domingo, 6 de dezembro de 2009

C. M. Kornbluth



Cyril Michael Kornbluth (23 de Julho de 1923 – 21 de Março de 1958) nasceu em New York (EUA).

Aos 15 anos entrou para o Futurians, o fã-clube de Ficção Científica novaiorquino, do qual fizeram parte escritores como Isaac Asimov, Frederik Pohl, Damon Knight, James Blish, Donald A. Wollheim, David Kyle, Larry Shaw, Richard Wilson, Robert A.W. Lowndes, entre outros.

Recrutado aos 19 anos, foi mandado para a Europa, tendo recebido uma medalha por valor patriótico na Batalha de Bulge. Ao final da Segunda Grande Guerra voltou para Chicago, onde formou-se jornalista.Trabalhou em jornal até 1951, quando decidiu seguir na carreira de escritor.

Em seus primeiros trabalhos como escritor profissional, Kornbluth utilizava-se de uma prática comum naquela época, o de escrever sob diversos pseudônimos, na esperança de poder assim vender mais contos. Alguns deles eram Cecil Corwin, S. D. Gottesman, Edward J. Bellin, Kenneth Falconer, Walter C. Davies, Simon Eisner e Jordan Park.

Kornbluth era um homem dedicado a um objetivo que ia de encontro a sua grande e maior paixão: Ser um escritor de Ficção Científica respeitado. Dizem que leu toda uma enciclopédia, procurando adquirir conhecimento que lhe seria útil para suas histórias. Seus amigos o descreviam como um homem gentil, porém de hábitos estranhos, como o de nunca escovar os dentes ou forçar-se a beber café, pois segundo ele, era o elixir mágico dos escritores (mesmo detestando café).

Vários de seus contos acabariam suprindo séries de televisão. Adaptado por Rod Serling, 'The little black bag', se tornou um famoso episódio da série Night Gallery, onde Burgess Meredith interpreta um médico que perdeu sua licença por alcoolismo e que encontra uma valise contendo aparelhos médicos tecnologicamente avançados, vindos do futuro. O doutor os utiliza para voltar a medicar e assim se redimir de seus pecados. É claro que a história não termina bem...

Uma característica peculiar em suas histórias, era a de escavar o ser humano atrás daquilo que não aparecia à vista, seus segredos e temores, em meio a remorsos e culpa. Sobre estas fraquezas, Kornbluth construia uma história que não raramente terminava tragicamente.

Kornbluth morreu aos 34 anos (sem gozar da fama e do reconhecimento que tanto buscara), de um ataque de coração enquanto corria numa plataforma de estação, para alcançar um trem.

Sua morte prematura porém não impediu que muitos de seus trabalhos chegassem ao público através de seu amigo Frederik Pohl (com quem escreveu The Space Merchants, entre outros), que anos depois ainda trabalharia em seus contos inacabados, publicando-os postumamente (o que inclusive lhe rendeu um Hugo em 1973).

C. M. Kornbluth ( Interplane Express e The mask of Demeter (com Wolheim), Virginia, Time Burn, Thirteen o'clock, Theory of Rocketry, The words of guru, The silly season, The remorseful, The only thing we learn, The mindworm, The marching morons collection, The luckiest man in Denver, The little black bag, The Goodly creatures, The events leading down to tragedy, The education of Tigress Mccardle, The Cosmic Charge Account, The altar at midnight, The adventurer, That share of glory, Shark Ship, Ms Found in a chinese fortune cookie, Make mine Mars, Kazam collects, I never ask no favours, Gomez, Friend to man, Everybody knows Joe, Dominoes, A mile beyond the moon, Gunner Cade (com Judith Merril)) [ Download ]