domingo, 8 de maio de 2011

Daniel F. Galouye



Daniel Francis Galouye (11 de Fevereiro de 1920 - 07 de Setembro de 1976) nasceu em New Orleans, Louisiana(EUA).

Podemos dizer que Galouye foi um escritor que nos deixou poucos livros (cinco) e meia centena de contos, porém suas ideias e argumentos são tão originais que se diferenciavam de outros escritores com obras bem mais volumosas.

Escreveu principalmente contos, nos gêneros ficção científica apocalíptica, fantasia e mistério, para revistas populares nos anos 40 e 50 (Galaxy, Fantasy and Science Fiction), inclusive, como era hábito da época, utilizando diversos pseudônimos, como Dan Galouye, Daniel L. Galouye, Louis G. Daniels, Daniel F. Galouje, Daniel Galouye.

Frequentou a Louisiana State University, estudou jornalismo, foi piloto de provas da Marinha americana durante a segunda grande guerra (chegou a pilotar aviões-foguete protótipos), quando sofreu um acidente que lhe causou sequelas sérias, inclusive paralisia parcial, afetando sua carreira jornalistica e literária, além de abreviar sua vida.

Aos 32 teve publicado seu primeiro conto, Rebirth, na Imagination (revista famosa por divulgar space-operas intergaláticas), que publicou boa parte de seus primeiros trabalhos.

Graduou-se pela Pensacola Naval Air School e como tenente foi também responsável pelo treinamento de pilotos americanos no Hawai. Somente ao dar baixa na marinha, iniciou sua carreira de repórter, depois tornou-se editor em 1956, mas sua saúde debilitada levou-o a aposentar-se prematuramente nove anos depois.

Assim como seu contemporâneo Alfred Bester, teve uma carreira como escritor relativamente curta. Chegou a morar em New York, o centro de publicação da FC americana na época. Pode-se dizer que Galouye não é um autor celebrado nos dias de hoje, nunca esteve entre os mais populares da FC durante sua carreira de quase dez anos, porém sua verve imaginativa, seu talento inovador, permaneceu registrado em seus livros.

Dark Universe , publicado em 1961, é o melhor deles.

Em Dark Universe (Mundo tenebroso), seres humanos vivem em um mundo de absoluta e perpetua escuridão e orientam-se principalmente através do som. A luz é um ente abstrato e mágico, sobre a qual discutem frequentemente. Muitos dos seus habitantes veneram a luz, criando uma religião a partir dela.
Dark Universe foi indicada ao Hugo de 1961.

Em seus personagens, econtramos sempre a urgência de sobreviver em circunstâncias contrárias, criaturas esquecidas de suas histórias pessoais, sem saber o que se passa ao redor. De certo modo, suas histórias possuem uma similiaridade com as de A. E. van Vogt.

Apesar de Dark Universe ser tão elogido pela crítica, seu maior sucesso foi sem dúvida 'Counterfeit World' (aka Simulachron-3) de 1964. Num futuro próximo é inventada uma máquina capaz de criar um modelo cibernético igual ao nosso, utilizado a princípio para pesquisas de mercado. Dentro deste universo simulado, cada "indivíduo" é uma unidade virtual inteligente. Um dos gênios responsáveis pela invenção percebe uma série de circunstâncias estranhas dentro deste mundo virtual e passa a investigá-las.

Apesar de estarmos bastante habituados hoje com a expressão 'realidade virtual', Galouye foi um dos primeiros escritores a descrevê-la em detalhes.

Em 1973, o famoso diretor alemão de cinema, Rainer Werner Fassbinder, adaptou-o em uma série de episódios para a televisão chamada "Welt am Draht" (Mundo Conectado).
Em 1999, outro diretor de cinema, Josef Rusnak, levaria Simulacron-3 para hollywood, com sua adaptação chamada 'The Thirteenth Floor' (O 13° andar).

Galouye recebeu em 2007, o prêmio póstumo Cordwainer Smith Rediscovery, concedido a escritores falecidos que por seu trabalho, merecem ser descobertos pelos leitores de hoje.
 


Daniel F. Galouye ( Simulacron-3, Misión Diplomática, Ojos Artificiales, Mundo Tenebroso, A Scourge of Screamers, Dark Universe ) [ Download ]