mais básicas. Deliberadamente, pois tinha medo de que se eu aprendesse, seria possuído. Foi muita sorte; esta foi uma decisão que tomei quando criança. Eu era aficcionado por jogo de damas e dardos, mas xadrez, de jeito algum! E se eu tivesse me tornado um enxadrista, 2001 nunca teria sido feito. Estou certo que Stanley e eu passaríamos muito tempo jogando e eu ficaria muito frustrado por ser derrotado por ele. Se xadrez é uma prova de inteligência, é claro que é discutível, desde que o campeão de xadrez atual é um computador.

Stork: Por que diz que é discutivel? Deveria significar que a máquina é inteligente. Acha que Deep Blue é inteligente?

Clarke: Se xadrez for um teste de inteligência, então obviamente alguns computadores são mais inteligentes do que seres humanos. Mas se xadrez for uma questão de ‘força bruta’; você sabe, utilizar algoritimos, apenas tentando de tudo até que se encontre um que funcione, então não é realmente inteligência.

Stork: Então você está dizendo que não existem máquinas inteligentes hoje?

Clarke: Tenho duvida se existe alguma máquina realmente inteligente hoje, mas estou certo de que existem algumas sendo testadas. Talvez em dez anos. Robôs que podem construir outros robôs já são uma realidade.

Stork: É vida artificial?

Clarke: Vida artificial é outra questão, não é o mesmo que inteligência artificial. Existem células automatas que são padrões que se movem de um computador para outro de acordo com regras bem simples, e tem um comportamento como seres vivos. Elas podem ser definidas como criaturas vivas, embora suas possibilidades sejam limitadas, eu diria.

Stork: Então você define a vida como algo separado do substrato?

Clarke: Vida é algo que surge com complexidade. Aconteceu de surgir aqui, com base no carbono. Mas poderia ser silício, amônia, plasma. Como no livro de Fred Hoyles ‘The black cloud’ - tudo é possível. Mesmo galáxias inteligentes. É claro que elas pensavam bem vagarosamente.

Stork: E quanto aos sistemas econômicos, são grandes e bem complexos. Aprendem, podem reagir, trocar produtos e as pessoas agem dentro dele.

Clarke: Sim, sistemas econômicos mundiais, são certamente organismos. Eu escrevi um conto, muitos anos atrás, chamado ‘Dial F for Frankenstein’, onde eu assumo que o sistema telefônico mundial em certo ponto, se torna uma entidade viva. Depois de uma ligação, ele subitamente começa a pensar e toma o controle do mundo. Escrevi isso nos anos 60 e acho que foi publicado na Playboy. ‘Dial F for Frankenstein’ se tornou datado hoje, por que ninguém mais disca é claro, e hoje se isso acontecesse, não seria com o sistema telefônico, mas com a Internet. Mas é claro que é uma possibilidade real. Quando a Internet irá tomar conta?

Stork: Alguma sugestão? Alguma idéia?

Clarke: Acho que a Internet já assumiu o controle. Passo 90% do meu tempo na Internet trocando emails, então provavelmente isso já aconteceu.

Stork: Mas ainda não é inteligente. Acho que concorda comigo.

Clarke: A Internet não é inteligente, nem a maioria das pessoas que a utilizam. Acho as vezes penso que não sou inteligente, por gastar tanto tempo da minha vida nela.

Stork: Computadores são ubiguos. Tratamos com eles de diversas maneiras. Teclamos neles, falamos com eles, escrevemos neles com canetas especiais. Como HAL. Você poderia especular que métodos surgirão para que humanos e máquinas se comuniquem?

Clarke: Hoje usamos teclados para nos comunicar. E cada vez mais usaremos a voz e eles falarão conosco. Em breve, acho que teremos implantes cerebrais e isso já está sendo testado - já está acontecendo. Na semana passada, um rapaz ganhou uma mão biônica que era controlada mentalmente. É obvio que é o próximo passo, e em um dos meus livros eu mostro um capacete que se ajusta ao crânio. Com milhares de micro eletrodos, não irei entrar em detalhes técnicos, deixarei para os engenheiros. E teremos comunicação mental direta, telepatia eletrônica se preferir, com computadores e é claro, entre eles. Irá revolucionar a sociedade. É algo bastante comum em livros de ficção científica. Uma coisa que me preocupa é a quantidade enorme de informação que estamos guardando. Quando ficaremos sem espaço para tanto? Parece que não vai acontecer por que os equipamentos de armazenamento estão ficando cada vez mais poderosos e os números são inacreditáveis. Vivo em um pais onde a grande maioria acredita em reincarnação. Meu problema com a reincarnação é: como funciona este mecanismo de entrada-e-saida e como é o sistema de armazenamento? Nunca tive uma resposta, mas acho interessante. Se somos de alguma forma guardados depois de morrer e então podemos ser reavivados, então a pergunta é - se a informação nunca se perde, se tudo é guardado de algum modo no tecido cósmico, então todo mundo que já viveu deveria reincarnar e isso é um assunto para séria especulação filosófica.

Stork: Então você prevê um estado único entre homens e máquinas?

Clarke: Homens e máquinas vão se unir. Hoje já existem pessoas com mecanismos artificiais dentro de seus corpos. Corações artificiais. Um dia eles terão cérebros artificiais. Serão capazes de baixar nossos pensamentos, nossas personalidades em um computador. Acho inevitável. E não me preocupa. O fato de ser um bípede baseado em carbono, não me leva a menosprezar um bípede baseado em silicio.

Stork: Direitos iguais?

Clarke: Direitos iguais para robôs.


Parte 1 - Parte 3 - Parte 4 - Notas e Links


Marvin Minsky - The Turing option [ Download ]
Alan Turing - Can machines think [ Download ]
Fred Hoyle - Black Cloud [ Download ]
Olaf Stapledon - Last and first men [ Download ]